Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

A Assembleia da Republica aprovou na generalidade a Lei da despenalização da morte assistida, apesar das diversas manifestações populares, apelando ao referendo para se dar voz ao povo, e esta legitima pretensão popular não foi acatada pelos deputados, sendo certo que os maiores partidos políticos com representação parlamentar não tinham no seu programa eleitoral nas ultimas eleições para a Assembleia da Republica tal tema, gerando assim a impressão que os deputados queriam tomar uma decisão nas costas do povo, que é soberano, e que tem a nobre missão de os eleger.

Aparentemente ninguém sabe exactamente quando e como começou o carnaval da Terceira. Os historiadores dizem que o carnaval é importado das tradições pagãs, e que terá vindo já incutido na cultura dos primeiros colonos. Sem aprofundar mais a raiz, importa é realçar que ninguém sabe ao certo como se iniciaram as danças do nosso carnaval. Há, contudo, alguns pontos que se assumem verdadeiros, baseados principalmente em testemunhos que comprovam o facto das danças terem primeiro aparecido à porta das Igrejas, nos Terreiros e nas casas dos Terceirenses (ao invés de palcos), e de inicialmente as danças de espada apenas actuarem de dia e os bailinhos à noite.

Desde há muito que os grupos organizados de cidadãos têm tido uma influência notável na nossa sociedade, e em todas as suas áreas, desde a religião, a solidariedade, o desporto, economia, música, profissões, cultura, etc. É uma prova inequívoca do valor da iniciativa privada e da força da união de cidadãos, que culmina em entidades com personalidade jurídica, com os seus devidos estatutos, tornando-se o “corpo” que representa um grupo de pessoas, e que age na prossecução de determinados objectivos (definidos pelos seus associados e executados pelos órgãos sociais).

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante