Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

A marca Açoreana está há 130 anos presente na vida dos açorianos e em toda a sua comunidade, protegendo o seu dia a dia, os seus bens e os seus negócios. A Açoreana iniciou a sua atividade em 1892, em Ponta Delgada, é hoje a marca da Generali Seguros nos Açores e é líder neste mercado.

Em ano de celebração, a Açoreana associa-se à Tour Açores no Coração” de Cuca Roseta, que se vai realizar nos próximos meses de maio e junho. Esta vai ser uma digressão que irá passar pelas nove ilhas do arquipélago. Um projeto especial da artista que arranca a 20 de maio em São Jorge e termina a 10 de junho, dia de Portugal, em Ponta Delgada.

Este projeto tem uma forte vertente social associada, com a oferta da receita de bilheteira de cada concerto a instituições de solidariedade locais. Para além desta ação, Cuca Roseta pretende ainda convidar um artista de cada ilha para participar nos concertos, juntando assim o seu fado à cultura e tradições locais.

 “Em ano de aniversário, a Açoreana associa-se a um projeto abrangente e muito importante para a marca nas diferentes vertentes - cultural, social e regional – e é também uma iniciativa muito relevante para toda a comunidade. Continuando a aposta nas soluções inovadoras de seguros, na sua simplicidade e comunicação, este projeto contribui para uma maior proximidade das pessoas, valor que partilhamos, e para sermos o parceiro para a vida dos nossos clientes açorianos”, acrescenta Maria João Silva, diretora de Marketing da Açoreana.

Para Cuca Roseta “esta digressão é um projeto que queria realizar há muito tempo, pela paixão e ligação que tenho com os Açores e os açorianos e que só agora se tornou possível graças ao apoio da Açoreana. Poder levar a minha música a todas as ilhas dos Açores, nomeadamente a populações que não têm tanto acesso a espetáculos culturais, poder tocar com artistas da região e apoiar instituições sociais locais, tornam este projeto numa iniciativa de que me orgulho imenso. Mais do que nunca, é importante evidenciar e mostrar a todos as maravilhas deste arquipélago, as suas pessoas e a sua tradição.”

Para além do apoio ao Tour Açores no Coração”, a Açoreana irá também lançar nos Açores uma campanha publicitária alusiva aos seus 130 anos e realizar ao longo do ano diversas iniciativas institucionais, de apoio à comunidade e com os seus parceiros e clientes.

O Outsiders – Cinema Independente Americano decorre entre 31 de março e 3 de abril, no Auditório do Ramo Grande, na Praia da Vitória, e entre 7 e 10 de abril, no Centro Cultural e de Congressos, em Angra do Heroísmo. É a oportunidade para conhecer 11 realizadores com filmes de produção independente. Dar destaque a um outro tipo de filmes americanos, diferentes dos blockbusters, é o objetivo da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) com a primeira edição na Ilha Terceira, Açores, do ciclo Outsiders – Cinema Independente Americano, que apresenta uma seleção de 11 filmes de realizadores independentes, produzidos nos EUA entre 2010 e 2019, alguns deles premiados e nunca antes exibidos em Portugal. O Outsiders – uma iniciativa da FLAD que conta com a coprodução do Cine-Clube da Ilha Terceira – irá exibir 11 filmes, na sua maioria, produções de baixo custo, gravação em vídeo digital ou diálogos improvisados, apresentando um olhar diferenciado sobre a vida contemporânea dos jovens adultos americanos.

Outsiders – Cinema Independente Americano compreende géneros e narrativas clássicas, filmes estreados (e alguns premiados) em festivais como Sundance, SXSW, Tribeca ou Berlim e que, por diversas razões, passaram ao lado da programação e dos circuitos de distribuição em Portugal. O ciclo abre a 31 de março no Auditório do Ramo Grande, na Praia da Vitória, com a exibição de Tiny Furniture, de Lena Dunham, realizadora, produtora e atriz, autora da série da HBO, “Girls”, da qual o filme parece ter sido a matriz, onde estará a decorrer até 3 de abril. A 7 de abril, será a vez da estreia no Centro Cultural e de Congressos, em Angra do Heroísmo, com The Rider, o filme de Chloe Zhao, imediatamente anterior à sua consagração nos óscares de 2021. Pelo meio, serão exibidos filmes marcantes (várias primeiras obras) de realizadores — Robert Greene, Eliza Hittman, Amy Seimetz — com outros projetos já conhecidos no nosso país. Alguns dos nomes são totalmente inéditos em Portugal, como os casos de Frank V. Ross, Patrick Wang, John Magary e dos irmãos Bill e Turner Ross, autores de obras cuja divulgação se impunha. Não podemos deixar de destacar ainda a exibição do filme All The Light in The Sky de Joe Swanberg, um dos realizadores mais prolíficos destes últimos anos e mais mal conhecidos desconhecidos em Portugal. Considera-se que o trabalho de divulgação desta geração de cineastas independentes, cujos filmes são representativos da terceira vaga indie do cinema americano, está em grande parte por fazer. A exibição, pela primeira vez em Portugal, deste conjunto de obras procura preencher lacunas e destacar os realizadores outsiders, permitindo-lhes ocupar um lugar no circuito de programação de cinema. O Outsiders – Cinema Independente Americano realizou a sua primeira edição em Lisboa entre 30 de novembro e 8 de dezembro de 2021, e a sua primeira edição nos Açores decorrerá na ilha Terceira, nos Açores, entre 31 de março e 10 de abril de 2022.

O programa Outsiders – Cinema Independente Americano é uma coprodução: FLAD e Cine-Clube Ilha Terceira

O concerto de SAMUEL (Samuel Quedas), intitulado “Sempre um fim. Sempre um começo.” e as apresentações dos livros “Uma Adolescente à Beira de Um Ataque de Nervos”, de Mafalda Creative, e “Ainda Não é Bem Isto”, de Diogo Ourique, são os destaques do último fim-de-semana do Outono Vivo 2021.

Hoje, 12 de novembro, a programação inicia-se com a apresentação do livro “Ainda Não é Bem Isto” de Diogo Ourique, às 20h00, na Academia de Juventude e das Artes da Ilha Terceira (AJAIT). Pelas 21h30, a Sociedade Filarmónica Espírito Santo da Agualva sobe ao palco do Auditório do Ramo Grande para concerto intitulado “Um Ano de Filarmónica”. Também a esta hora, realiza-se uma noite de poesia ao som de Joel Moura na AJAIT.

Amanhã, 13, Mafalda Creative, que é uma das mais conhecidas “youtubers” portuguesas, apresentará o livro “Uma Adolescente à Beira de um Ataque de Nervos”, às 16h00, no Auditório do Ramo Grande.

A seguir, pelas 20h00, na AJAIT, haverá o lançamento do livro “Lajes, Meu Porto de Afetos” de João de Deus Melo. Depois, às 21h30, haverá a quarta Janelas de Conto de Tânia Ferreira – Conto Curto: “EU”, com Letícia Leal e Tiago Mestre sobre “Vamos Desmistificar o eu sexual”. Para terminar este dia, há o concerto de SAMUEL (Samuel Quedas), com o nome “Sempre um Fim. Sempre um Começo”, no Auditório do Ramo Grande.

No último dia de Outono Vivo, domingo, pelas 15h00, decorre a sessão de cinema infantil no Auditório do Ramo Grande com o filme “Patrulha Pata: O Filme”. Segue-se a apresentação do livro “Coração de Avó” de Paulo Freitas, às 17h30, na AJAIT. Depois, há a apresentação do livro “Sonetos de Lava e Incenso (E Outros Delírios) de João Mendonça, às 20h00. Por fim, acontece o concerto da Filarmónica União Praiense, intitulado “Pasodobles Taurinos”, às 21h30, no Auditório do Ramo Grande.

Ao longo deste fim-de-semana, a exposição “Peças com História” do Museu de Angra do Heroísmo também se encontra visitável na Galeria de Arte da Academia de Juventude e das Artes da Ilha Terceira das 09h00 às 23h00.

Os bilhetes para os eventos podem ser adquiridos na bilheteira da Academia de Juventude e das Artes da Ilha Terceira que se encontra a funcionar de segunda a sexta-feira das 09h00 às 17h00, ou contactando o 295 545 701; na bilheteira do Auditório do Ramo Grande, nas duas horas que antecedem o início do evento; ou através da bilheteira online da www.ticketline.pt. Excetuam-se os eventos gratuitos, cujos bilhetes devem ser levantados até duas horas antes do evento na bilheteira do Auditório do Ramo Grande.

Salienta-se que serão cumpridas as normas de segurança definidas pela Autoridade de Saúde. Haverá também uma lotação limitada nos espaços (no caso do Auditório do Ramo Grande a lotação está limitada a três quartos da capacidade máxima da sala de espetáculos – cerca de 300 lugares), bem como o uso obrigatório de máscara de proteção individual.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante