Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

O Grupo Parlamentar do CDS-PP, reunido em Jornadas Parlamentares subordinadas ao tema “Diversificação Agrícola”, reuniu nesta terça-feira com membros da Direção da AGROMARIENSECOOP, cooperativa de produtores agrícolas da ilha de Santa Maria.
A este propósito, a deputada Catarina Cabeceiras afirmou que “é fundamental para os produtores agrícolas que seja assegurada a regularidade do transporte de carga, e que os seus produtos hortícolas e frutícolas cheguem ao destino em bom estado. Isso é condição essencial para que se sintam motivados a produzir em maior quantidade e a diversificar o que produzem, já que a valorização destes produtos está dependente do seu grau de frescura”.
De acordo com a líder parlamentar, “a diversificação agrícola tem sido defendida pelo CDS-PP desde há muito, na medida em que existe um enorme potencial na nossa Região que deve ser aproveitado para que sejamos cada vez mais autossuficientes. Trata-se de uma questão de criação de oportunidades de negócio, emprego e de segurança para os Açores.”
“A verdade é que importamos quase tudo o que comemos, e é importante contrariar esta tendência. Devemos apostar em aumentar a produção de produtos hortícolas e frutícolas na Região, o que terá muito impacto na nossa economia, gerando postos de trabalho. Mas é necessário criar condições para que isso aconteça”, defendeu a deputada.
A política de transporte de mercadoria, quer por via marítima, quer por via aérea, foi um dos temas debatidos na reunião, onde foram abordadas nomeadamente a contentorização e a refrigeração. “Os transportes são o ‘calcanhar de Aquiles’ quer para os produtores agrícolas, quer para a comercialização. Uma rede de transportes eficaz é essencial. Foi nesse sentido que o Grupo Parlamentar do CDS-PP voltou a apresentar uma iniciativa para que seja feito um estudo naquilo que concerne ao modelo de transportes marítimos”.
Os deputados do CDS-PP reiteraram que “é urgente que tenhamos um avião cargueiro a servir os Açores, para transportar os produtos com maior rapidez, quer no mercado interno, quer para o exterior da Região, pois existe um enorme potencial ao nível da produção agrícola de que não podemos prescindir e que temos de fomentar”.

O Presidente da Assembleia Legislativa dos Açores, Luís Garcia, defendeu esta manhã, junto dos seus homólogos europeus da Conferência das Assembleias Legislativas Regionais Europeias (CALRE), a urgência de se avançar com “políticas públicas europeias que mitiguem os efeitos das alterações climáticas”.
Lembrando a tragédia que sexta-feira se abateu sobre os Açores, na sequência do mau tempo que assolou a ilha de São Miguel, fazendo duas vítimas e estragos materiais, o Presidente apresentou a sua disponibilidade para contribuir para os trabalhos que estão a decorrer sobre esta matéria no âmbito do Grupo de Trabalho das Alterações Climáticas e Desenvolvimento Sustentável da CALRE, um tema que considerou “muito sensível e muito atual”.
Durante a sua intervenção na segunda reunião anual do Comité Permanente da CALRE, que juntou presidentes de parlamentos regionais de sete países, mais uma vez por videoconferência, Luís Garcia destacou “o avanço da vacinação” nos Açores, com número já superiores ao todo nacional, manifestando a sua “esperança” de que em breve se retome um pouco de normalidade, também nestas reuniões de âmbito europeu.
O Presidente Luís Garcia sublinhou também “a importância de não deixar que a participação na Conferência Sobre o Futuro da Europa fique presa na chamada ’bolha de Bruxelas’”, desafiando os seus homólogos europeus a contribuir para a sua divulgação, “incentivando a participação dos cidadãos das suas regiões”.
Nesse sentido, Luís Garcia comprometeu-se a dar continuidade a esse trabalho de divulgação da Conferência Sobre o Futuro da Europa junto da sociedade civil açoriana e das escolas dos Açores, incentivando à promoção de “encontros com cidadãos, seja através da plataforma ou de forma presencial”, consoante a situação de pandemia em cada um dos seus territórios.
Recorde-se que esta Conferência é uma iniciativa conjunta da Comissão Europeia, do Conselho Europeu e do Parlamento Europeu, que visa “permitir a todos os cidadãos partilharem as suas ideias e preocupações” sobre o Futuro da Europa, e na qual a Assembleia Legislativa dos Açores tem estado envolvida por via da Vice-Presidência da CALRE, mandato que o Presidente Luís Garcia exerce até final de 2021.
A Comissão Permanente da CALRE reúne de forma trimestral, juntando os presidentes das Assembleias Regionais de Itália, Espanha, Bélgica, Alemanha, Áustria, Reino Unido (que se mantém na CALRE apesar do Brexit), Portugal (Açores e Madeira) e Finlândia, com vista a reforçar a cooperação entre os parlamentos regionais europeus na defesa dos valores democráticos e autonómicos das regiões.

O Secretário Regional da Saúde e Desporto do Governo Regional dos Açores, Clélio Meneses, garantiu na segunda-feira que o Executivo Regional está já a atuar no sentido de estabilizar aos quadros clínicos na Região.
Após uma reunião com a responsável pela Ordem dos Médicos nos Açores, Clélio Meneses referiu a abertura de concursos, em diversas ilhas, a formação contínua e os incentivos à fixação como medidas já implementadas da estratégia para atingir o objetivo da estabilização dos quadros clínicos e resolver o problema da falta de médicos de família.
Confrontado com os números avançados pela Ordem dos Médicos, que apontam para uma carência de cerca de 200 médicos na Região, o Secretário Regional da Saúde e Desporto admitiu que “os números são aproximados” e revelam que “nos últimos anos houve aqui uma desvalorização da profissão, o que fez com que muitos médicos saíssem da Região”.
“Temos de inverter o ciclo. Há um conjunto de médicos que acaba a especialidade agora. A prática anterior era que esses médicos ficavam um ano ainda com a remuneração dos internos, e os médicos, nessas condições, vão embora, não querem ficar cá. E o meu compromisso em reunião presencial, foi de acabar com essa prática e abrir de imediato concursos para as várias especialidades para esses médicos ficarem na Região”, referiu Clélio Meneses
Questionado sobre quando poderá a totalidade dos Açorianos contar com médico de família, o governante reconheceu estar “muito preocupado” com a situação “até porque há médicos em vias de aposentação”.
Clélio Meneses adiantou também que a ação da tutela tem passado também pela abertura de concursos para médicos de Clínica Geral e Familiar.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante