Jornal da Praia

PUB

Nos 20 anos da sua morte (III): Pendor artístico do Pe. Joaquim Esteves

Quinta, 08 de Maio de 2014 em Opinião 1027 visualizações Partilhar

Nos 20 anos da sua morte (III): Pendor artístico do Pe. Joaquim Esteves

Como foi escrito anteriormente, a Matriz da Vila de S. Sebastião era a sua jóia mais preciosa, a menina dos seus olhos, que não descansaram na busca da antiga traça e dos frescos tidos mais tarde como famosos e de inestimável valor para a história da arte, únicos nos Açores e uma raridade a nível nacional, como advogam os especialistas restauradores e estudiosos abalizados desta área do conhecimento.

Para apresentar esta sua faceta, começarei pela conferência Uma velha igreja gótica na Terceira, de Garcia da Rosa, seu Mestre no Seminário de Angra, respigando algumas passagens sobre o crucial papel desempenhado pelo então Pároco sebastianense e que alguns mais tarde quiseram minimizar ou omitir, por despeito ou inveja.

Após referir as barbaridades cometidas naquele templo, afirma: O Reverendo Joaquim Esteves, actual Vigário de São Sebastião, espírito culto e inteligente, não entendeu, porém, assim (…). Olhou para a sua igreja, e soube ver, analizar e sentir. Viu a arte apreciável da planta e construção primitivas. Analizou os grandes crimes praticados num monumento artisticamente respeitável. E sentiu fortes desejos de o restaurar, de o restituir à sua forma antiga. Amparado de amigos entendidos, auxiliado por um artista hábil e inteligente, já fez maravilhas. É notável a obra de restauração realizada, e digna dos maiores encómios. Mas ele vive de um sonho e para um sonho--restaurar por completo a velha e artística Matriz de São Sebastião. Deus lhe dê vida, forças e meios para levar a cabo tão nobre empreendimento. (In Livro do Primeiro Congresso Açoreano, Lisboa, p.173). E o palestrante terminava com um apelo ao Governo da Nação, alertando, também, para outros monumentos abandonados ou carecidos de reparos e conservação, sobretudo em Angra e Horta.

O Dr. Baptista de Lima, num colóquio internacional, dissertando  sobre A Igreja de S. Sebastião da Ilha Terceira, alude ao ilustre sacerdote, nos seguintes termos:

Há 10 anos, o Pároco, o Rev. Padre Joaquim Esteves vem limpando cantarias, restaurando arcos, refazendo pavimentos, sempre com a maior prudência e cuidado, para que nada se perca e altere. A ele se deve a preciosa descoberta das pinturas murais. (in Bol. do IHIT-vol. VII-1949).

E ao mesmo tempo expedia volumosa correspondência que manteve com as entidades oficiais, sob a forma de memórias, exposições, ofícios, no dizer de P. Merelim, na sua obra acima citada, e que teve estreito relacionamento com o Pe. Joaquim Esteves Lourenço. O templo seria declarado monumento nacional em 1951, e desde então mantido e conservado, umas vezes melhor outras pior, como salientaria mais tarde Emanuel Félix, técnico do Museu de Angra e perito na área da conservação de obras de arte, num ensaio Sobre os frescos da antiga Matriz de São Sebastião da Ilha Terceira (in Revista Atlântida, vol.XXXVIII-1994).

Recentemente, com meios mais sofisticados, procede-se a novos trabalhos de restauro das pinturas murais, cada vez mais apreciadas por visitantes nacionais e estrangeiros, alguns deles deslumbrados com a sua antiguidade e beleza. Pode-se agora afirmar a justeza dos pressupostos que acalentaram os desígnios do Padre Joaquim Esteves., a que não foi alheio o manancial de conhecimentos históricos e artísticos recebidos no Seminário de Angra, durante a sua formação.

Se ele fosse vivo hoje, mereceria ser condecorado ao mais alto nível, pois já o foi modesta e postumamente, em 2000, aquando da trasladação dos restos mortais de Maria Vieira, pela Vila que tanto serviu e amou. Espero que isso volte a acontecer, no próximo ano, e não apenas na Vila de S. Sebastião.

 

Texto/ António Neves Leal | antnio.leal@gmail.com