Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

O Secretariado de ilha do PS/Terceira denunciou a inércia do Governo Regional relativamente à captação e apoio a novas empresas no âmbito do projeto Terceira Tech Island. Em conferência de imprensa realizada esta terça-feira os Socialistas alertaram para a incapacidade de o Governo Regional em continuar com o projeto.

Com mais de 20 empresas tecnológicas instaladas na Praia da Vitória, entre fevereiro de 2018 e julho de 2020, foram criados, nesse período, cerca de 200 postos de trabalho, lembrou Luís Leal, para destacar ter sido realizado “um intenso trabalho de captação de investimento, e da constante disponibilização de recursos humanos especializados em programação informática”.

Para o membro do Secretariado de ilha do PS/Terceira, que falava à margem de uma visita à empresa Bool, também fruto da iniciativa e da responsabilidade do Governo do Partido Socialista, numa clara visão estratégica do valor emergente deste mercado, resultava a presença açoriana na Web Summit, o maior evento sobre Empreendedorismo de base Tecnológica da Europa.

“A participação açoriana neste evento permitia promover a nossa Região, e em especial a ilha Terceira e o projeto Terceira Tech Island, como um lugar com elevado potencial e com excelentes condições de atratividade destinadas ao estabelecimento de empresas que operam neste setor”, assegurou o Socialista, para ressalvar que agora, e após a realização de mais uma edição desta conferência europeia, o atual Governo optou por “esconder por completo a sua existência na comunicação perante os potenciais investidores ou empresas interessadas em abrir polos tecnológicos de nearshore”.

Nesse sentido, e manifestando que o Governo do PSD/CDS/PPM ofuscou os potenciais investidores na área tecnológica com produtos alimentares da Marca Açores todos os dias do evento, “confundindo a Web Summit com uma feira agroalimentar ou de gastronomia”, os Socialistas destacaram “que a incapacidade deste Governo em interpretar os mercados e negócios emergentes demonstra o nível a que a Região esteve exposta perante alguns dos maiores investidores do Mundo em matéria tecnológica”.

“O Governo do PSD/CDS/PPM não percebeu o que é a Web Summit e não teve estratégia para a valorização da economia digital, desprestigiando a Região e todo o trabalho feito de colocação dos Açores no radar de atração de investimentos da área do digital. Os Açores marcaram presença numa feira de cariz tecnológico, mas posicionaram-se estrategicamente para uma feira de gastronomia”, afirmou Luís Leal.

Tendo o PS/Terceira já alertado, em outras oportunidades, para o abandono a que o Governo do PSD/CDS/PPM tinha conduzido o projeto Terceira Tech Island, revelam agora que em apenas um ano de exercício de funções “não há novas empresas no projeto”, mas sim “empresas que decidiram abandonar o e mesmo as que haviam manifestado interesse em se instalar perderam-no por inércia do Governo em apoiá-las”.

“O atual Governo dos Açores está, a par e passo, a diminuir a influência da Ilha Terceira no panorama político regional, e há evidências mais do que suficientes que todos os Terceirenses já tenham percebido, de que ilha está a ficar para trás”, admitiu Luís Leal, para considerar que o Partido Socialista, por sua vez, continuará a denunciar “todos os passos errados que este Governo tem dado, prejudicando a nossa economia e não criando as condições para que os nossos voltem para criar família e emprego qualificado estável”.

Comunicado da Bancada Municipal do Partido Socialista da Praia da Vitória

No seguimento da polémica criada pelo Movimento de Independentes e pelo Presidente da Assembleia Municipal da Praia da Vitória sobre a eleição de membros desta Assembleia para o Conselho de Ilha, o Grupo Municipal do PS da Praia da Vitória esclarece o seguinte através de comunicado enviado às redações:

“O Presidente da Assembleia Municipal contactou a nossa bancada para propor uma lista conjunta, impondo que a lista fosse composta por 2 elementos da coligação PSD-CDS, 1 elemento do PS e um elemento do Movimento de Independentes;

A bancada do PS, em reunião, entendeu que essa proposta não reflectia a composição actual da Assembleia Municipal, ou seja, 16 elementos da coligação PDS-CDS, 14 elementos do PS e 2 elementos do Movimento de Independentes.

Assim, em cumprimento da lei, do regimento da Assembleia e das regras democráticas, entendemos apresentar uma lista própria no momento adequado para tal, que foi democraticamente votada, resultando esta votação em 2 elementos da coligação PSD-CDS e dois elementos do Partido Socialista eleitos;

A este propósito convém questionar, se a preocupação da coligação PSD-CDS era garantir a representação do movimento de independentes, porque não lhe garantiu um lugar elegível na lista que apresentou? Porque é que o PS deveria abdicar de um lugar e a coligação não deveria fazê-lo?

É com profundo lamento e desagrado que assistimos a esta polémica e à postura do Presidente da Assembleia Municipal da Praia da Vitória que, em tão curto espaço de tempo, mostra não perceber a importância do cargo que ocupa, não tendo a imparcialidade e reserva que o cargo impõe e lidando mal com os princípios democráticos. Depois de na primeira Assembleia ter imposto um método de votação por braço no ar para a eleição de pessoas, utiliza agora as redes sociais para denegrir e desmerecer membros eleitos democraticamente da Assembleia a que ele preside.

Da parte da bancada do PS, percebemos que o Senhor Presidente da Assembleia Municipal da Praia da Vitória é sectário, parcial e não está à altura da importância do cargo e, por isso, não merece a nossa confiança.

Exigiremos sempre o cumprimento do regimento e da Lei.”

Lamentamos esta polémica, logo no início deste mandato. O foco e energia deveriam estar no futuro do Concelho e na resolução dos problemas das pessoas e não nestas politiquices que acrescentam muito pouco ao debate político.

Comunicado do PS

O Líder do Grupo de Cidadãos Eleitores “Esta é a Nossa Praia”, Tiago Ormonde, criticou, esta quarta-feira, a postura do PS que “rompeu um acordo de cavalheiros que estava firmado em sede de Assembleia Municipal da Praia da Vitória”, tendo em vista a eleição de representantes daquele órgão para integrarem, enquanto membros de pleno direito, o Conselho de Ilha da Terceira.

“À semelhança do que vinha sendo prática na Praia da Vitória, o atual Presidente da Assembleia Municipal contactou, previamente à reunião daquele órgão, todos os eleitos, tendo em vista a consensualização de uma lista única, integrando elementos de todas as forças eleitas, para representarem a Praia da Vitória no Conselho de Ilha da Terceira. Foi firmado um acordo que o PS rompeu, em plena sessão da Assembleia Municipal, sem aviso prévio, apenas para impedir que os eleitos pelo Grupo de Cidadãos Eleitores ‘Esta é a Nossa Praia’ pudessem passar a ter assento no Conselho de Ilha, na defesa da Terceira”, afirma.

Tiago Ormonde, que foi cabeça de lista do primeiro movimento de cidadãos independentes aos órgãos autárquicos da Praia da Vitória, nas eleições do passado mês de setembro, critica a postura socialista alegando que “o PS impediu que 10% dos eleitores da Praia da Vitória possam estar representados no Conselho de Ilha, órgão essencial à defesa da Ilha e da Praia da Vitória”.

“Trata-se de revanchismo puro e duro. O PS, que se arroga de ser pai da Democracia e da Autonomia, firma um acordo de cavalheiros onde ficou assumido que seria apresentada apenas uma lista integrando elementos de todas as forças representadas na Assembleia Municipal e, na hora da votação, apresentou uma segunda lista. Esta lista não teve por objetivo aumentar a representatividade do PS na eleição de representantes da Assembleia Municipal da Praia da Vitória para o Conselho de Ilha, pois isto estava garantido com a lista única e consensualizada. O PS quis apenas impedir, num golpe de mau perder e de vingança antidemocrática, que um dos eleitos do movimento independente pudesse dar o seu contributo na defesa da Terceira, passando a ter assento no Conselho de Ilha”, apontou.

Para Tiago Ormonde “esta atitude do PS denota mau perder” e é “tão mais grave, quanto o PS não impediu apenas que um eleito à Assembleia Municipal pudesse ter assento no Conselho de Ilha”, uma vez que, frisa, “o que o PS impediu foi que 10% dos eleitores da Praia da Vitória tivessem a sua voz representada no órgão máximo de representatividade da economia e da sociedade terceirense”.

Assim, concluiu, “o PS prova que não tinha estratégia para a Praia da Vitória e que não respeita dignamente a vontade dos eleitores”.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante