Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

O Diretor Regional da Saúde apelou hoje aos pais para que vacinem as suas crianças contra a Covid-19. 

No final de um encontro em Angra do Heroísmo, com responsáveis pela vacinação pediátrica que decorre nos Açores a partir de amanhã, quarta-feira, Berto Cabral argumentou ser necessário “proteger os próprios, as suas famílias e as comunidades”. 

“Temos conseguido na Região, nas faixas etárias acima, entre os 12 e os 15 anos, elevadíssima taxa vacinal e neste momento a Região Autónoma dos Açores já tem mais de nove mil crianças com a vacinação completa, entre os 12 e os 15 anos”, referiu o Diretor Regional da Saúde, defendendo que “importa agora permitir que nas faixas etárias mais jovens o processo também seja um sucesso e que a maioria das crianças fique vacinada”.

“Sabemos que há muitos argumentos de que as crianças são as que menos sofrem com esta pandemia e de facto há menos casos graves nas idades pediátricas”, referiu Berto Cabral, “mas a verdade é que também para proteção dos próprios, para proteção das famílias e das comunidades, para também se reduzirem tempos de ausência da escola por serem contactos de outros, há todo um conjunto de vantagens associadas ao processo de vacinação”, reiterou. 

“Aproveito este momento para reforçar, apelar, sensibilizar os pais para que vacinem as suas crianças contra a Covid-19”, frisou. 

O Diretor Regional da Saúde confirmou a chegada das vacinas pediátricas à Região esta segunda-feira e disse estar pronto a implementar o processo de vacinação em todas as ilhas, arrancando na próxima quarta-feira em São Miguel. A Terceira começa a vacinar a partir da quinta-feira, prevendo-se que na maioria das ilhas o início do processo aconteça também esta semana.  

Berto Cabral recordou que nesta altura os profissionais de saúde dos Açores labutam em diversas frentes em todo o arquipélago, desde os cuidados normais de saúde até à pandemia, facto “que poderá fazer com que o processo não seja idêntico em todas as ilhas”.  

O Governo Regional dos Açores fez aprovar ontem na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores um Decreto Legislativo Regional que define medidas de redução de produtos de utilização de única e da promoção da reutilização e reciclagem, dando sequência aos objetivos de desenvolvimento sustentável, centrando nos princípios de uma economia verde e circular, aplicando à Região a legislação comunitária sobre a matéria.

Para Alonso Miguel, Secretário Regional do Ambiente e Alterações Climáticas, “o diploma agora aprovado pela Assembleia Regional é essencial para o incentivo de boas práticas ambientais, para uma mudança de hábitos de consumo e para evitar o desperdício, dinamizando a consciencialização e a sensibilização ambiental”.

De entre as medidas a implementar, destaca-se o aumento da taxa a aplicar sobre os sacos de plástico a disponibilizar ao consumidor nos estabelecimentos de comércio a retalho e de restauração ou de bebidas, passando de 4 para 10 cêntimos por cada saco, bem como a proibição da disponibilização ao consumidor de sacos de plástico de utilização única para embalagem primária de produtos vendidos a granel, com exceção da carne, peixe e seus derivados, no intuito de contribuir de forma determinante para a prevenção da produção de resíduos nos Açores.

De acordo com Alonso Miguel, “ao longo dos últimos anos tem havido uma evolução positiva em relação ao consumo de sacos de plástico, com uma redução considerável, mas a verdade é que atualmente ainda são colocados no mercado regional mais de 10 milhões de sacos de plástico pagos”.

E concretizou: “Com este aumento do valor da taxa sobre a utilização de sacos de plástico, pretende-se desincentivar ainda mais o seu consumo”.

Para o Secretário Regional do Ambiente e Alterações Climáticas “o que se pretende não é um aumento da receita”.

“Muito pelo contrário, o objetivo seria que esta receita tendesse para zero, o que significaria que esse consumo tinha sido drasticamente reduzido, atestando assim o sucesso que se pretende com a medida”, disse ainda.

A Assembleia Legislativa Regional aprovou esta terça-feira a proposta do PS para regular o transporte de passageiros em veículos descaracterizados a partir de plataformas eletrónicas (TVDE), como a Uber ou a Cabify, por exemplo.

O deputado socialista Rui Anjos, que apresentou em plenário a iniciativa, realçou que a proposta do PS, que acomodou várias alterações propostas por outros partidos, “assegura equilíbrio económico entre o setor do táxi e os prestadores de serviços das plataformas eletrónicas, bem como a sustentabilidade ambiental”.

Frisando que “os serviços de transporte TVDE já existem na Região”, o parlamentar socialista sublinhou que “se aplicam até que esta nova legislação entre em vigor as leis nacionais, uma vez que não existia qualquer tipo de regulamentação regional”.

Para Rui Anjos, “as leis nacionais não têm uma aplicabilidade direta na nossa Região, que é um território descontínuo, composto por nove ilhas, cada uma com a sua realidade muito própria”.

A proposta do PS visa que o transporte TVDE nos Açores seja feito apenas em veículos elétricos e que seja estabelecido um limite de 5% para o número de viaturas TVDE, relativamente ao número de licenças de táxi existentes em cada ilha.

A proposta dos socialistas prevê, ainda, que seja criada “formação específica”, devido “às características muito próprias da Região”, em termos de “relevo e ao nível do clima”.

Rui Anjos salientou que o regime apresentado pelo PS e agora aprovado “permite a convivência com outros operadores de mercado, designadamente os motoristas de táxis”, que “desde sempre foram fundamentais no transporte de passageiros em viaturas particulares nas nossas ilhas e que deverão continuar a assegurar esse serviço no futuro”.

A esse respeito, o parlamentar socialista frisou que as “Associações do setor do Táxi foram ouvidas” e, na generalidade, “concordam que a entrada em serviço dos TVDE na nossa Região deve obedecer a algumas regras”.

“Com este diploma, o PS pretende um mercado equilibrado, que permita melhores rendimentos para todos, para taxistas e para aqueles que optem por trabalhar nos transportes através de plataformas eletrónicas e que permita salvaguardar o nosso meio ambiente, o principal cartaz turístico dos Açores”, finalizou o deputado do PS, Rui Anjos.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante