Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Crónica do tempo que passa (88)

Eleições autárquicas 2021

Manipulações sondagens e comentários

Com os resultados só confirmados, na madrugada do dia 27 de setembro, ficámos a saber uma coisa estranha, cada vez mais frequente entre nós. Todos os partidos foram vencedores ou ganhadores, embora os esgares e a palidez de alguns intervenientes no dia eleitoral comprovassem o contrário. Foi o caso bem patente do anterior Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, que muito me impressionou.

Sobre ele um dos apresentadores da RTP, Vítor Gonçalves, não se cansou de repisar que a derrota do candidato socialista tinha sido “surpreendente”, utilizando exageradamente o termo uma dezena ou mais de vezes.

Ora este facto traz à colação, novamente, a pouca utilidade das sondagens e de comentadores recebendo avença generosa que, ao arrepio do sentir e do querer dos votantes, pretendem manipular e confundir os espectadores, como se estes fossem patetas, deixando-se levar por  gente pouco ou nada respeitadora dos direitos de cada cidadão poder pronunciar-se, livremente e como bem entender, seguindo somente os ditames da sua consciência.

Como noutras ocasiões anteriores, as previsões difundidas não acertaram e situaram-se nalguns casos nos antípodas do que aconteceu no dia das eleições. Falharam redondamente como bem referiu o Dr. Rui Rio, político sério, experimentado e respeitado, tendo tido o condão de dizer, sem medo das palavras e sem papas na língua, o que pensa e lhe vai na alma. É de políticos honestos, corajosos e cristalinos na forma de transmitir as mensagens, como este, que precisamos neste tempo que passa, e de que estamos muito carecidos.

Estou convicto que a seriedade e a transparência do antigo Presidente da Câmara do Porto, que pude conhecer «in loco» na sua última ou penúltima campanha nas ruas da “cidade invicta”, reduziriam bastante as ainda muito elevadas taxas de abstenção ao voto consciente nas urnas, como se verificou no passado dia 26 de setembro.

No que respeita à eleições autárquicas, proclama-se copiosamente o seu carácter especial de proximidade às pessoas e a sua complexidade. Em teoria, dizem -se coisas muito bonitas, mas na prática do dia-a-dia faz-se exactamente o seu contrário. E se os resultados estão aquém do esperado ou foram negativos, lá vem o choradinho ou a lengalenga do costume: que não senhor, elas são de outra natureza, que não são reveladores do pulsar da população, que elas não devem ser encaradas como antecipação ou plataforma de lançamento para as próximas eleições nacionais ou regionais.

Mas então por que razão  esses que pensam  assim  e estando em exercício de funções oficiais nos governos nacionais e regionais, não se esquivam de participar activamente nas campanhas eleitorais, muitos deles correndo freneticamente por todos os concelhos, como mais uma vez se viu. Será que os candidatos que concorrem não conhecem bem os problemas das suas gentes! E os seus partidos, com assento nas cadeiras do poder, não terão militantes suficientes para essas campanhas?.  E o que dirão dessas discriminações os eleitores que vão votar noutras forças eleitorais? Essa intromissão dos membros dos governos será legítima, misturando eleições de natureza distinta?. Isso indubitavelmente contribuirá, para falsear os resultados e ferir a autonomia do poder local, tentando ganhar nas últimas horas alguns votos de eleitores indecisos.

Só assim se compreende a constante interferência de altas figuras governamentais a piscarem o olho aos eleitores e até a fazerem promessas mais ou menos encapotadas que, tal como os patrões dos aparelhos partidários nacionais, visam apenas ganhar votos. Esta dualidade é farisaica, porque baseia-se numa atitude oportunista e interesseira, com o fim de influenciar os eleitores que, ao verem a mesma pessoa investida em dois papéis antagónicos, acabam por ficar algo baralhados. Ou não vão votar pura e simplesmente.

O futuro negro dos consulados socialistas

Quem atentamente seguir a evolução política do país, observará que é crescente o declínio do PS. O cansaço, a arrogância, os erros, a erosão da governação e alguns escândalos envolvendo figuras gradas do partido vêm minando a imagem do seu governo minoritário, cuja sobrevivência depende dos apoios de três partidos à sua esquerda. Mas apesar dessa limitação, o governo do Dr. António Costa comporta-se como se tivesse maioria absoluta na Assembleia da República. O que seria então se a tivesse conseguido?. Oxalá ele já tenha aprendido alguma coisa com o que sucedeu nos Açores.

Foi devido a essa actuação arrogante de 24 anos de poder, que o PS -A não logrou construir uma maioria para formar governo após a perda da maioria absoluta que detinha nos Açores. Teve apenas o condão de unir todos os partidos da oposição na recusa que todos lhe deram para a formação de um governo de coligação.

Habituado a mandar sozinho e a fazer o que lhe apetecia, esqueceu-se de que a «geringonça» montada pelo seu secretário-geral podia com a mesma legitimidade ser implantada naquele arquipélago. Aliás, também o PS-A devia ter-se lembrado do que sucedera também ao PSD-A nos começos da década de noventa do séc. XX. Nessa altura, surgiu idêntica situação no governo regional açoriano. Houve necessidade de recorrer também a uma engenhoca, à qual dei em 1991/1992 a designação de «geringonça», termo que utilizei na imprensa terceirense, muito antes do Dr. Paulo Portas tê-lo largamente divulgado em Portugal continental.

Os comentadores com avença e os assessores de imprensa ligados aos governos nacionais e regionais estavam mais interessados em diabolizar o CHEGA do que reportar o que se passava nos Açores desde há muito, sem nunca desbravarem os motivos da perda da maioria absoluta de 20 anos do PS, nos Açores. Muito menos de noticiar sobre a formação de um novo parlamento mais plural e democrático e do novo governo de coligação PSD-CDS—PP e PPM, que acaba de receber enorme aceitação dos Açorianos, como o provam os resultados e os comentários vindos a público e a que o nosso quinzenário fez alusão na última edição.

Esses resultados, já conhecidos dos que assistiram à maratona iniciada a 26 de Setembro e terminada na madrugada do dia 27, falam por si. E não me surpreenderam. Só os aduladores, que viveram até agora no mundo virtual cor de rosa, foram apanhados pelo que aconteceu e não esperado por eles.

Com as medidas já tomados pela coligação tripartidária que governa presentemente o arquipélago (há apenas dez meses) e pelas outras já anunciadas, o PS está condenado a ficar alguns anos de pousio, se absurdamente continuar a persistir na sua postura irritante, com ataques pessoais e cenas de baixa política no Parlamento dos Açores. Com isso vão perder mais votos do que pensam, e aproveitem as páginas jornais para assuntos importantes e não para publicarem mexeriquices, chalaças, mesquinhices, até hoje insensatamente esturradas com ódio avinagrado q. b., o que nada de bom trará para quem é representante dos eleitores.

Estes, como escrevemos na crónica n.º 86, são procuradores do povo e devem respeitá-lo e a si próprios também. A democracia de que tanto falam muito lhes agradece.

António das Neves Leal

(Na Crónica  nº 86, por lapso, saiu errada a data das eleições autárquicas que foi em 26 e não 27 de Setembro). Penitencio-me pelo facto. Obrigado).

No próximo domingo está na mão de cada eleitor a força de decidir o futuro da sua terra. No caso do concelho da Praia da Vitória, de entre as 6 forças políticas candidatas (PS, PSD/CDS, Grupo de Cidadãos Eleitores Independentes, BE, CDU e Chega) o Partido Socialista demonstra com clareza ser a força que melhores requisitos reúne para gerir a autarquia nos próximos 4 anos por 3 grandes motivos. 

1 – UM PROJETO CONCRETO PARA A PRAIA – O Partido Socialista construiu um manifesto autárquico ao lado dos praienses, ouvindo-os e integrando neste documento, que será orientador do trabalho e da ação da Câmara Municipal, as suas principais ideias e preocupações para um concelho que tem de ser pensado como um todo (sem excluir nenhuma freguesia ou vila) a curto, mas também a médio e longo prazo. De entre as centenas de propostas, importa destacar a revisão do Plano Diretor Municipal (PDM) de forma a que seja possível fazer crescer todo o concelho através da abertura de novos arruamentos que permitam construir novas habitações e empresas e fixar pessoas, bem como potenciar a economia. Mas importa também não esquecer, ao nível do turismo, a criação do Roteiro Turístico da Praia e o reordenamento da baía ou, ao nível do apoio social, a criação do Programa de Apoio ao Cuidador Informal, entre as muitas outras propostas concretas para os setores do desporto, ambiente, digital, território, entre outros.

2 – EQUIPA(S) PROATIVA(S), MAIS DE 400 PESSOAS – As listas do PS à Câmara Municipal, Assembleia Municipal e 11 Assembleias de Freguesia integram mais de 400 pessoas, aliando a irreverência consciente dos mais jovens, às necessidades da população ativa e à experiência e conhecimento dos mais velhos. Nas freguesias encontramos candidatos com provas dadas nas instituições e negócios das suas localidades e com ideias e vontade de fazer mais e melhor pelas mesmas e pela Praia. Na Assembleia Municipal, uma equipa multidisciplinar, liderada por Fátima Homem, que assegurará uma auscultação credível ao trabalho do executivo municipal e a defesa intransigente dos interesses todos os praienses. Na Câmara Municipal, uma equipa liderada por Berto Messias, que alia o conhecimento e a capacidade política e técnica e que é detentora do conhecimento profundo das necessidades do concelho desde os Biscoitos ao Porto Martins.

3 – UMA CAMPANHA COM OS PRAIENSES, PELA PRAIA DA VITÓRIA – A campanha do Partido Socialista não ficou refém de indicações de estruturas ou políticos que mal conhecem a Praia e dela só se querem aproveitar. Pelo contrário, foi uma campanha feita com os praienses, em que todas as instituições foram ouvidas, em que os empresários puderam alertar para as suas necessidades e em que o PS assumiu e assume estar ao lado de todos, independentemente das suas opiniões ou cores partidárias, para resolver os problemas do concelho e desenvolver o mesmo de acordo com aquilo que os praienses querem para a sua Praia da Vitória!

Não há candidaturas favoritas e quando as urnas abrirem no domingo todas estarão em pé de igualdade, mas há uma favorita neste dia, a Praia da Vitória, e por isso é importante que os praienses votem. Não há melhores, nem piores, mas há uma candidatura diferente das restantes, que está verdadeiramente ao lado dos praienses, com ideias e propostas concretas e com visão de futuro para a Praia, que é a do Partido Socialista! Por isso, no próximo domingo o voto útil é no PS, o voto útil é com Orgulho na Praia da Vitória!

Praia da Vitória, 23 de setembro de 2021.

 

Rodrigo Pereira

*Candidato à CMPV pelo Partido Socialista

É inevitável: os cidadãos, porque são cidadãos e não apenas pessoas, variam de humor muito facilmente. Enquanto pessoas, por exemplo no futebol, o humor varia à semana, e isso é suportável porque se perde este jogo, na semana seguinte já ganha o outro. Mas enquanto cidadãos, isto é, no espetro político, as coisas são mais difíceis: os lances temporais são de quatro em quatro anos, o que já é muito tempo; e quando os mesmos governos perduram uma ou mais décadas, a situação pode ganhar foros psicadélicos. Nos Açores – vivemos um período onde o humor está ao rubro (amenizado pelo verão e pela vacinação), não pelas melhores razões, mas por outras; vamos ver.

Nas eleições de out. 2020 estava em causa um momento de grande dimensão: de um lado, nos últimos anos, novos partidos políticos foram criados e aí estavam plenamente preparados para essas eleições regionais. Isto é, o ambiente partidário era muito mais colorido e concorrido, ideias novas com conteúdos jovens. Os partidos da “velha guarda” fizeram o que podiam, inexperientes e repetitivos, com os cofres vazios, mas, enfim, mais uma vez tentando. No conjunto da oposição, quer a que estava no parlamento, quer as novas forças que ainda estavam fora desse quadro parlamentar, aglutinavam-se numa ideia central comum a todos: democracia de vinte quatro anos com o mesmo partido, não é democracia, e o PS governava para se manter no poder e não para desenvolver o arquipélago de pessoas e cidadãos. De outro lado, ao fim de vinte quatro anos, a imagem política do PS era estrondosamente negativa: o maior nível de pobreza no país e pela primeira vez na história da autonomia política açoriana; os mais importantes dados de perceção da realidade sempre em declínio, como a população, a educação, enfraquecimento do tecido empresarial, ilhas de coesão, primeiro nas ilhas mais pequenas, depois a própria ilha maior, depois todas em bloco. Na especialidade: orgânicas fixas, sem vida e desprovidas de sentido prático, com aumentos significativos do quadro de pessoal, mas sem quaisquer efeitos práticos no melhoramento das funcionalidades administrativas e nos serviços prestados aos insulares; sistemas de organização independentes com custos de milhões anualmente, despovoando de funções o funcionalismo público, apesar de continuar a crescer o número de pessoas; responsabilidade zero por mobilidade de pessoal ao estilo colonial. No plano legislativo: fortíssima deslegalização e secundarização do parlamento; leis penalizadoras dos açorianos por comparação aos mesmos regimes legais nacionais...

Isto é, nas eleições de outubro o momento era especial: grande expetativa criada na mudança, conseguindo o PS manter um número de deputados elevado por via da máquina política, mas os eleitores, com maior capacidade de escolha partidária, a custo, conseguiram afastar esse governo. Estes dados mostram que o poderio do PS na sociedade, e especialmente dentro da administração, e com apoio das câmaras socialistas, era muito forte: os outros eleitores conseguiram retirar-lhe a maioria absoluta, mas não conseguiram tirar-lhe a maioria relativa que é passível de formar governo. Com a expetativa eleitoral, os eleitores acabaram por criar uma segunda expetativa e talvez ainda maior: os eleitores imaginaram que bastaria retirar a maioria absoluta; mas eis que o PSD, com provável ideia do CDS, e com o PPM, decidem formar governo e com apoio parlamentar do Chega e do IL, e eis que se criou uma situação de solução política para não deixar o PS formar governo. Solução política perfeita porque cumpriu a missão dos outros eleitores, isto é, daqueles que já “vomitavam” quando se falava nas políticas velhas e cansativas do repetitivo PS. Mas dentro deste quadro nasce a outra grande expetativa: vai o novo governo pluripartidário dar resposta aos problemas que o PS não estava a cumprir?

É que, em 1º lugar, como já repetimos, o novo governo vive uma situação inteiramente nova e original: é um governo de coligação e de acordo parlamentar; entrou a meio da pandemia; a crise económica derivada da covid; substituiu um governo socialista de vinte quatro anos; os sociais democratas, o segundo partido com mais deputados eleitos, não têm experiência política de governação desde há mais de duas décadas. Isto coloca severos problemas a qualquer governo e mais ainda a um tão colorido. Em 2º lugar, é necessário distinguir quais os problemas que o PS não conseguia resolver: uma coisa são os problemas sociais específicos, a pobreza, a educação, o comércio, os transportes marítimos, entre tantos; outra, muito diversa, são os problemas de sistema autonómico que estão na base daqueloutros assuntos específicos.

Para as matérias sociais específicas o governo está a dar resposta, nos seus termos iniciais, como a tarifa aérea nas ilhas, o IVA, o IRS, apoios sociais mais alargados, como no desporto, trabalhadores independentes do turismo; já existem menos insolvências, etc. Para estes assuntos – outros escrevem sobre eles e não é o nosso espaço próprio.

Mas para as matérias de sistema autonómico – ainda não há sinais positivos, e alguns são razoavelmente negativos. Se existe um novo governo e novos atores políticos – é muito evidente que, se não são dados passos na renovação dos dirigentes da administração pública, é porque ou não se tem ninguém para convidar, ou não existe realmente nenhuma novidade governativa para promover as novas orgânicas funcionais da administração pública. Este aspeto, embora possa parecer irrelevante, é da maior importância: é que sobretudo nos últimos quinze anos dos governos do PS, o abuso de poder nos serviços foi às toneladas, conforme se percebeu pela comunicação social. Quem já se esqueceu da alteração ao sistema legal de concursos que, segundo o governo de então, era feito por existir muitas queixas e muitos casos até em tribunal?; quem se esqueceu da pré-reforma administrativa muito negativa para os açorianos quando comparado com o sistema nacional em vigor no continente e na Madeira?; quem se esquece do sistema da mobilidade, dos quadros de ilha...

Isto é, neste momento, há um enorme azedume na população açoriana quanto a estas matérias. O tecido empresarial costuma apontar o exagerado número de funcionários públicos; mas nada diz sobre o tratamento a que estes estavam sujeitos, e não eram apenas arbitrariedades. Ou seja, o novo governo, embora esteja atento aos problemas sociais, não está a olhar para dentro, para as mãos, os braços e as pernas que sustentam o funcionamento das políticas governativas. E não sabemos se não foram estas pessoas, cidadãos, que deram asas ao governo, ou se foi o agora Deputado independente Carlos Furtado que defendeu a autonomia contra o seu líder nacional que lhe dizia para deixar o PS formar governo. A expetativa ainda é grande, quando é costume após as eleições existir uma certa calma. E a viagem ainda agora começou.

Arnaldo Ourique

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante