Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

A Associação de Surf da Terceira comunica que a candidatura para a realização de uma prova na Ilha terceira integrada no Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2021, foi ganha, colocando os Açores e a Praia da Vitória no mapa nacional e internacional da modalidade.
A Federação Portuguesa de Surf apresentou ontem o Circuito Nacional de Bodyboard Crédito Agrícola 2021 e conta com a parceria da BBoardTV.
São apenas 4 as etapas com ondas de classe mundial em Aveiro, Figueira da Foz, Praia da Vitória e Peniche, sendo considerado “o melhor calendário de sempre”.
Uma das novidades deste ano é o aumento do número de vagas para competidores masculinos em 30%, de 48 para 64 atletas.
De acordo com o calendário, os Açores receberão a 3ª etapa na ilha Terceira, entre 2 e 5 de outubro, sendo a prova realizada na mítica onda de Santa Catarina, no concelho da Praia da Vitória, e volvidos quase 10 anos desde a última edição nesta ilha.
Para Joana Schenker, 7 vezes campeã nacional “…(a ilha )Terceira é uma adição muito interessante, uma onda diferente do que estamos habituados no circuito e que tem o extra de incluir as ilhas, o que dá uma dimensão verdadeiramente nacional ao circuito e a sensação de viajar que nos tem sido vedada nos últimos tempos…”
Já para Daniel Fonseca, bicampeão nacional, “…Olhando para o calendário, a grande surpresa é Santa Catarina, nos Açores. É um spot com muito potencial para o espetáculo e embora estejamos sujeitos às condições, tem tudo para ser uma boa oportunidade de mostrar bodyboard de alto nível em ondas de consequência….”
A inclusão dos Açores no circuito Nacional de Bodyboard teve o empenho da da AST - Associação de Surf da Terceira, o interesse e apoio imediatos da Câmara Municipal da Praia da Vitória e do Governo Regional dos Açores para acolher a 3ª etapa.Consideramos que este evento é uma oportunidade de excelência para colocar o município, a ilha e a Região no “mapa” do Bodyboard nacional e internacional.
Estes eventos são a justa promoção daquilo que os Açores podem oferecer como destino de "surfing”, em particular na chamada época baixa.
A Região reúne uma série de potencialidades que harmonizam o surf com a oferta do turismo de natureza e de lazer, que deve ser promovida de forma sustentável e segura.
A etapa dos Açores conta igualmente com a colaboração da Associação Açores de Surf e Bodyboard e do apoio do Governo dos Açores e entidades privadas.

Em comunicado enviado às redações dos OCS Açores, a Associação de Ténis dos Açores (ATA) tornou público que a sua Assembleia Geral, reunida em sessão de 17 de abril de 2021, aprovou as contas referentes ao ano de 2020 sem votos contra, tendo melhorado o resultado líquido.
“A atual Direção, que tomou posse a 05 de agosto de 2020, implementou, com a articulação entre os membros da direção e os membros dos seus conselhos técnico e fiscal, uma gestão de fundos transparente e rigorosa, sendo todas as operações sujeitas a controlo interno.
Apesar da atual época pandémica, que muito prejudicou a atividade desportiva, o Plano de Desenvolvimento Desportivo (PDD) de 2020 foi praticamente cumprido, produto de um trabalho de equipa dinâmico entre a direção e o conselho técnico.
Por outro lado, esse órgão social aprovou por unanimidade o PDD para 2021, apresentado em Assembleia Geral no passado mês de janeiro.”
A título informativo o mesmo comunicado divulga as linhas gerais do novo Plano de Desenvolvimento Desportivo agora aprovado: 1) ações de formação dirigidas a agentes desportivos não praticantes (professores de Educação Física e treinadores); 2) organização de cursos de treinadores nível 1 e 2, árbitros de cadeira e juiz-árbitros; 3) projeto New Lines nas escolas; 4) criação de novos clubes nas ilhas de S. Jorge, Pico e Santa Maria e reativação de clubes inativos em São Miguel; 5) apoio a novas infra-estruturas desportivas em parceria com a Federação Portuguesa de Ténis ( FPT), incluindo já em 2021, as coberturas de 2 Campos no Clube de Ténis do Faial; 6) apoio em parceria com a FPT do projeto Play & Stay em todos clubes; 7) apoio ao ténis de praia regulamentado nos mesmos moldes do ténis de campo; 8) nomeação de um responsável pela área do ténis de praia; 9) criação de gabinete de imprensa e dinamização da presença nas redes sociais; 10) reuniões técnicas periódicas e regulares com os diretores técnicos dos clubes; 11) reuniões periódicas e regulares entre os membros dos corpos sociais.

A Seleção Sub-16 de Futebol 11 da Associação de Futebol de Angra Heroísmo (AFAH) venceu o Torneio Regional Interassociações, que decorreu no Campo dos Leões, na ilha Terceira, nos dias 09 e 10 de abril.
Com duas vitórias nos dois jogos disputadas, o conjunto liderado por Paulo Meneses somou seis pontos, conquistando, desta forma, o troféu. No conjunto das duas partidas, a seleção da AFAH marcou um total de sete golos, tendo sofrido apenas um.
Simão Rodrigues (2 golos), Leonardo Ponte (2 golos), Gustavo Alves (1 golo), Francisco Fernandes (1 golo) e Mário Vigário (1 golo) foram os marcadores do lado da seleção da AFAH.

Confira o quadro de resultados:
AF Angra do Heroísmo 5 - 0 AF Horta
AF Horta 1 - 2 AF Angra do Heroísmo

Classificação final:
AF Angra do Heroísmo - 1º (6pts)
AF Horta - 2º (0pts)

Recorde-se que devido a questões relacionadas com a pandemia da Covid-19, a comitiva da Associação de Futebol de Ponta Delgada foi aconselhada pelas autoridades de saúde a não se deslocar para fora da ilha. Assim, o Torneio foi encurtado de seis para dois jogos, e de três para dois dias, com a participação das seleções das associações de futebol de Angra e Horta.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante