Jornal da Praia

PUB

COVEIROS DO DESEMPREGO

Quarta, 24 de Novembro de 2010 em Opinião 854 visualizações Partilhar

COVEIROS DO DESEMPREGO

A greve geral do próximo dia 24, agendada e incentivada pelas centrais sindicais do país e, em particular, pelas suas agências aqui nos Açores, mais os partidos políticos como o PCP, melhor dizendo, CDU e pelo BE, é uma falácia de todos os tamanhos.

Como é possível fazer-se greve a reivindicar, não sei o quê, quando o país anda de tangas financeiramente e socialmente.

Uns dizem, como ouvi um dia deste no programa da RTP-A, “O Estado da Região”, que se tratava de uma obrigação cívica de todos os trabalhadores. Sinceramente, como se podem dizer tamanhos disparates? Como é possível que ninguém diga a estes “pseudo defensores dos trabalhadores”, que “dever cívico” é tudo, menos fazer greves selvagens. Se fosse para mostrar aos órgãos de Governo o seu descontentamento com as políticas seguidas por esses, então porque não marcaram a greve geral para um Sábado ou Domingo?

Meus senhores, não brinquem com o fogo porque podem queimar-se

Se fossem apenas e só vocês a queimarem-se, tudo bem. Mas, infelizmente, não se queimam sozinhos, levam sempre aqueles que querem trabalhar e que trabalham todos os dias para garantirem o pão que os filhos reclamam todos os dias.

Em economia existem os factores de produção e, um deles, quiçá, o mais valioso é o “factor humano”. Mas não se fique com a ideia marxista,  que se trata de um factor totalmente imprescindível, imutável e inamovível.

Hoje, em economias de mercado, a liberalização de todos os factores de produção é fundamental para se conseguir bons resultados económicos. E, como vemos e sabemos, todos os factores de produção, com excepção do factor “mão-de-obra”, modificam-se quase ao segundo.

Porque tal não acontece com o factor “mão-de-obra”?

Porquê esta excepção?

Não faz sentido esta excepção. Creio mesmo que torna o sector mais vulnerável ao desemprego.

Penso que não estarei errado se disser que, quanto maior for a inflexibilidade das leis laborais, nomeadamente, no despedimento, maior serão as dificuldade de criação de emprego.

Nenhum empresário ou empresa está disposto a criar postos de trabalho para, em caso de dificuldade de rentabilidade, não poderem, tal como fazem com todos os outros factores de produção, alterar as suas condições.

Melhores resultados financeiros devem corresponder maiores salários. Piores resultados financeiros devem corresponder menores salários. Esta é uma permissa inquestionável e que só uma Constituição impregnada de uma doutrina socialista, fora do contexto do séc XXI, pode obrigar a que, independentemente da rentabilidade, os salários ter um só sentido – aumentos.

É um mito a garantia constitucional do direito ao trabalho.

O direito ao trabalho garante-se, não por um ou mais artigos constitucionais, mas pelo trabalho efectivo. Pela produtividade que cada um de nós tem na sua actividade profissional.

Meus amigos, chegou, melhor, está chegando a hora de deixarmos de ser líricos e assentarmos os pés bem na terra.

Não há riqueza material no país que suporte o gigantesco “estado-social” que criamos e temos.

Não podemos continuar a pensar que o “Estado” é o garante da nossa existência. Não. É o contrário. Nós é que somos o garante da existência do “Estado”.

Até agora acontece que, quer as centrais sindicais como os partidos populista, defendem e lutam por melhorias salariais e outras, quando a riqueza diminue substancialmente. É, no mínimo, um autêntico disparate. É possível, salvagurdando-se as devidas diferenças, compará-lo aos crimes de usura e/ou enriquecimmento sem justa causa, já que os trabalhadores auferem rendimentos acima daquilo que produzem. O contrário, quando acontece, deve seguir a mesma lógica. Ou seja, o que defendo tanto serve para os trabalhaores como para as empresas ou empresários.

Aquilo que todos nós devemos fazer é, exactamente o contrário, trabalhar mais e depois esperar que aumente a riqueza para que esta seja dividida, na justa medida daquilo que cada um produz.

Como fazemos em nossas casas? Esbanjamos ou fazemos restrições?

Penso que a segunda hipótese é aquela que em regra é seguida. Pois bem, na gestão do país, devem seguir-se os mesmos princípios, sob pena de darmos o que não temos e tornar-mo-nos insolventes.

Muito havia para reforçar a ideia porque não devemos fazer greve, muito menos, geral, mas não tenho este jornal por minha conta, embora ele já me faça a gentileza de publicar estes meus artigos de opinião, o que só tenho a agradecer, o mesmo já não posso dizer de outros órgãos de comunicação social, nomeadamente, a RTP-A que tem tantos e tão bons programas que abordam estas e outras temáticas da nossa vida social e que não tem dado, até à presente data, voz ao Partido Democrático do Atlàntico – PDA, embora esteja convencido que, mais cedo ou mais tarde, o farão.

MANUEL COSTA /Presidente do PDA