Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

A nova comissão política concelhia do PSD/Praia da Vitória quer "voltar a colocar as Quatro Ribeiras no mapa", tendo anunciado que "o PSD vai apresentar uma lista à junta de freguesia para retirar aquela localidade do marasmo em que se encontra", garantiram.
Segundo César Toste, novo presidente daquela estrutura do PSD, "é preciso combater as graves dificuldades de fixação de casais jovens nas Quatro Ribeiras, freguesia que apresenta uma comunidade muito envelhecida, "e que necessita de fatores de atratividade", adiantou o social democrata.
As declarações foram feitas após reuniões com a Comissão da Igreja de Santa Beatriz e com os Procuradores do Império do Espírito Santo da localidade, a freguesia menos populosa do concelho praiense.
"O envelhecimento da população acontece um pouco por toda a ilha, e também pela Região, mas numa localidade tão pequena e peculiar como as Quatro Ribeiras, a preocupação acentua-se", explicou César Toste.
A freguesia tem sentido "dificuldades económicas face à situação pandémica", a que se juntou "a falta das tradicionais festividades, onde muitos emigrantes colaboram com donativos, e que se tornam essenciais para a Igreja e também para o Império", referiu o dirigente.
Apesar dos seus atrativos naturais, "as atividades turísticas são de estada muito breve nas Quatro Ribeiras, onde a falta de um café e supermercado se faz sentir", disse ainda César Toste.
Eleita no passado dia 10, a concelhia social democrata do PSD da Praia da Vitória é então presidida por César Toste, tendo Vânia Ferreira e Bruno Nogueira como vice-presidentes.
Integram ainda a estrutura Fernando Lopes, Vitória Silva, Sandra Cota, José Ribeirinho, Tiago Borges, Raquel Mendonça, Tiago Meneses, Otília Sousa e Nuno Cabral. A mesa da Assembleia é agora constituída por José Fernando Gomes, Rodrigo Ferreira e Paula Rocha.

Lara Martinho, deputada do Partido Socialista dos Açores à Assembleia da República, participou na Conferência Internacional sobre Segurança Marítima, uma iniciativa da presidência portuguesa da União Europeia em parceria com a Agência Europeia de Segurança Marítima, na qual foram abordados temas relacionados com a cooperação internacional em segurança marítima; o Atlântico como caso de estudo neste contexto e a integração da segurança marítima na Bússola Estratégica da União Europeia.
“A segurança europeia está intimamente ligada à segurança marítima, e claro, também aqui, Portugal pode dar um contributo ímpar”, defendeu a deputada socialista que relembrou, na ocasião, que só o Golfo da Guiné representa mais de 90% de todos os ataques de pirataria à escala global, enquanto o Atlântico se assume, cada vez mais, como um espaço de competição geopolítica.
Nesse sentido, e no painel dedicado à cooperação internacional na segurança marítima, a parlamentar defendeu a possibilidade de cooperação entre o centro de excelência da NATO, o GEMEOTOC, e o AIR Centre, lembrando que, enquanto organização para o desenvolvimento do conhecimento nas interações atlânticas, este centro que se encontra sediado na Região, “permite-nos capitalizar a nossa excelência no domínio da segurança na zona do flanco sul”, abrindo ainda novas perspetivas no domínio da “segurança marítima, conhecimento do ambiente e dos oceanos”.
Assim, e questionando quanto à oportunidade da NATO Maritime GEOMETOC poder vir a cooperar com o AIR Centre, a vice-presidente do GPPS perguntou ainda de que forma poderá o Centro do Atlântico contribuir para se alcançar uma maior segurança marítima nos próximos dez anos.
“Se, é um facto que a operacionalização das Presenças Marítimas Coordenadas no Golfo da Guiné foi um passo importante, e que a abertura do Atlantic Center nos Açores poderá dar um contributo igualmente relevante, também é evidente que temos de fazer mais para afirmar a União Europeia enquanto ator de segurança marítima no Atlântico”, ressalvou Lara Martinho.
A parlamentar defendeu recentemente, que a “União Europeia tem de se focar na proteção das rotas marítimas de comunicação e dos bens comuns globais como os cabos submarinos ou os pipelines de energia”, assegurando nessa medida que a União Europeia “tem de ser um garante da segurança marítima!”
Assim, e referindo-se à cooperação em matéria de segurança marítima, a deputada questionou igualmente quanto ao número de países que já manifestaram interesse em integrar o Centro do Atlântico, bem como sobre quais os eventos que se encontram em preparação para se realizarem já este ano.
Na ocasião, o diretor da NATO GEOMETOC, Capitão Fernando Freitas, admitiu à parlamentar portuguesa que o centro possui autonomia para acordos técnicos com outras instituições, destacando assim a possibilidade de se discutir uma cooperação entre as duas, dado que o AIR Centre se encontra a trabalhar em áreas similares.

O Presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro, interveio hoje na discussão parlamentar do Plano e Orçamento para este ano asseverando que o Executivo pauta a sua atuação pela confiança, transparência e empenho em garantir “melhores condições de vida e uma nova esperança” aos Açorianos.
“O que a nós próprios nos impomos é simples – Cumprir os compromissos no tempo e no quadro da legalidade da despesa pública. Uma governação de confiança e transparência. De diálogo e de concertação. Um Governo empenhado em dar aos Açorianos melhores condições de vida e uma nova esperança. É preciso que todos se envolvam, que proponham, que sejam críticos, que façam escrutínio democrático. Não abdicamos destes princípios: transparência e prestação de contas”, garantiu.
O governante falava na Assembleia Legislativa Regional, na cidade da Horta, no final do debate do Plano e Orçamento dos Açores para 2021, que desde segunda-feira tem estado no centro do debate no Parlamento.
José Manuel Bolieiro destacou na sua intervenção algumas das propostas e convicções plasmadas no Plano e Orçamento, nomeadamente a redução dos impostos cobrados, a implementação de tarifas aéreas interilhas de 60 euros para residentes ou a criação de um programa inovador para a fixação dos idosos em casa.
A substituição dos vínculos laborais precários dos trabalhadores que “asseguram a satisfação de necessidades efetivas e permanentes da Administração Pública autonómica, por integração nos seus quadros”, foi também relevada pelo Presidente do Governo, que garantiu ainda o “reconhecimento, com justiça, do direito à progressão” nas carreiras destes trabalhadores.
“Entre tantas outras reivindicações justas, que foram ignoradas, durante muito tempo, especialmente dos profissionais de saúde e dos docentes, desconsiderados antes, mas que agora serão progressivamente reconhecidos, com o suporte financeiro e jurídico já previstos neste Plano e Orçamento para 2021”, prosseguiu.
E acrescentou: “Queremos devolver a esperança aos jovens e aos menos jovens, aos Açorianos, e que podem crer que a maioria que suporta o Governo dos Açores os quer cá, numa Administração Pública motivada, qualificada e empenhada, e numa economia privada geradora de mais emprego”.
Depois, José Manuel Bolieiro evocou passagens das intervenções de todos os membros do Governo Regional na discussão parlamentar, destacando medidas do Governo setor a setor, antes de se referir à entrega do Plano de Recuperação e Resiliência de Portugal à Comissão Europeia.
“Esperamos que as verbas do PRR sejam rapidamente disponibilizadas aos Açores, de modo que possam efetivamente ser a referida ‘bazuca’ para as nossas empresas e economias de cada uma das nossas ilhas. Aproveito para voltar a lançar o repto às senhoras e senhores deputados, de modo que se possam constituir parceiros na monitorização da implementação e execução da estratégia do Governo dos Açores para o PRR, sob a forma regimental que considerem mais adequada”, disse, a propósito deste ponto.
No final, e enaltecendo os Açorianos e as empresas pela força demonstrada no atual contexto pandémico, José Manuel Bolieiro declarou: “Acreditamos na nossa gente e na nossa terra. No nosso futuro! Inquietos com a circunstância e o momento de saúde pública, da economia, da sociedade açoriana, mas fortalecidos na esperança da conquista de melhores tempos, para cada uma das nossas ilhas, para a nossa Região”.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante