Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

O Presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro, anunciou hoje que a Região vai ter uma majoração no número de vacinas contra a covid-19, que terão como prioridade fechar o processo nas ilhas sem hospital, e é esperada para julho a imunidade comunitária do arquipélago.
“Teremos uma majoração de vacinas para garantir a inoculação das ilhas sem hospital”, adiantou o governante.
Em conferência de imprensa tida em Ponta Delgada, e em que esteve também presente o Vice-Presidente do Governo, Artur Lima, e o Secretário da Saúde, Clélio Meneses, José Manuel Bolieiro anunciou o apoio da República para um reforço de vacinas destinadas em concreto às cinco ilhas sem hospital que ainda não têm toda a população.
Recorde-se que, de forma pioneira, o Governo Regional dos Açores havia já avançado em março para a vacinação completa da ilha do Corvo, a com menos população do arquipélago, que assim atingiu a imunidade de grupo.
A majoração de vacinas será, também, acompanhada pelo apoio de “uma equipa nova de militares”: seis enfermeiros, dois médicos e um farmacêutico.
“Adquirida esta majoração de vacinas e com esta equipa, as ilhas com hospital, designadamente as ilhas de São Miguel, Terceira e Faial, contarão com o reforço da aplicação e alocação das vacinas do nosso próprio ‘stock’”, garantiu ainda o Presidente do Governo.
Assim, é expetativa do Executivo antecipar o calendário da imunidade completa da Região, que, estipulam os dados científicos, se atinge com 70% ou mais da população inoculada.
O Governo Açoriano perspetiva assim que, “durante o mês de julho”, a Região possa atingir a “imunidade comunitária em todas as ilhas”.
José Manuel Bolieiro adiantou ainda que 44% dos Açorianos já levaram pelo menos uma dose da vacina contra a covid-19, e apresentou também o calendário da aceleração do processo nas ilhas sem hospital: a população ainda não vacinada em Santa Maria sê-lo-á entre 6 e 8 de junho; nas Flores o processo decorre a 9 a 10 de junho; na Graciosa entre 11 e 13; São Jorge recebe a equipa militar e as vacinas entre 14 e 16 e o Pico terá igual processo entre 17 e 20 deste mês.

A Secretária Regional da Educação anunciou hoje, na Horta, um conjunto de medidas governamentais para a Estratégia Regional de Recuperação das Aprendizagens, com o objetivo de melhorar o desempenho dos alunos e do Sistema Educativo Regional.

“Para o 1.º e 2.º ciclos do Ensino Básico, a turma padrão vai descer de 23 para 18 alunos”, declarou a governante, falando na Assembleia Legislativa Regional, a propósito de um projeto de PSD, CDS-PP e PPM sobre a recuperação de aprendizagens afetadas pela pandemia de covid-19.

“O Governo Regional irá investir em equipas de apoio, de uma forma transversal, para todos osc e níveis de ensino, no próximo ano, em especial ao Ensino Básico, mas também ao Ensino Secundário”, realçou ainda a governante.

A titular da pasta da Educação revelou que o Executivo Açoriano irá “implementar na Ribeira Grande e em Vila Franca do Campo, já nestas férias de verão, um programa de recuperação de aprendizagem, em cooperação com o Poder Local, as Câmaras Municipais e os Centros de Atividades de Tempos Livres”.

“Esta iniciativa tem em consideração o parecer das escolas e dos professores em relação aos seus alunos, para que de uma forma lúdica se possa orientar os jogos para um processo de aprendizagem”, justificou.

Sofia Ribeiro anunciou ainda que, para a Ribeira Grande e Vila Franca do Campo, o Governo Regional decidiu “adiar o termino do ano letivo, apenas para as disciplinas de Exame Nacional, em uma semana”.

Ainda para estes dois concelhos micaelenses, “o Executivo irá criar um programa de apoio complementar nas disciplinas de exame, invocando a autonomia das unidades orgânicas do Sistema Educativo Regional e complementando a ação que já é feita por qualquer professor que continua a dar apoio aos seus alunos após o término das atividades letivas”, finalizou.

O Presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro, anunciou hoje que a segunda tranche do trimestre dos apoios do programa APOIAR.PT Açores, para compensar às empresas perdas provocadas pela covid-19, no valor de dois milhões de euros, começará a ser paga para a semana.
“Vamos já no início da próxima semana adiantar a segunda tranche, no valor de dois milhões de euros”, declarou hoje o governante.
José Manuel Bolieiro, acompanhado do Secretário Regional das Finanças, Planeamento e Administração Pública, Joaquim Bastos e Silva, e do Secretário Regional da Saúde e Desporto, Clélio Meneses, reuniu-se hoje com a Delegação Regional da AHRESP, presidida por Cláudia Chaves.
A associação, que representa empresários dos setores da restauração e alojamento, tem sido um “verdadeiro parceiro, com várias aportações, sugestões e apreciações críticas”, destacou o Presidente do Governo, que valorizou também o “bom contributo” da AHRESP na defesa dos seus associados.
José Manuel Bolieiro sublinhou ainda que a postura do Governo dos Açores no combate à pandemia e aos seus efeitos “é de ação e não de reação”, havendo um constante “diálogo social” e acompanhamento junto de parceiros como a AHRESP do evoluir da situação no que refere às empresas e famílias.
O Programa APOIAR.PT, elaborado em concertação com os empresários e associações, e aprovado pelo atual Executivo no final de dezembro, apresenta uma versão desburocratizada de apoios às empresas que tem permitido, num curto intervalo de tempo, uma relevante injeção de capital na economia com vista à manutenção da confiança económica e do emprego neste período transitório que antecede a retoma económica.
A informação detalhada sobre estas medidas está disponível na página dos apoios excecionais atribuídos no âmbito da pandemia de covid-19 às empresas, está alojada em: https://portal.azores.gov.pt/web/draic/apoios-covid19 .

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante