Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

O Secretário Regional da Agricultura e do Desenvolvimento Rural do Governo dos Açores, António Ventura, considera que as qualificações comunitárias contribuem significativamente para “a sustentabilidade da economia dos Açores e para a atratividade turística”, mais especificamente através da gastronomia e da tradição a si associadas.
Para António Ventura, estas certificações europeias são determinantes “para as regiões predominantemente rurais como a região Autónoma dos Açores”, onde a Agricultura tem uma expressão económica, social e territorial de grande relevância para a coesão regional.
Segundo disse, o setor agrícola assume ainda “um papel fundamental na definição das políticas regionais de desenvolvimento e ordenamento do território, ambientais e de turismo”.
“Considera-se importante criar condições que permitam implementar ações de divulgação junto dos consumidores, quer do ponto de vista de qualidade dos produtos, quer do ponto de vista da sua componente sustentável, a partir da criação de apoios financeiros específicos”, salienta o governante.
Nesse sentido, António Ventura defende como importante desencadear “processos de sensibilização junto dos consumidores, que concorrem para o incremento do conhecimento da qualidade dos produtos”.
Entre outros pontos, o titular da pasta da Agricultura entende ser essencial “melhorar a produção sustentável dos produtos certificados e criar programas específicos de publicitação, associando estes produtos à naturalidade e autenticidade dos Açores”.
Por outro lado, e de acordo com o Secretário Regional, é necessário estabelecer benefícios fiscais para as empresas que comercializem os produtos certificados e negociar também uma quota para os produtos certificados nos acordos bilaterais e multilaterais da União Europeia”.
No que diz respeito às taxas alfandegárias na exportação para os Estados Unidos, estas devem ser reduzidas por via do Acordo da Base das Lages”, acrescentando que se deve “aumentar a produção destes produtos, majorando os apoios do POSEI à sua produção”.
No âmbito do novo quadro comunitário de apoio, o governante defendeu ainda a “majoração das taxas de comparticipação para projetos exclusivos na produção dos produtos qualificados”.
Na Região Autónoma dos Açores, os produtos de Denominação de Origem Protegida (DOP) são: o Ananás dos Açores, Mel dos Açores; Queijo São Jorge, Queijo do Pico, Maracujá de São Miguel e aguardamos aprovação da Carne do Ramo Grande e da manteiga dos Açores, indicou o governante.
Quanto aos produtos com Indicação Geográfica Protegida (IGP), a Região tem a Carne dos Açores, a Meloa de Santa Maria e o Alho da Graciosa, concluiu.

A Secretaria Regional da Juventude, Qualificação Profissional e Emprego, através da Direção Regional de Qualificação Profissional e Emprego, acaba de abrir o período de candidaturas aos programas Estagiar L e Estagiar T, que decorre até 31 de agosto.
Os interessados podem efetuar as candidaturas através do endereço eletrónico https://empregojovem.azores.gov.pt para o estágio que terá o seu início a 1 de outubro.
É de salientar que o programa “ESTAGIAR” visa, através de estágios profissionais com duração de 18 ou 23 meses, fomentar a inserção dos jovens recém-formados na vida ativa, facilitando, ainda, a fixação de jovens nas ilhas mais pequenas.
Podem candidatar-se a esta medida, destinada a jovens com qualificação de nível superior ou intermédio, as empresas privadas e públicas, os serviços da administração pública local, regional e central, bem como cooperativas e entidades sem fins lucrativos.

O Secretário Regional da Saúde e Desporto do Governo dos Açores, Clélio Meneses, reiterou hoje o anúncio da abertura a 6 de setembro próximo da Unidade de Radioterapia do Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira.
O anúncio foi feito durante uma visita àquela unidade, esta manhã. No local decorre atualmente a fase de testes do equipamento e da adaptação aos mesmos, pelos profissionais que ali vão exercer a sua atividade.
Clélio Meneses disse na ocasião que a abertura desta unidade era um desígnio do atual Executivo e encontrou a melhor correspondência na Joaquim Chaves Oncologia, empresa convencionada para a prestação do Serviço.
“É uma grande satisfação para o Governo Regional dos Açores poder cumprir esta promessa e, para os Açorianos que irão utilizar este espaço, será uma mais valia em termos da sua saúde e da sua tranquilidade, porque quem tem um problema oncológico, desde logo está numa situação de debilidade emocional, desde logo a deslocação do seu local, em termos de relações familiares e profissionais também já tem um impacto acrescido e se conseguirmos atenuar esse impacto negativo da doença, com tratamento que irá ser de ponta a nível mundial, estamos de facto convencidos que estamos a cumprir com as obrigações do governo”, disse.
O governante apontou este, como exemplo de que “a complementaridade entre o público e o privado, é um dos caminhos” para a área da Saúde, defendendo que “é necessário acabar com o estigma ou preconceito, de algum modo ideológico, de que o que é público é público e o que é privado é privado”.
Clélio Meneses disse também que “a avaliação que foi feita pelo Governo Regional e pela entidade que vai prestar o serviço é que, de facto”, já condições para o prestar “com qualidade e garantias de segurança”.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante