Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Transparência

 

Unidade Autonómica

Todos criticamos o centralismo em excesso por parte de São Bento e Belém em relação às neo-autonomias da Madeira e dos Açores. De facto, as revindicações constantes feitas por estes territórios ao Terreiro do Paço, denotam desmazelo político dos responsáveis centrais. O Estado de Direito, só por si, exige uma normal participação relacional entre as partes, uma vez que todos são parte integrante da mesma unidade política, “una e indivisível”.

O simples facto de terem de pedinchar constantemente a Lisboa, já em si mesmo manifesta menosprezo pelas populações insulares da parte do governo central e seus ministérios, repartições ou instituições.

Desde a instauração das Autonomias regionais, que os dois arquipélagos nunca se deram de favor. Eram como dois marrões que se arranham procurando as tetas da mãe-porca, a ver quem mama mais.

Como as coisas seriam muito mais fáceis se os dois se unissem nas justas revindicações a fazer.

Apesar de governarem sob a mesma capa ideológica (PSD) durante duas décadas, Mota Amaral nunca se deu bem com Alberto João Jardim, nem o contrário. Duas personalidades opostas com passados políticos bem diferenciados. Nem me recordo de visitas oficiais recíprocas às respetivas Ilhas, tanto de um, como de outro. E, no entanto, a solidariedade mútua esteve sempre presente nos desastres que assolam os dois arquipélagos de tempos a tempos.

Sendo verdade que as ideologias em excesso aniquilam a democracia, o facto é que o partido socialista justifica melhor esta falta de contacto entre os dois territórios, dispensando virtudes sociais-democratas que nunca mudaram na Madeira.

Mas agora, o adversário partidário em Lisboa é comum! Ambos os Arquipélagos, governados pelo mesmo partido, só têm a ganhar unindo as forças, construindo uma frente comum. O centralismo praticado, desde sempre, por vários governos nacionais, só nos ensina que sozinhos e isolados nada conseguimos. E Lisboa tem sido mestra em dividir para reinar.

A próxima revisão da Lei das Finanças Regionais, para ambas as Regiões Autónomas, é de uma importância vital, que nenhum desentendimento ou egoísmo justifica. Ambos os arquipélagos devem pensar seriamente nas enormes e únicas vantagens em se unirem para atingirem o bem comum de ambos os povos, madeirense e açoriano. Miguel Albuquerque e José Manuel Bolieiro, ambos serão responsáveis históricos perante o futuro, se falharem, mais uma vez, a oportunidade de que a unidade faz a força.

Ambas as partes são suficientemente capazes de reconhecer as suas diferenças territoriais, sociais, económico-financeiras e outras para, em conjunto, delinearem projetos adaptados à realidade de cada um. E ambos têm justas revindicações a fazer. Mesmo os irmãos gémeos não são exatamente iguais…! É essencial ceder nas diferenças.

As diferenças entre a Madeira e os Açores são de tal forma flagrantes, que só as más intenções, atitudes maliciosas, ou o egoísmo desenfreado podem obstar por dificultar as relações entre ambas as Regiões.

Esta opacidade existente há anos entre a Madeira e os Açores, só facilita os governos centrais, em detrimento do progresso das Autonomias, em detrimento da própria Democracia portuguesa que já está perto do seu meio século de existência.

A política geral portuguesa de TOLERÂNCIA ZERO no que respeita aos territórios insulares, bem como o temor constante provocado por traumas imperialistas e colonialistas, criaram uma intolerância quási absoluta em todos os assuntos estruturais das Ilhas atlânticas.

Portugal, por princípio histórico, pela sua pequenez política, pelo sistema em que se enquadra toda a elite instalada através de hipócrita diplomacia, nunca facilitará nem tomará iniciativas positivas sobre os povos insulares, a não ser lembrar-lhes constantemente que são portugueses (apenas no nome).

Se não fosse a radicalidade dos movimentos independentistas da década de 1970 em ambos os arquipélagos, nem estas fracas autonomias existiriam.

E como disse Winston Churchill: “Aqueles que esquecem os erros da História, estão condenados a repeti-los”

José Soares

Quando recebo o Diário dos Açores, dou-lhe uma volta e, se encontro alguma colaboração de José Gabriel Ávila, leio-a de imediato. Não o conheço pessoalmente, nem alguma vez trocámos correspondência, mas os seus escritos interessam-me, porque partilho muitas dos seus ideais, preocupações e visão da vida. É um dos jornalistas que me vão ajudando a ver os Açores atuais, porque os dos fins dos anos 40, da década de 50 e primeira metade dos anos 60, vivi-os na Terceira. Um dos últimos textos dele que li foi «“Empresa das Lanchas do Pico, LDA.”: fator de identidade», sobre um livro recente. Mal olhei para o título, vi logo que me interessava sobremaneira. Terminada a leitura do artigo, ato contínuo comprei o livro pela Net.

A um jornalista nascido nas Lajes do Pico, como é o caso de José Gabriel Ávila, aquele livro diz imenso e o impulso para escrever sobre ele é irresistível. A obra, da autoria do Professor Ermelindo Peixoto, Catedrático da Universidade dos Açores, já aposentado, e publicada pelas “Letras Lavadas”, fala largamente da importância das ligações marítimas nos Açores, particularmente entre as ilhas do Triângulo: Faial, Pico e São Jorge. O Autor, que viveu a experiência de quem, sendo do Pico, fez o liceu no Faial, não se ficou apenas pelas suas memórias de passageiro das lanchas, mas fez uma larga investigação sobre a história daquelas ligações: as empresas, as lanchas, a evolução técnica das embarcações e do seu equipamento de navegação e comunicações. Descreve toda a manobra de navegação em mar aberto e a entrada nos portos, alguns deles com condições bastante deficientes. Com pormenores dignos de nota, dá largo espaço à história das diversas lanchas, seus mestres, vários dos quais conheceu pessoalmente, e restante tripulação, e aos diversos intervenientes nas manobras de entrada nos portos e da acostagem das embarcações aos cais, quando havia mar bravo. Nada do que tem a ver com a navegação entre as ilhas do Triângulo lhe escapa: ventos, correntes, fundos dos canais entre as ilhas, etc. As descrições das viagens e da entrada nos portos em dias de temporal, nomeadamente no da Madalena, são riquíssimas em informação e de um realismo notável. Para isso muito contribuiu a consulta de documentação dispersa, depoimentos recolhidos no passado e as informações que o Professor obteve junto de pessoas que tomaram parte ativa nessas viagens como tripulantes, homens de cais ou cabos-de-mar. Ao ler este livro, quem navegou nas lanchas rememora experiências vividas e quem já não as conheceu no ativo, mas ouviu estórias aos mais velhos, conclui que, efetivamente, essas estórias não são lendas, mas histórias que fazem parte da História da Região.

Quando se chega ao fim do livro e se começa a refletir, compreendem-se várias coisas com mais clareza: a proximidade e a distância entre as ilhas do Grupo Central do Arquipélago, em especial no que se refere às ilhas do Triângulo: para quem, com bom tempo, sai da Horta, a Madalena é logo ali, mas, com mau tempo e um mar a ameaçar a embarcação, parece que a ilha do Pico se afastou; o sentimento de precariedade constitutivo da alma do açoriano: os meios de que se dispunha eram parcos e frágeis, pelo que o povo tinha esta expressão muito significativa: “estamos à conta de Deus!”; as qualidade morais de tanta gente, em especial dos tripulantes das lanchas:  o altruísmo, o espírito de sacrifício, a solidariedade, a abnegação, o espírito de entreajuda, o heroísmo e, simultaneamente, a modéstia - nada de exibicionismos nem fanfarronices. Com este livro, o Professor Ermelindo Peixoto deu um contributo inestimável para o conhecimento de uma época importantíssima na história das comunicações marítimas entre as ilhas. Este livro diz muito às gerações que viveram no tempo das lanchas, mas é, também, de grande interesse para as gerações atuais, porque as ajudará a conhecerem melhor o passado, a compreenderem com mais clareza o presente e a planearem com realismo o futuro. Como costumo dizer: quem não sabe de onde vem, não sabe onde está e dificilmente saberá para onde vai.

Para além de tudo o que acabo de dizer, o livro tocou-me, ainda, por uma experiência pessoal: fiz um passeio inesquecível a bordo da “Espalamaca”, a “Lancha Grande”, como, no livro, o Prof. Ermelindo Peixoto diz que o povo lhe chamava.

Por duas vezes fui, com a Filarmónica União Praiense, da Praia da Vitória, à Festa do Bom Jesus, a São Mateus, no Pico. A primeira, em 1958, a bordo do “Terra Alta”, visitámos o Faial, o Pico e São Jorge; embarcámos no “Porto de Pipas”, em Angra do Heroísmo, porque na altura não havia condições no porto da Praia da Vitória para o barco atracar. Desta viagem tenho bem presente a nossa chegada ao cais de São Mateus.  Olhei para o porto e disse para comigo: como é que o mestre vai pôr o barco no meio daqueles calhaus? E pôs!

Em 1962, o trajeto foi o mesmo, mas a bordo da “Espalamaca”, com o célebre Mestre Simão, tão presente no livro Prof. Ermelindo Peixoto; embarcámos na Praia da Vitória. Naquela altura, a filarmónica tinha dois regentes, o Padre Armindo da Luz que, naquele ano, se encarregou apenas dos ensaios das marchas para as procissões, e uma maestrina, Miss Zabilka, uma senhora americana professora de música na Base, que, não sei por caminhos, chegara à Filarmónica; tinha a seu cargo o repertório de concerto, chamemos-lhe assim.

Um pouco para fazer companhia à maestrina e a uma amiga, e porque tinha uma forte ligação à Filarmónica, a Direção convidou para a viagem o Dr. Jorge Neves, grande melómano. Nunca esqueci uma excelente conferência que fez numa sessão comemorativa do aniversário da Sociedade: entrecortava a exposição com curtas gravações ilustrativas do que ia dizendo. Bastantes anos depois, vi, na RTP, o mesmo modelo nos “Concertos para Jovens” que Leornard Bernstein fazia com a Orquestra Filarmónica de Nova York.

Porque o mar estava de azeite, até à Horta tudo correu bem; o pior foi na viagem Horta-Madalena. O mar estava bastante picado, mas não se podia dizer que estivesse muito mau tempo. A maioria das pessoas fez boa viagem. Mas o Dr. Jorge Neves passou bastante mal; quase se pode dizer que o homem começou a enjoar mal pôs o pé na lancha e, até ao Pico, foi um contínuo pôr “carga ao mar”; chegou à Madalena mais morto do que vivo. O resto da viagem foi excelente, estávamos em pleno agosto. Mas a experiência da ligação Horta-Madalena, com aquele mar picado, permite-me imaginar o que seriam as viagens nas lanchas do Pico com tempo verdadeiramente mau.

Braga, fevereiro de 2022

José Henrique Silveira de Brito

Crónica do tempo que passa (96)

Recordar Vitorino Nemésio é nossa obrigação

No passado dia 20 de Fevereiro, passou o 44º aniversário da morte do mais ilustre filho da Praia da Vitória. Há três anos, a BPARLSR organizou uma grande exposição e convidou o maior conhecedor de Nemésio, o Prof. Doutor A. Machado Pires, para falar sobre o grande poeta, insigne escritor, notável professor, cativante palestrante e atento jornalista, entre outros atributos deste açoriano da Terceira.

Sobre esse acontecimento o Jornal da Praia publicou três crónicas do tempo que passa (nº 37,38,39), sob a epígrafe, As Fibras do Mormaço.

Hoje, trago ao conhecimento dos leitores um artigo editado, em 1981, no Diário Insular de 27.05.81, para colmatar a falha de  eu não ter podido colocar um ramo de flores na sua sepultura, porque o cemitério de Santo António dos Olivais, em Coimbra, estava encerrado quando lá passei, e agradecer a um colega, Leitor de Português na Sorbonne de 1975 a 1980, a oferta do livro que vou comentar.

Vitorino Nemésio e os novos

«O acto poético assume o sujeito, resgata-o do que é falível no verbo para a criação de um objecto comunitário». Duarte Faria (1)

«Múltiplos são os motivos que me obrigam a escrever o presente artigo, e pena é que ele venha um pouco atrasado em relação ao aniversário do falecimento do maior poeta das ilhas. Todavia, a poesia, como a arte em geral, é (e deve continuar a ser) servida como pão de todos os dias. Ela não se compadece com imposições de calendário mais ou menos artificiais e de duvidosa sinceridade.

Entre as várias razões, duas há que gostaria de salientar aqui e agora: a dívida cultural que, como açoriano, tenho para com esse gigante das letras portuguesas, e a importância que hoje, e cada vez mais, um género literário—o ensaio—vem assumindo, embora esteja ainda muito arredado dos hábitos do nosso público. Para comprovar o que se afirma, bastaria consultar as estatísticas. Nos nossos dias, muito se publica, e a infinidade dos títulos postos à venda reclamam uma escolha livre e consciente, para não se comer gato por lebre, como sucede inúmeras vezes. Neste contexto, o ensaio e a recensão crítica desempenham papel de grande relevo na qualidade da informação, na selecção dos temas tratados, no seu grau de isenção, etc. Hoje, o homem culto não é o que devora tudo o que aparece no mercado, mas sim aquele que sabe escolher as melhores obras e  as mais bem documentadas.

Isto é indispensável aos que não querem deixar-se atolar no pântano da manipulação, do dislate ou da mentira, quando não mesmo, da vingança e da calúnia pessoal. Para a formação cultural e ideológica é essencial uma boa informação, que se pode colher, quer no ensaio quer na recensão das obras literárias, científicas, artísticas, políticas, etc. Mas contrariamente ao que pensam alguns, o discurso crítico é  dos mais difíceis e dos mais úteis. É ele que nos dá pistas ou referências para a nossa escolha. Faz-nos penetrar na intimidade do artista ou pensador, e também no escaninho secreto da criação artística, na redoma do filósofo, no laboratório do investigador. O crítico, por inerência do seu ofício, tem de ser um leitor atento, um espectador exigente, não qualquer superficial descodificador de mensagens ou de histórias escritas. Com ele despertamos para experiências, até então, desconhecidas. Assistimos ao árduo trabalho textual e de pesquisa, operados no acto de criar e somos estimulados para sensações novas. Ele acicata-nos a curiosidade de saber e o desejo de entrar na forja da arte ou da ciência, indicando-nos a trajectória seguida pelo criador. É ainda o crítico que sensibiliza para os altos momentos da beleza, do prazer, da fruição das obras apreciadas. Aqui está, em síntese, a nobre função do crítico.

Infelizmente, não são muitos os verdadeiros críticos, como diz Júlia Kristeva. O verdadeiro crítico tem de ser um artista, e sem sê-lo nunca merecerá o nome de crítico. Tal como um mau leitor jamais será um bom escritor. Portanto, abaixo os preconceitos que rotulam o ensaio crítico de género menor. Reconheça-se o seu inestimável valor formativo e seletivo, entre tanta mercadoria falsificada por motivos inconfessáveis.

Como refutação da menoridade do ensaio, leia-se o excelente livro de ensaios e recensões críticas sobre vários autores contemporâneos do jovem professor da Faculdade de Letras de Lisboa, dr. Duarte Faria que, não esquecendo o nosso Mestre açoriano nos brinda, este ano, com um magnífico e fino ensaio «Vitorino Nemésio: Da Poesia, como modo de ser», ao qual atribuído, há não muito tempo, o prémio do melhor ensaio publicado em 1980, concedido pela Associação Portuguesa de Escritores.

O seu trabalho inclui uma primeira parte, que versa sobre problemas actuais da crítica. Seguem-se vinte cinco recensões, algumas delas já insertas na Colóquio-Letras sobre autores contemporâneos. Porém, é na terceira parte que deparamos com o importante estudo acerca de Nemésio.

Dado que muita gente conhece Nemésio, mas nunca o leu, o que para um açoriano, que se preze, é uma vergonha, o presente trabalho será muito útil, não só para os já conhecedores da sua poesia, mas também para os jovens que irão lê-la em breve. Os novos precisam descobri-la. E hoje temos o exemplo deste jovem professor minhoto. Nemésio não é um estranho para eles. Ele próprio tinha consciência da sua jovialidade interior. Veja-se na Sapateia Açoriana a confissão: «A minha vida está velha/ Mas eu sou novo até aos dentes».

Se é extremamente difícil detectar os vários itinerários poéticos das obras nemesianas, que mais poderei fazer, neste local, senão apontar sumariamente alguns deles que a sagacidade de Duarte Faria nos revela. A sua tese visa realçar a tradicionalidade e modernidade da poesia de Nemésio. Com este binómio, a sua poesia torna-se perene, universal e sempre actual, sendo digna de perdurar junto das novas gerações. Como vectores da sua poesia, Duarte Faria frisa duas componentes que se entrelaçam: o sentido da ascese e o sentido lúdico. É pela primeira que Nemésio surge como poeta da austeridade, do sobrenatural e do sagrado cristão. Da segunda nasce a ironia que irá camuflar a dor do envelhecimento, que surgirá em toda a obra como antídoto contra a morte. Será ainda da ironia que destilará o seu humor, tantas vezes, exuberante. Outros aspectos que se relacionam com ela são a religiosidade e o conceito de tempo, que leva o poeta em «Limite de Idade» à vitória prometaica contra esse tempo, trazendo com tenaz lucidez a tecnologia e a ciência actual para o domínio da poeticidade.

Na trajectória de Nemésio há dois tempos: o arcaico que se prende à memória, à infância, e o tempo prospectivo, voltado para o futuro que não se quer ver perdido. Ao contornar a poesia do insigne terceirense, repleta de sinuosidades, observamos uma autêntica espiral de elementos que se opõem e se recriam a cada passo. Sabemos quanto o nosso vate detestava o lugar comum e a repetição das imagens. E mesmo se em Festa Redonda ou na Sapateia Açoriana, a repetição ao gosto popular aparece, ela não é explorada exaustivamente. É talvez uma «tentativa para exorcizar o fantasma da repetição», refere Duarte Faria.

Como deixei entrever, o citado ensaísta faz uma análise profunda, não se limitando a inventariar os principais tópicos, mas aponta-nos as grandes linhas de força que se entrecruzam no universo verbal de Nemésio. Refere-se ainda às influências marcantes como Teixeira de Pascoais, Gomes Leal, Junqueiro, Antero e Fernando Pessoa.

O que mais nos atrai no presente ensaio é a justeza entre o comentário e a feliz selecção dos excertos de Nemésio que ilustram e reforçam o valor daquele. Por vezes, tem-se a impressão que crítico e poeta se confundem e se completam. E que grande prazer intelectual sentimos ao peregrinar, por dentro das obras, na auscultação desse tensão polifónica (à Roland Barthes) que cria e sustenta a poética de Nemésio.

Para concluir, apenas uma alusão ao arsenal de instrumentos, usados com rigor pelo ensaísta, que deixa transparecer várias referências da moderna retórica francesa o que credita, sobremaneira, o trabalho efectuado num estilo de recorte clássico, conciso, preciso, denso.

António Neves Leal

  • Outros Sentidos da Literatura, Vega Universidade, Editorial Vega, Lisboa.

(Esta obra está à venda em Angra do Heroísmo).

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante