Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

ambas as regiões têm pela frente são tantos e muitos em comum”, pelo que “todo o nosso tempo deve ser aproveitado para arranjar boas propostas, debatê-las e sempre que possível consensualizá-las”, sublinhou o Presidente do Parlamento açoriano, no final de uma audiência de apresentação de cumprimentos ao Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, na Quinta da Vigia.ambas as regiões têm pela frente são tantos e muitos em comum”, pelo que “todo o nosso tempo deve ser aproveitado para arranjar boas propostas, debatê-las e sempre que possível consensualizá-las”, sublinhou o Presidente do Parlamento açoriano, no final de uma audiência de apresentação de cumprimentos ao Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, na Quinta da Vigia.Para o Presidente Luís Garcia, que ontem iniciou uma visita oficial de quatro dias à região autónoma da Madeira, é altura de “dar passos para consolidar esta parceria insular na defesa dos interesses dos Açores e da Madeira”, sejam esses passos “no plano político de aprofundamento da autonomia, ou em outros domínios, em que possamos abrir portas e caminhar para reforçar a cooperação entre os dois arquipélagos, designadamente nos planos económicos, cultural, e até na ciência e inovação”.O Presidente da Assembleia Legislativa dos Açores considerou mesmo que o trabalho dos órgãos de governo próprio das duas regiões está a ser bem concertado nesse sentido. “Apesar do contexto de pandemia, temos aproximado as duas regiões, procurado soluções para aprofundar a autonomia e trabalhado para as consensualizar, porque esse consenso será determinante na fase seguinte”, ao nível da República, sublinhou o Presidente Luís Garcia.

 

Francisco César, eleito deputado do PS/Açores à Assembleia da República, salientou, este domingo, que o objetivo da candidatura do Partido Socialista sempre foi “o de defender sempre os Açores”.

“Esta vitória do Partido Socialista é de todos os que acreditam que é bom ter causas, valores, e que acreditam num modelo de sociedade que não deixa ninguém para trás e que acredita que o bem-estar desta mesma sociedade e o seu desenvolvimento é ter em atenção desde o mais desfavorecido ao mais abastado”, defendeu o candidato.

Numa reação aos resultados eleitorais deste domingo, Francisco César referiu que a preocupação que o PS tem com todos, em propiciar uma igualdade de oportunidades para todos, foi estrutural nesta campanha

Para o socialista, essa igualdade de oportunidades só se atinge com algo que é fundamental para o PS, que é “termos um estado social com uma saúde pública, com uma educação pública, com um conjunto de mecanismos que o Estado pode propiciar a uma sociedade que permite, do mais desfavorecido àquele que pertence à classe média, poder olhar para o futuro e saber que tem todas as condições para atingir os seus objetivos da mesma forma que outras pessoas com outros rendimentos, outras situações sociais já atingiram”.

Na ocasião, Francisco César reiterou o compromisso da candidatura, que foi tido no passado e que é afirmado hoje, “defender os Açores, defender sempre, não contra nenhum governo em particular ou em favor de um governo, não contra um partido em particular, ou em favor de outro partido”.

Para o dirigente socialista, o objetivo desta candidatura “será o de defender sempre a favor dos Açores” e “não desistimos desta luta, continuaremos sempre ao lado da nossa terra e dos Açores”, defendeu Francisco César.

“Continuamos a acreditar que todos os contributos são válidos e que é necessário um esforço coletivo e concertado para que se encontrem as melhores soluções”, afirmou Tiago Lopes. O Grupo Parlamentar do PS/Açores manifestou preocupação quanto ao aumento dos internamentos e apresentou mais alguns contributos ao Governo Regional, nomeadamente quanto à necessidade de melhorar a informação prestada, reforçar a testagem e a vigilância epidemiológica.

Em conferência de imprensa, realizada esta quarta-feira, antes de ter sido divulgado o comunicado oficial da Autoridade de Saúde, o deputado do PS/Açores começou por apresentar o ponto de situação da evolução da pandemia na Região onde, ao contrário do que aconteceu a nível nacional “esta nova vaga, para além do aumento do número de casos, traduz-se na Região Autónoma dos Açores por um aumento do número de hospitalizações”.

“Na Região, se fizermos a comparação, temos uma taxa de hospitalização de 1,2% o que é cerca do dobro do que se verifica na Região Autónoma da Madeira e no território continental”, sublinhou.

Tiago Lopes também alertou para desvalorização feita da variante Ómicron nos Açores que, “de 12 a 18 de dezembro, era a segunda maior de todas as outras Regiões do País, só superada por Lisboa e Vale do Tejo, quando, nessa mesma semana, apenas havia conhecimento público de 3 casos na Região e na semana seguinte 45”. Referindo, também, que atualmente, ao contrário do que seria de esperar, estão “em circulação na Região duas variantes: uma que provoca mais hospitalizações – a Delta – e a outra que é mais transmissível – a Ómicron”.

Ainda com base nos relatórios do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) destacou que “em três semanas a Região apresentou o Índice de Transmissibilidade mais elevado de todas as Regiões do País” e a importância de se reforçar a testagem: “Testa-se pouco não comparativamente às outras Regiões do País, mas testa-se pouco atendendo à situação epidemiológica na Região. A finalidade de testar, testar, testar – como defendido pela Organização Mundial da Saúde - é a de estar à frente e não correr atrás desta pandemia”.

Tiago Lopes recordou que no fim do verão passado o GPPS,  “nesta mesma crença de dar contributos válidos”, defendeu e questionou o Governo Regional “sobre um plano para o Outono e Inverno relativamente à possibilidade de um aumento do número de casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2”. 

Agora, para além dos dados objetivos, referiu “há um conjunto de informações que açorianos de diversas ilhas nos têm feito chegar, com especial intensidade nos últimos dias, e que contribuem também termos a noção que há uma necessidade urgente de reavaliar, repensar e mudar a forma como as coisas, ou como algumas coisas, têm sido feitas”.

Em concreto sobre a Linha de Saúde Açores, e reconhecendo como “positivo” o anúncio de ontem do Governo para a “criação de uma plataforma digital que vai ajudar a aligeirar a pressão sobre o Serviço Regional de Saúde”, o deputado do PS manifestou receio de que “o potencial efeito benéfico que os mesmos poderiam trazer já tenha sido ultrapassado pelo agravamento da situação pandémica na Região”.

Quanto à vigilância epidemiológica, Tiago Lopes, deu nota das graves dificuldades que os Açorianos estão a sentir, mas também dos constrangimentos que se colocam aos profissionais de saúde, “os médicos de medicina geral e familiar têm reportado dificuldade no acompanhamento”, que têm de lidar com a ausência de orientações para o evoluir da situação. A descoordenação e sobrecarga que se verifica atualmente também está a afetar a situação dos doentes não Covid.

Contributos do GPPS para melhorar o combate à pandemia da Covid-19

Face a este cenário, o Grupo Parlamentar do PS/Açores apresentou contributos ao Governo Regional para melhorar a estratégia de combate à pandemia, em termos da “Informação e Esclarecimento”; da “Testagem” e da “Vigilância Epidemiológica”.

A nível da “informação e do esclarecimento”, perante “as dificuldades”, a “angustia e frustração” que “minam a necessidade de haver um sentimento geral de tranquilidade e de confiança na ação de todos os envolvidos”, o Governo Regional deve reativar urgentemente a Linha de Esclarecimento Não-Médico e a Linha de Apoio Psicológicoreforçar, o mais rapidamente possível a capacidade da Linha de Saúde Açores, “mesmo que para isso se tenha de contratualizar com entidades externas a prestação desse serviço”.

Tiago Lopes destacou também que quanto à testagem, tendo em conta que se está a reduzir e que “continuam a chegar-nos relatos de dificuldades no acesso a testes rápidos em algumas das nossas ilhas e de dificuldades em conseguir realizar, em tempo útil, testes PCR”, o Governo deve proceder à “reativação urgente da totalidade dos laboratórios da Universidade dos Açores para reforçarem a capacidade de testagem segundo a metodologia PCR”.

Deve também, “em colaboração com os municípios dos Açores” assegurar em todos os concelhos “dia ou dias de testagem gratuita, abertos a toda a população” e reforçar a capacidade de realização de testes rápidos, distribuindo por todas as unidades de saúde dos Açores o stock de testes rápidos que o Governo adquiriu, por recomendação desta Assembleia, cerca de 250 mil testes, ou adquirindo novamente essa quantidade (+250 mil)”.

Ao nível da vigilância epidemiológica, adiantou Tiago Lopes, o GPPS defende que “tendo em conta a situação que temos, em termos de casos positivos diários, bem como os relatos que nos dão conta que a atual estrutura foi já totalmente ultrapassada na sua capacidade de resposta, julgamos que se afigura muito urgente a colaboração das Forças Armadas neste setor em concreto”, não perdendo tempo com a “chamada ou convite ou conversações”, mas que se assegure “a entrada efetiva e imediata das mesmas nessa componente da vigilância epidemiológica”

Quanto à vacinação, defendeu que “é, igualmente, urgente reforçarmos a capacidade de vacinação, em especial, na componente da dose de reforço, a qual, segundo é público, se cifra atualmente nos 28%. A forma de o fazer é reativando Centros de Vacinação para aumentar a taxa de cobertura vacinal”.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante