Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

A candidata à Presidência da Câmara Municipal da Praia da Vitória pela coligação PSD/CDS-PP, Vânia Ferreira, avançou que “todas as nossas propostas que visam o desenvolvimento socioeconómico e cultural do concelho, foram construídas a pensar nos jovens, que são o futuro da Praia da Vitória”, disse.

A social democrata participou, esta quarta-feira, numa iniciativa organizada pelo seu Mandatário para a Juventude, Gonçalo Mosa Matos, para apresentação das medidas destinadas aos jovens da Praia da Vitória.

Para Vânia Ferreira, “quanto mais desenvolvida for a nossa cidade, mais atrativa se torna para os jovens. Não obstante, temos medidas mais concretas desenhadas para eles e por eles, que hoje apresentámos aqui. E é esta postura que pretendo adotar se assumir a presidência da autarquia, a de permanente diálogo com os jovens”, garantiu, à margem do encontro realizado.

“Por isso, deixamos nesta iniciativa o compromisso de dinamizar o Conselho Municipal da Juventude da Praia da Vitória, promovendo a realização de reuniões regulares deste órgão, o que não se tem verificado, uma vez que é nele que têm assento todas as entidades representativas dos jovens do Concelho. Há seguramente um regulamento que necessita de ser revisto, para se adequar à necessidade deste diálogo constante, com vista à implementação das melhores políticas públicas que melhor sirvam os jovens”, acrescenta a candidata praiense.

“É também a garantia de que teremos uma relação de proximidade com as Associações de Estudantes, que queremos promover e melhorar”, afirma.

Para a candidata da coligação, é na Educação que a autarquia pode dar um importante contributo aos jovens. “Queremos colaborar com as escolas na dinamização de estágios de alunos dos diferentes programas educativos. Bem como, que esta colaboração se estenda na vontade de se criar uma escola de artes na Praia da Vitória. Queremos dar continuidade à parceria com o Centro Local de Aprendizagem. Por outro lado, queremos rever e melhorar o Regulamento de atribuição de bolsas de estudo, aumentando os seus valores”.

Vânia Ferreira afirma ainda que “é nossa intenção incentivar e promover o empreendedorismo jovem na Praia da Vitória, dando condições aos jovens para que possam testar e implementar as suas ideias, bem como melhorá-las através de mentoria e formação adequada. Pretendemos potenciar a incubadora PraiaLinks”.

“É nosso objetivo também desenvolver estratégias, em cooperação com o Governo Regional, de apoio à contratação de jovens NEET do Concelho, que não estudam ou trabalham, com o intuito de evitar a exclusão social e a entrada em ciclos de pobreza”, acrescenta.

A candidata reforça a aposta na prevenção e na intervenção precoce junto de jovens em situação de risco, comprometendo-se: “Incentivaremos e apoiaremos projetos que contribuam para a prevenção de comportamentos de risco e de fatores de exclusão dos jovens, promovendo a integração na vida económica, social e cultural. Queremos fomentar condições de apoio pedagógico extraescolar, garantindo um melhor acompanhamento académico dos alunos provenientes de contextos vulneráveis”.

A finalizar, Vânia Ferreira voltou a apelar à mobilização dos jovens nas eleições de 26 de setembro: “conto convosco para a mudança na Praia da Vitória”.

A deputada do Partido Socialista dos Açores à Assembleia da República, Isabel Almeida Rodrigues, considerou, esta terça-feira, ser insuficiente a abordagem feita em matéria de estratégia de mobilidade sustentável e inteligente, em regiões que são simultaneamente ultraperiféricas e arquipelágicas.

Para a Socialista, que interpelava a Comissária Europeia dos Transportes, Adina Valean, no âmbito da Comissão de Assuntos Europeus, o objetivo anunciado pela Comissão Europeia, em dezembro do ano passado, visava reconhecer “a importância das ligações de transportes públicos para as regiões ultraperiféricas e ilhas”, destacando, nessa medida, que abordagem colocada em prática “é, manifestamente, insuficiente”.

“Aliás, na sua reunião de junho, quando o Conselho aprovou as suas conclusões sobre a estratégia, recomendou à Comissão a necessária participação dos Estados membros e das ilhas na concretização dos esforços com vista à execução da estratégia”, relembrou ainda a Socialista.

Para Isabel Almeida Rodrigues, e nesta matéria, importa ainda mencionar a grande dependência do transporte aéreo nas ligações dentro destas regiões e para as ligações ao continente europeu.

“O transporte aéreo serve pessoas que se deslocam em trabalho, estudantes, doentes, em itinerários onde o transporte marítimo não pode ser considerado uma alternativa adequada. Serve, também, por exemplo no caso dos Açores, para a exportação de bens rapidamente perecíveis como é o caso do pescado, com peso relevante na economia regional”, afirmou.

Assim, a deputada do PS/Açores defendeu a necessidade de se saber qual a visão da Comissão sobre esta matéria, atendendo a que na referida comunicação é ainda proposto “a imposição de restrições às obrigações de serviço público em voos de curta distância, onde existam alternativas adequadas”.

Na ocasião, Isabel Almeida Rodrigues relevou também o investimento necessário que se coloca, apesar de não ser para o futuro imediato, com a transição para uma mobilidade mais sustentável, designadamente no que respeita a navios e aeronaves de emissões zero.

O candidato do Grupo de Cidadãos Eleitores “Esta é a nossa Praia” a Presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória, nas eleições Autárquicas do próximo dia 26 de setembro, Tiago Ormonde, propõe “dar uma nova vida empresarial” aos terrenos do Porto Oceânico da Praia da Vitória que estão sem utilidade, nomeadamente junto ao porto de pescas. Após reunir com os responsáveis pela empresa pública “Portos dos Açores” (acompanhado de vários elementos da lista de candidatos à Câmara Municipal, assim como candidatos que integram a lista da candidatura independente à Assembleia Municipal da Praia da Vitória), Tiago Ormonde apresentou o Projeto de Requalificação da Frente Marítima da Cidade que, entre outras, propõe “a passagem da doca seca da marina para junto ao atual porto de pescas”. “Com a implementação desta medida criam-se condições para o surgimento de novos negócios na área da reparação naval e da náutica de recreio, tornando a Praia da Vitória mais competitiva no contexto atlântico, para além de que fará com que a própria capacidade da Marina seja ampliada criando-se uma segunda bolsa para embarcações”, disse. Paralelamente, acrescentou o cabeça de lista do movimento “Esta é a nossa Praia”, seria necessário “dar uma nova vida empresarial aos terrenos do Porto Oceânico da Praia da Vitória, respetivamente os que estão junto ao porto de pescas, infraestruturando-os no sentido de os libertar em seguida tendo em vista a instalação de novas e de mais empresas nas áreas da reparação naval e náutica de recreio”. “Esta é também uma forma de criação de emprego sustentável, de apoio ao surgimento de novos negócios e empresas, potenciando a baía da Praia da Vitória no contexto atlântico e fomentando o aproveitamento de uma zona que há muito está sem qualquer utilidade e utilização”, frisou. Tiago Ormonde insistiu ainda que para a sua candidatura “o Porto da Praia da Vitória deve assumir-se como hub logístico regional, isto é, recebendo a mercadoria vinda do exterior com destino à Terceira e demais ilhas dos grupos Central e Ocidental e daqui procedendo à sua distribuição pelo resto do arquipélago. Não vale a pena continuarmos à espera que aqui sejam criadas grandes infraestruturas. Temos a dimensão que temos e só temos que saber viver com ela e potenciá-la”.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante