Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

No passado dia 19 de Maio do corrente ano teve lugar no Palácio de Mafra, monumento nacional, a celebração a nível nacional do Dia do Advogado, presidindo à cerimónia o Senhor Bastonário da respectiva Ordem, Professor Luís Meneses Leitão. Para além dum magnífico concerto de carrilhão executado pelo carrilhonista Abel Chaves, tirando partido dos afamados sinos do Palácio, foi celebrada Missa Solene lembrando quer os já falecidos quer os que ainda estão presentes, presidindo à Eucaristia o Senhor Cardeal Patriarca D. Manuel Clemente. Na

Igreja, em pedestal destacado, esteve uma Imagem do Padroeiro dos Advogados, Santo Ivo de Tréguier, ele próprio distinto Jurista.

De seguida teve lugar a Sessão Solene na histórica e maravilhosa Biblioteca do Palácio, onde foram atribuídas medalhas aos Advogados com cinquenta e mais anos de inscrição, e uma medalha de ouro ao antigo Bastonário Dr José Miguel Júdice. Também foram distinguidos com a Medalha de Honra aqueles Advogados que se destacaram no exercício da profissão, nomeadamente pela dignidade com que o fizeram ao longo da sua vida profissional, granjeando o respeito dos colegas e até da comunidade.

Pela primeira vez na história da advocacia uma dessas Medalhas de Honra foi atribuída a uma Ilustre Advogada Açoreana e Praiense, Drª Paulina Jacinta Paim de Lima Oliveira, de resto a primeira mulher terceirense a exercer advocacia nesta Ilha.  Tal distinção honra a própria, naturalmente, a sua família, mas também os colegas, a advocacia açoreana, e, em particular, este concelho de Praia da Vitória de cuja freguesia de Vila Nova é natural.

Isso bastaria para que Jornal de Praia se orgulhasse do facto, mas acresce que a Ilustre Advogada foi já Directora deste quinzenário, pelo que apresentamos os nossos cumprimentos e felicitações à homenageada e familiares.

A Açoreana, que iniciou a sua atividade em 1892, é hoje a marca da Generali Seguros nos Açores e é líder neste mercado.

Jornal da Praia nesta edição entrevista Carlos Bettencourt, Diretor Comercial Ilhas da Açoreana.

 

Jornal da Praia (JP) - O que representam estes 130 anos a “segurar” os açorianos?

Carlos Bettencourt (CB) - A Açoreana, que iniciou a sua atividade em 1892, é hoje a marca da Generali Seguros nos Açores e é líder neste mercado.

Estamos há 130 anos presente na vida dos açorianos e em toda a sua comunidade, protegendo o seu dia a dia, os seus bens e os seus negócios.

Ao longo destes anos a nossa estratégia foi clara, com uma resposta eficaz, próxima, diferenciada e competente face às necessidades dos açorianos. Estamos presentes em todas as ilhas e é esta proximidade que nos diferencia e qualifica. Estes 130 anos representam uma enorme responsabilidade a par de uma grande satisfação.

JP - Que projetos tem a Açoreana para os Açores?

CB - Queremos continuar a ser a preferência dos nossos clientes e parceiros. Vamos continuar a apostar nas soluções de seguros diferenciadoras e inovadoras, na sua simplicidade e comunicação, cada vez mais adequadas às exigências dos açorianos.

Queremos continuar a responder com eficácia e rapidez nos momentos em que fazemos a diferença, do sinistro e na sua prevenção, para sermos o parceiro para a vida dos nossos clientes.

JP - Como é que surge a tournée “Tour Açores no Coração” em parceria com a artista Cuca Roseta, para celebrar os 130 anos?

CB - Em ano de celebração, a Açoreana associa-se à Tour “Açores no Coração” de Cuca Roseta, que se vai realizar nos meses de maio e junho, por ser um projeto abrangente e muito importante para a marca nas diferentes vertentes - cultural, social e regional – e também uma iniciativa muito relevante para toda a comunidade.

Com esta parceria vamos fazer chegar a música a todas as ilhas do arquipélago, um percurso único de reconhecimento e gratidão, aliada a qualidade de uma intérprete magnífica.

Cuca Roseta em digressão solidária pelos Açores com o apoio da Açoreana

 

Em ano de celebração, a Açoreana associa-se à Tour “Açores no Coração” de Cuca Roseta, que se vai realizar nos próximos meses de maio e junho. Esta vai ser uma digressão que irá passar pelas nove ilhas do arquipélago. Um projeto especial da artista que arranca a 20 de Maio em São Jorge e termina a 10 de Junho, dia de Portugal, em Ponta Delgada.

Em declarações a que Jornal da Praia teve acesso, a artista Cuca Roseta refere que "Esta digressão é um projeto que queria realizar há muito tempo, pela paixão e ligação que tenho com os Açores e os açorianos e que só agora se tornou possível graças ao apoio da Açoreana. Poder levar a minha música a todas as ilhas dos Açores, nomeadamente a populações que não têm tanto acesso a espetáculos culturais, poder tocar com artistas da região e apoiar instituições sociais locais, tornam este projeto numa iniciativa de que me orgulho imenso. Mais do que nunca, é importante evidenciar e mostrar a todos as maravilhas deste arquipélago, as suas pessoas e a sua tradição.”.

No que diz respeito à ilha Terceira, o concerto acontece no dia 25 de Maio, no Auditório do Ramo Grande e conta com o apoio da Câmara Municipal da Praia da Vitória e da Cooperativa Praia Cultural.

O bilhete tem um custo de 10 euros e podem ser adquiridos através do ticket line em https://ticketline.sapo.pt/salas/sala/1683 Auditório do Ramo Grande Açores.

Saber mais

Mais informações sobre a Açoreana em https://www.tranquilidade.pt/tranquilidade/landing-acn

Mais informações sobre a tournée “Açores no Coração” em www.facebook.com/cucarosetafado

Concerto no Auditório do Ramo Grande aquisição de bilhetes online em https://ticketline.sapo.pt/evento/cuca-roseta-tour-acores-no-coracao-63656

SEBASTIÃO LIMA / JP - É voz corrente de que os jornais em papel têm os dias contados, devido à revolução digital. Qual a opinião do Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional sobre este problema?

LUÍS GARCIA / ALRAA – A revolução digital é um desafio não só para os jornais, mas para todos nós, cidadãos, instituições e empresas. Temos todos, incluindo os jornais, de nos preparar e enfrentar este desafio, com inovação, criatividade e formação.

Tão ou mais importante que a “revolução digital”, é um outro desafio que os jornais e os meios de comunicação social em geral enfrentam, que é o de serem fontes credíveis de informação. Este é sempre, para mim, o principal desafio dos órgãos de comunicação social: informarem com rigor, profissionalismo e isenção. Aqueles que seguirem este caminho, creio que mais facilmente terão futuro.

SEBASTIÃO LIMA / JP - Os jornais regionais e locais na forma tradicional, atravessam uma crise sem precedentes, que medidas se devem tomar para que esta situação seja ultrapassada?

LUÍS GARCIA / ALRAA – A comunicação social livre, imparcial e credível constitui um pilar de qualquer regime democrático. Por isso, assegurar e reforçar este pilar é um desígnio de todos nós. A imprensa presta, em muitos casos, um verdadeiro serviço público. Neste contexto, entendo e aceito que, em determinadas condições e localidades, os jornais regionais e locais possam ser apoiados pelos órgãos governamentais, a diversos níveis, sempre baseado num quadro legal com regras e critérios objetivos e transparentes. Isto torna-se especialmente evidente, e necessário, em tempos difíceis como aqueles que vivemos, em que as receitas obtidas, por exemplo, com a publicidade diminuem. Contudo, os jornais regionais e locais (e outros meios de comunicação social) não podem ficar sentados nas redações à espera dos apoios públicos. Têm de procurar ser inovadores, criativos, divulgar informação atualizada, de proximidade e até diferente.

SEBASTIÃO LIMA / JP - Que futuro perspectiva para os jornais locais em papel?

LUÍS GARCIA / ALRAA – Na minha perspetiva, o futuro dos jornais locais passa por disponibilizarem uma informação diferente e de proximidade. A pior sensação que tenho às vezes quando pego num jornal local para ler é a de que não tem notícias novas, nem diferentes daquelas que já li em outros meios de comunicação.

Neste mundo global, em que a informação – boa e má – circula a uma velocidade estonteante, os jornais locais têm de se reinventar, descobrir novas estratégicas de fidelizarem e conquistarem novos leitores.

Existem muitos acontecimentos nas nossas comunidades locais que não são noticiados e deviam sê-lo. Essa deve ser, na minha perspetiva, a missão dos nossos jornais locais: divulgar, informar e também ajudar a registar os acontecimentos e as vivências das nossas comunidades. Esta simbiose entre os jornais locais e as respetivas comunidades é uma das receitas para o futuro daqueles.

SEBASTIÃO LIMA / JP - Esta crise implica repensar novas políticas sociais e económicas para os jornais locais?

LUÍS GARCIA / ALRAA – As crises constituem sempre momentos para refletirmos e, muitas vezes, obrigam-nos a mudar os rumos. É bom que aprendamos, nos mais diversos níveis, com a crise complexa que vivemos, que façamos as alterações que se impõem e saibamos aproveitar as oportunidades que também surgem nestes momentos. Como os jornais locais não são imunes a esta crise, terão eles próprios de repensar a sua atuação e, em articulação com os poderes públicos, refletir e definir um adequado quadro legal de apoio aos mesmos, comprometendo-os e ajudando-os a modernizarem-se, e a criarem melhores condições para exercerem a sua missão.

SEBASTIÃO LIMA / JP – O jornal da Praia tem sido um acérrimo defensor da autonomia política e administrativa da Região Autónoma dos Açores, que se quer progressiva e irreversível. Qual deve ser o limite de uma verdadeira autonomia política e administrativa para a nossa região?

LUÍS GARCIA / ALRAA – Aproveito para felicitar o Jornal da Praia pelo seu 40º aniversário, reconhecendo o seu percurso e o seu contributo para o nosso desenvolvimento e para a defesa da Autonomia.

Os meios de comunicação social tiveram, e têm, um papel insubstituível na promoção, pedagogia e defesa da Autonomia Regional. São, sem dúvida, um pilar da nossa Autonomia, que está a celebrar 45 anos, e conto com todos eles para continuarmos este caminho de constante e progressivo aprofundamento da Autonomia, que nunca está acabado.

O percurso feito ao longo destes 45 anos em Autonomia deve orgulhar-nos, mas também devemos ter a humildade, a capacidade de reconhecer e corrigir o que de menos bem ou até mal aconteceu.

Não há dúvidas que a Autonomia, quando bem compreendida e implementada pelos diversos atores políticos, sociais e económicos, é a melhor resposta para o desenvolvimento integral da nossa Região.

Defendo, por isso, um constante aperfeiçoamento da Autonomia, que se deve concretizar em três níveis: a conquista de novas competências, a clarificação e aprofundamento de outras, e a melhor utilização de algumas que já temos, sobretudo, em alguns domínios que claramente ainda não atingimos aquilo que seria desejável.

SEBASTIÃO LIMA / JP – Pode haver democracia, liberdade, e autonomia sem pão?

LUÍS GARCIA / ALRAA – Pode, mas não serão plenas. Tenho afirmado repetidas vezes que não há Autonomia plena se os seus sujeitos não forem eles próprios autónomos. Constitui um desígnio dos regimes democráticos e autonómicos criar condições para dotar as pessoas das condições necessárias, para que possam exercer na plenitude a democracia, a liberdade e a autonomia.

Cuidar, defender e cultivar a democracia, a liberdade e a autonomia tem de ser uma tarefa diária de todos, e os tempos presentes, infelizmente, ensinam-nos que nunca as devemos dar por garantidas.

SEBASTIÃO LIMA / JP – É dado adquirido que a nossa Região Autónoma lidera taxas nacionais de pobreza, abandono escolar e analfabetismo, etc. O que deverá ser feito para sairmos deste triste quadro?

LUÍS GARCIA / ALRAA – Aqui estão alguns domínios em que as políticas implementadas em Autonomia ainda não foram suficientes para atingirmos indicadores satisfatórios. Temos de assumir essas falhas de frente e procurar as melhores soluções para as colmatar. Os novos fundos que vamos receber da União Europeia constituem uma oportunidade que não podemos perder.

Não tenho dúvidas que o sucesso destes combates é determinante para o sucesso da própria Autonomia. Os combates a estes insucessos estão intimamente ligados. Acredito que é através da educação e da formação, adequadas e contextualizadas, que poderemos fornecer às pessoas as ferramentas necessárias para quebrar o ciclo da pobreza, que insiste em perpetuar-se de geração em geração em algumas comunidades.

Temos, pois, que educar, formar e qualificar, e depois conseguir um desenvolvimento económico capaz de valorizar as pessoas e atribuir-lhes um rendimento adequado.

 SEBASTIÃO LIMA / JP – As consequências da invasão da Rússia à Ucrânia estão à vista e muitas ainda são imprevisíveis. Qual a repercussão que terão no país em geral, e na nossa região em particular?

LUÍS GARCIA / ALRAA – Costumamos dizer que uma desgraça nunca vem só, e este provérbio aplica-se ao momento que atravessamos. À pandemia e suas consequências, muito gravosas, somam-se agora as da guerra na Ucrânia, que condenamos, expressando aqui também a nossa solidariedade para com o seu povo.

Esta guerra está a ter um impacto muito forte na economia mundial e afeta sobremaneira uma região pequena e ultraperiférica como a nossa, muito dependente do exterior.

O aumento da inflação, das taxas de juro e a escalada de aumento de preços estão aí, desde a energia aos combustíveis, passando pelos cereais. Isto deve-nos obrigar a refletir e a redefinir estratégias. Desde logo, em dois domínios: a necessidade de aumentarmos a nossa independência energética e a nossa soberania alimentar.

SEBASTIÃO LIMA / JP – Porque é que V. Ex.ª, enveredou por uma carreira política?

LUÍS GARCIA / ALRAA – Não encaro a política como uma carreira, mas sim como uma missão e um serviço que se presta à nossa comunidade, enquanto somos úteis. Quando terminamos esse serviço e essa responsabilidade, devemos regressar à nossa vida profissional.

SEBASTIÃO LIMA / JP – O Parlamento Regional é um sítio “em que gosta de estar?"

LUÍS GARCIA / ALRAA – Estar no Parlamento Regional, naquele que é o primeiro órgão da nossa Autonomia, é uma honra e uma responsabilidade, por se estar em representação do Povo Açoriano. Quando se é escolhido pelas senhoras e senhores Deputados eleitos para presidir à Assembleia, essa honra e essa responsabilidade tornam-se ainda maiores. É precisamente por isso que procuro todos os dias, no exercício desta missão, dignificar, prestigiar e aproximar o nosso Parlamento dos cidadãos e das nossas instituições, para que todos se sintam verdadeiramente representados na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores.

Entrevista: Sebastião Lima /Jornal da Praia

Foto: ALRAA

Jornal da Praia (JP) – Em contagem decrescente, como é que estão a decorre os preparativos para mais uma edição do torneio em futebol “Ramo Grande Azores Cup”?

Ricardo Martins (RM) – Estão a decorrer normalmente, cada vez mais perto dos dias…

Este ano iniciamos mais cedo os preparativos comparando com o ano passo que só tivemos a presença de equipas da ilha Terceira. Este ano temos uma presença mais alargada a todo o arquipélago dos Açores… Serão os Açores de mãos dadas nesta 14.ª edição do torneio.

Quanto à parte logística, os recintos de jogo terão a mesma dinâmica dos anos anteriores, no entanto a competitividade será a nível Açores.

JP – Quais as equipas que teremos a disputar o torneio?

RM – Teremos da ilha de São Miguel a Escola de Futebol Pauleta, a Escola Benfica Açores com dois escalões, o Santo António, o Vasco da Gama. Já do Faial teremos o Fayal Sport, do Pico o Madalena, de São Jorge a AtlânticFut, da Graciosa o Mocidade Praiense e da ilha Terceira todas as equipas estarão presentes nestes dois escalões.

JP – Já na sua 14.ª edição, como tem evoluído o torneio?

RM – O torneio começou em 2008. Sendo então um Torneio Sub 10 Escolinhas, dirigido, mas com ambições de trazer uma referência fora da ilha.

Em 2014, o torneio dividiu-se em dois escalões, Sub 11 e Sub 13, Escolinhas e Infantis. É, também, em 2014 que o torneio se expande a um capítulo internacional com a participação do Atlético de Madrid.

Nos anos de 2015 e 2016 o torneio volta a crescer a nível de logística e estruturas, por exemplo com uma bancada que deu melhores condições a quem assiste aos jogos… todavia veio o Covid-19, em 2020 não foi possível e em 2021 foi em formato reduzido só com equipas da Terceira.

A opção este ano com equipas só dos Açores foi possível em articulação com as entidades de Saúde, com a Câmara Municipal da Praia da Vitória… por isso só abrimos aos Açores.

A nossa ambição para o ano é ter já algumas equipas do continente… podem não ser equipas que já estiveram presentes noutras edições do torneio, ou então um dos grandes e outras equipas que possam de igual modo competir com as nossas equipas… mas estamos sempre a reavaliar estas possibilidades.

JP – O que representa para o JDL – Juventude Desportiva Lajense, enquanto promotor, o “Ramo Grande Azores Cup”?

É uma mais valia para clube e para a Vila das Lajes que por estes dias enche-se de adeptos do futebol?

RM- O torneio representa muito para o clube. O JDL pratica três modalidades, o Ciclismo, o Futebol e a Dança Desportiva. Temos praticantes de futebol desde as Escolinhas a Veteranos e, inclusive uma equipa feminina federada. E, este torneio é a mostra do que fazemos ao longo do ano onde todos se entregam para que aconteça.

Nestes dias, todas as gentes das Lajes estão de braços abertos para receber quem nos visita… a Vila enche-se de gente! A Praia da Vitória, a própria ilha dinamiza-se com as várias equipas e acompanhantes que vem participar e assistir ao torneio.

JP – A par do futebol, decorrerão outras atividades ligadas ao desporto. O que está planeado?

RM – Nos dias do torneio teremos a formação “As Diferenças e Semelhanças entre Futebol Feminino e Masculino – Desenvolver a Vertente Feminina do Clube aos Açores” que será ministrada pela prof. Susana Cova, treinadora e jogadora do Sporting, isto porque estamos a apostar no futebol feminino e será alguém que nos desperte e forme para esta vertente do futebol feminino

Cada vez mais, procuramos, a par dos jogos que decorrem dentro do campo, ter formação que engrandece também o torneio.

JP – Ano a após ano o torneio tem uma figura ligada ao desporto que “apadrinha” o evento. Este ano a embaixadora será Nicole Cassamá atleta do Sporting Clube de Portugal. É um incentivo para os mais novos estes “embaixadores”?

RM – Tentamos ter alguém ligado ao futebol. Este ano, embora não estando presente, temos Nicole Cassamá atleta do Sporting e da seleção… ela própria tendo já jogado em edições anteriores é uma referência para os nossos atletas.

Convidamos sempre alguém que passou pela nossa formação, da nossa ilha ou da nossa região, alguém que se tenha referenciado e que tiveram êxito, um exemplo, uma referência para aqueles que trabalham e querem ter êxito também. Com trabalho tudo se consegue!

JP – Certamente este torneio envolve verbas, instituições, logística o que não deve ser muito fácil para o JDL…

RM- O grande “motor” do clube são as Lajes.  As suas empresas, as suas gentes, as suas instituições. Temos como grande parceiros o Governo Regional dos Açores, a Câmara Municipal da Praia da Vitória e a Junta de Freguesia da Vila das Lajes, a Associação de Futebol de Angra do Heroísmo… mas são as empresas, as empresas das Lajes que nos ajudam durante o ano todo.

Toda esta envolvência… acho que todo o grande apoio para o torneio são as empresas, os nossos parceiros até a filarmónica apoios neste evento…

Ou seja é toda esta inter ajuda que faz com que o torneio é atualmente e no patamar que está, uma referência no futebol.

JP – E para as crianças, para estes pequenos atletas, como vêem o torneio?

RM – Ficam marcadas para a vida. Para elas o torneio é uma referência e lembram o torneio.

JP – Quer deixar alguma mensagem…

RM – Gostava de deixar ao público em geral que passem pelas Lajes, passem pelo recito do Campo de Futebol Manuel Linhares de Lima porque a “Festa do Futebol de Formação dos Açores” vai acontecer e se o tempo permitir vamos ter festa garantida.

Vamos ter o campo cheio de gente… gente de praticamente todas as ilhas num convívio necessário para essa reabertura nesta normalidade que todos precisamos… fica aqui o convite a todos!

Jornal da Praia – “Uma Instituição onde o Importante são as Pessoas!”,

A Olhar Poente – Associação Desenvolvimento surgiu em 2014 como IPSS (Instituição Particular de Solidariedade Social). Quais os fundamentos que levaram à criação da IPSS?

Sérgio Nascimento - No final de 2009 foi constituída a Olhar Poente enquanto associação de solidariedade social, com o propósito de promover o Desenvolvimento Local com base numa comunidade mais activa e participativa. Da ideia partimos para a prática e meses mais tarde concorremos ao concurso público, que tivemos a sorte de vencer, para a gestão da creche e CATL na freguesia da Vila Nova. Pelo trabalho desenvolvido nesta freguesia, tanto na gestão das respostas sociais, como nos novos serviços de Terapia da Fala, Centro de Estudos e Refeitório Social, o Governo dos Açores veio reconhecer a Olhar Poente, no ano de 2014, como pessoa colectiva de utilidade pública e consequente registo como IPSS. É justo destacar o importante papel que teve o Sr. Rui Nogueira, à data presidente da Junta de Freguesia, no apoio incondicional para uma melhor resposta para a comunidade. Como também o envolvimento do Centro Comunitário Espírito Santo da Vila Nova, que com uma dinâmica muito própria tem sido um extraordinário parceiro social nestes últimos anos.

…em 2009 a Olhar Poente dava os primeiros passos e em 2010 iniciava as suas atividades. Foi a experiência e os resultados que levam a considerar, atualmente, a Olhar Poente – Associação, uma instituição de referência no concelho da Praia da Vitória e mesmo nos Açores?

Os 11 anos de actividade ensinou-nos que há sempre espaço para melhorar. E só conseguiremos, continuando a arriscar. Foi o que fizemos quando aumentamos a nossa intervenção num território que estava deficitário deste tipo de resposta marcadamente social. Se analisarmos a Carta Social 2019, confirma-se que somos a IPSS com sede na ilha Terceira com mais crianças a frequentar creche e CATL (Tempo Inteiro). O mesmo se aplica às restantes ilhas dos Açores, onde somos das escassas que gere múltiplas creches mantendo o conceito familiar. Acredito que também por isso a Diretora Regional da Solidariedade Social, Dra. Andreia Vasconcelos, tenha manifestado publicamente que a Olhar Poente é um projeto de referência para o município e Região. Dito por uma pessoa com formação superior em serviço social, de reconhecido mérito e com experiência profissional em IPSS´s, ainda mais importância têm as suas palavras. Mas só de forma concertada podemos ser mais eficientes. Por exemplo, no início da pandemia, lançamos o desafio aos Bombeiros Voluntários da Praia da Vitória para prepararem no quartel uma formação de Teambuilding, sensibilizando para a resiliência e entreajuda. Em momento algum podíamos deixar de estar presentes na vida das crianças e tínhamos de estar capacitados, mesmo quando confinados. Fizemo-lo também pela saúde mental da nossa equipa. Isso mesmo foi reconhecido pelo Director Regional do anterior executivo referindo-se ao nosso modelo como exemplar no trabalho realizado no decorrer da pandemia e confinamento. Também as vistorias do ISSA e Cooperativa Praia Cultural, realizadas por pessoal altamente qualificado, ajudaram-nos a eliminar um conjunto de anomalias. Os pais, enquanto estrutura basilar, que vão dando sinais da necessária mudança. Até os bons projetos educativos desenvolvidos neste município têm servido para absorver ideias de melhoria.

Quais as valências e áreas de ação que a Olhar Poente atualmente possui e desenvolve no concelho praiense?

A nossa intervenção é na área da Infância e Juventude nas freguesias da Vila Nova, Fontinhas, Fonte do Bastardo e Biscoitos. Agora também em Santa Cruz, onde depois de estabelecido contacto com o projecto de diferenciação pedagógica Novas Rotas, nas Capelas, avançámos com a Academia OP – Centro de Estudos, Formação e Actividades. Paralelamente temos serviços na área social e da saúde que se complementam e são um suporte a muitas famílias. Uma boa parte destas respostas e serviços têm sido desenvolvidos em estreita cooperação, onde se destacam o Governo dos Açores e município da Praia da Vitória, tendo os executivos assumido promover políticas de justiça e solidariedade em parceria com as IPSS enquanto parceiros de desenvolvimento social. A implementação do projecto-piloto Creche de Inclusão e Intervenção Precoce é disso exemplo, onde estamos focados em promover uma parceria mais concertada com a Equipa Técnica de Intervenção Precoce da Praia da Vitória e CIT, aproveitando a cooperação já protocolada com a Associação Nacional de Intervenção Precoce, para que as crianças tenham respostas imediatas e sem interrupções e os pais vivam com menos ansiedade e mais esclarecidos sobre o processo que envolve o seu educando. Por outro lado, também continuamos conscientes da importância da pedagogia do ar livre e o modelo Escola da Floresta já está a ser implementado nas nossas respostas. Agora, da mesma forma que a inclusão se resolve com mais inclusão e nunca com menos, também qualquer corte nos apoios às IPSS´s irá sempre resultar numa ruptura, num duro golpe e na falta de resposta aos utentes. Não é demagogia, é factual. A atitude pacífica, de compreensão e de tolerância deve estar presente na vida dos que assumem cargos políticos de acrescida responsabilidade. A larga maioria dos utentes das IPSS´s são dependentes, com deficiência ou com outras problemáticas. As crianças não podem ser abandonadas por quem tem o dever instituído de as proteger. Qualquer intenção política deveria sempre ser antecedida de um prévio questionamento por quem decide: se este corte atingisse brutalmente o meu filho, tomaria esta decisão?

Quem visita a vossa página de Facebook, o que ressalta à “vista” são os sorrisos e a alegria das crianças nas várias atividades desenvolvidas ao longo do ano… mesmo o tradicional Carnaval terceirense não foi esquecido este ano! Os pais, os avós, os encarregados de educação, sentem-se envolvidos nestas atividades bem como a comunidades onde as valências estão inseridas?

Seria uma boa pergunta para colocar às famílias, acabarei por fazê-la em breve! O que posso adiantar, é que a equipa há muito me convenceu que trabalhar por projectos que vão ao encontro dos interesses das crianças, resultará de forma natural em mais sorrisos e alegrias. E este princípio aplica-se quando o tema é cultura e tradições, daí a participação e envolvimento das famílias nos bailinhos e marchas. Já quando foi aprovado pelo Parlamento Europeu a nossa candidatura “A Terceira na Europa”, convidámos os pais, que aceitaram, a acompanharem-nos a Bruxelas. Porém para concretizar ideias e conceitos as educadoras têm de se assumir como empreendedoras sociais. Têm que investigar, pesquisar novas ferramentas e estratégias, criar laços com colegas de outras instituições, inovarem-se todos os dias. O mesmo com as ajudantes e administrativas - que também são educadoras não de canudo mas no conforto e carinho. Tentamos que o nosso sistema de trabalho dê liberdade para a criatividade e envolvimento, numa base de respeito e felicidade. Porque todos os dias, são de superação. E as famílias devem ser o mais proativas e colaborativas possível, os alunos passam mas os filhos são para sempre. Estes estão munidos de informação actualizada. Já não bastava uma pandemia veio agora uma guerra. Os alunos ocupam os intervalos da escola assistindo aos acontecimentos no leste europeu e muitos começam a apresentar os primeiros sinais de ódio e sentimento de raiva por uma pessoa ou um povo. Também as mais pequenas já brincam aos tiros nas nossas salas de creche, há muito que não assistíamos a isso. É urgente escutar os psicólogos e outros profissionais de saúde, desesperadamente as crianças e jovens precisam de acompanhamento. Todos temos de nos reinventar, ser ímpares. Nunca fez tanto sentido o projeto EducaMente – Meditação & Relaxamento, que desenvolvemos desde 2017.

… a criação do Conselho de Pais da Olhar Poente, em Novembro de 2021, é disso exemplo?

Ao prestarmos serviços em cinco freguesias, impede a proximidade que tanto desejamos entre os cargos de chefia pedagógica e famílias. Daí termos convidado os pais a unirem-se e a constituírem uma estrutura que lhes desse voz e responsabilidade no processo. E assim foi. Posso afirmar que destas reuniões já saíram decisões de melhoria em aspectos que estávamos menos preparados. Tentamos desta forma que o nosso funcionamento seja em rede, que favoreça a mobilidade horizontal e que exista uma comunicação informal e interactiva entre todas as partes. Resumidamente, um modelo participativo. Hoje temos pais mais atentos, mais críticos, mais disciplinados no conhecimento e do que pretendem para os seus filhos. E essa sua visão e ambição merecem o nosso respeito e dedicação. Paralelamente também a Olhar Poente defende a participação dos seus profissionais nas decisões, porque temos o privilégio de contar com uma equipa intelectual e profissionalmente bem preparada. Com o Conselho de Pais, órgão representativo das actuais 350 famílias, temos agora uma estrutura mais compacta para que Governo e Autarquias tenham confiança em continuar a investir nestes pais e nestas crianças.

Quais os projetos que a Olhar Poente – Associação Desenvolvimento tem e pretende concretizar nos próximos anos?

A Olhar Poente amadureceu muito nos últimos anos. Veja-se o exemplo do projeto AMA – Aldeia da Parentalidade, apresentado na comunicação social esta semana e que conta com o apoio visionário do município de Angra do Heroísmo. Foi uma mãe com crianças inscritas na Olhar Poente que nos apresentou a ideia e nos cativou a envolver outras mães. Foi assim que nasceu, simples. A única condição que a Olhar Poente colocou foi que atingisse pessoas socialmente mais desprotegidas, garantindo assim que usufruam dos mesmos critérios de igualdade. Por outro lado, estamos em fase de acreditação de entidade formadora e de certificação de qualidade. Também recebemos três convites para o desenvolvimento de novas parcerias, na Praia, Angra e outra de uma organização italiana, todas com potencial. Continuamos convencidos que os trabalhos em rede são sempre os mais profícuos, estimulantes e envolventes. Temos um potencial humano superior a 1000 pessoas (pais e filhos). Imagine-se que estas nossas famílias compostas por médicos, enfermeiros, carpinteiros, gestores, professores, juristas, bombeiros, polícias e de tantas mais áreas, se envolvessem em projectos de voluntariado, participação cívica na comunidade, a fazer pelos outros aquilo que outros fazem pelos seus filhos. Neste ponto, muito mais podíamos ter feito e só agora elaborámos o nosso Programa de Voluntariado depois de termos sido uma das 10 organizações nacionais seleccionadas pelo fundo gerido pela Fundação Calouste Gulbenkian em consórcio com a Fundação Bissaya Barreto. Por tudo isto, internamente nunca esmorecemos com as injustiças que nos possam lançar e para as quais estamos atentos. Hoje sabemos que a saída da Olhar Poente de uma freguesia onde intervém terá um impacto social considerável tendo em conta os desafios dos próximos anos que não se afiguram fáceis para as famílias e crianças, sobretudo as mais vulneráveis. Por isso, lutaremos sempre e iremos até às últimas instâncias para as defender. E se o percurso for como se prevê, virá o tempo para uma nova liderança da Olhar Poente, mais apta a lidar com os desafios da inovação, que traga novas ideias, novos modelos de governação, quem sabe, numa estrutura de carácter mais circular e flexível, que acredito que seja o caminho para nos mantermos como referência e atingirmos a excelência.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante