Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

A guerra na Ucrânia persiste, este conflito bélico atroz , demonstra que o autocrata Vladimir Putin, presidente e tirano absoluto da Rússia, desrespeita a força do Direito Internacional Público,

e para ele só impera o direito da força, o que pôs em alerta todo o mundo livre e democrático, ao invadir a Ucrânia, desprezando a soberania e a integralidade territorial do povo ucraniano, que se quer livre, democrático e integrado na União Europeia, e não encerrado nos limites sufocantes da Federação Russa, que pretende ser novamente um império de um homem só, Vladimir Putin, líder providencial, em que defende com garras a auto-purificação dos eslavos, a ressurreição da Rússia imperial, tipo Czarista, onde a melhor forma de defender as fronteiras do império é expandi-las, atitude insuspeita do jugo russo ao pretender aniquilar a Ucrânia, e não só...

Para o actual presidente da Rússia, Vladimir Putin, não há regras, e normas para cumprir, mas só há condições a impor a todos os povos eslavos e fronteiriços – russificação, auto-purificação e desnazificação, nada mais, por isso, Vladimir Putin é uma clonagem fiel de Adolfo Hitler, procurando destruir a memória histórica e cultural do povo ucraniano, forçando multidões enormes à força das armas a abandonar a sua terra, e por vezes violentamente a deportá-las como sucedia na era de Stalin.

O mundo livre, tem condenado de forma radical esta guerra injusta e sem qualquer razão de ser, pelo facto de Vladimir Putin, fechado na sua própria bolha tirânica, não querer de forma alguma, uma Ucrânia integrada na União Europeia, livre e prospera, muito menos como membro permanente da Aliança Atlântica (NATO) à sua porta, pois, entende ser uma séria ameaça ao seu futuro, ao espírito do povo e da alma russa, que certamente quererá enveredar por ser uma nação livre, democrática e desenvolvida económica e socialmente, que jamais conheceu.

Esta guerra, como já se disse não tem qualquer justificação, e não podemos aturar atitudes a legitimar este horroroso conflito, absurdo e desumano, em pleno século XXI, onde deve vigorar a concórdia e paz entre os povos e as nações, pois não é lícito aumentar o poder dos fortes para confirmar a miséria dos fracos, tornando-os mais pobres e oprimidos, isto é o resultado de uma guerra barbara e injustificável se for coroada de êxito, que esperamos que de forma alguma venha a acontecer.

Não se compreende a estranha posição do Partido Comunista Português, que “tem-se desdobrado em afirmações anti-imperialistas, anti–EUA e anti–EU, e, novidade, levemente anti-Putin”, com uma política sem eleições livres, liberdade de expressão, com penas de prisão de 15 anos para quem proferir a palavra guerra, em vez de missão humanitária de desnazificação, e purificação dos ucranianos.

Não admira a posição intolerável do Partido Comunista Português, que sempre alinhou ao lado da União Soviética em tempos passados, como por exemplo, no pacto Germano-Soviético durante a II Guerra Mundial para divisão da Polónia entre a Alemanha e a União Soviética, o mesmo sucedendo com a invasão da Hungria pelos soviéticos em 1956 ou da então Checoslováquia em 1968, “alguns textos do Avante!, órgão oficial do PCP, mostram até simpatia pelas reformas do socialismo de rosto humano do checo Dubeck, mas, entrados os tanques em Praga, Cunhal alinha com Moscovo”. Será que o Partido Comunista Português está a cavar a sua própria sepultura?

Sebastião Lima, Diretor

Pin It

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante