Jornal da Praia

PUB

Considera do presidente da Junta de Freguesia: A VILA NOVA ESTÁ EM CONSTANTE AFIRMAÇÃO

Domingo, 06 de Abril de 2014 em Entrevista 2154 visualizações Partilhar

Considera do presidente da Junta de Freguesia: A VILA NOVA ESTÁ  EM CONSTANTE AFIRMAÇÃO

Requalificação da rede de esgotos, limpeza da freguesia e a construção de um armazém para o arrumo de materiais utilizados na criação de carros alegóricos e outras peças referentes às festas da Vila Nova ocupam a lista de prioridades do presidente da Junta de Freguesia. Rui Nogueira, a exercer o seu terceiro e último mandato, revela ao Jornal da Praia que esses projetos foram lançados no início da sua atividade como autarca e serão concluídos nos próximos quatro anos.

“A rede de esgotos, que é antiga, preocupa-nos bastante. Muitas pessoas têm as fossas das suas casas cheias e precisam de escoamento das casas de banho. A Junta e a Praia Ambiente estão em cooperação para adquirir um terreno com o objetivo de construir uma ETAR. Ficou garantido que essa situação será resolvida durante este mandato”, declara o autarca da Vila Nova, no concelho da Praia da Vitória, referindo que está agora em regime de aposentação e, portanto, a sua disponibilidade e dedicação mostram-se ainda maiores para dar conta das questões da freguesia.

Considera que um mandato “é pouco” porque, por norma, as fases e o desenvolvimento dos projetos “levam o seu tempo” e, assim, as datas acabam por ultrapassar o limite dos quatro anos de governação.

“Mas quatro ou cinco mandatos parece-me excessivo. Os projetos têm de continuar, mudar naturalmente de mãos, e há sempre coisas a fazer e a afirmarem-se. Quem vier a seguir terá coisas a fazer e a refazer. O importante é que a Vila nova esteja sempre acima de Partidos”, salienta.

Rui Nogueira adianta que outro dos projetos na Vila Nova é a reconstrução da Casa do Passal, para que possa dispor de um Centro de Catequese, e o melhoramento do Porto de Pescas, junto às Escaleiras, por forma a dar aos pescadores condições ainda mais adequadas à sua atividade, nomeadamente na casa de apetrechos e num espaço próprio para o cuidado e manutenção dos seus barcos e traineiras.

Entretanto, o autarca mantém os cuidados de embelezamento em vários espaços públicos da freguesia, com a plantação de árvores em parceria com os Serviços Florestais, e a construção de um novo miradouro com vista sobre o Porto de Pescas.

Ainda mais significativo pode ser o projeto de demolição de casas devolutas, em curso desde o mandato anterior, cujo objetivo é “suavizar a falta de estética” provocada pelo avançado estado de ruína.

 

FALTA DE HABITAÇÕES

AFASTA JOVENS CASAIS

 

Segundo o presidente da Junta de Freguesia da Vila Nova, o Plano Diretor Municipal (PDM) e a reserva agrícola impedem a construção de novas habitações e consequentemente a fixação de jovens casais na freguesia.

“É uma freguesia com tendência a envelhecer, a taxa de natalidade é muito baixa, e isso preocupa-nos. O PDM não pode ser facilmente alterado. Foram feitas algumas mudanças, mas não as suficientes. A Câmara da Praia tem feito o possível mas não é fácil”, explica Rui Nogueira. E continua: “Temos zonas identificadas, que dariam para construir mais de cem habitações, e sabemos que iria chamar muita gente para se fixar na freguesia. São terrenos em uso, teriam de ser vendidos e há interesse de venda por parte dos seus proprietários. Penso que o PDM será naturalmente alterado no decorrer dos anos”.

No contexto municipal, o autarca atribui uma importância à Vila Nova especialmente na área da cultura e tradição, sendo o Espírito Santo o padroeiro da freguesia, de resto conhecida pelos bodos característicos dessa festa religiosa.

Salienta que, atualmente, o crescimento local permitiu o alcance a todos os serviços básicos, desde apoio ao domicílio a creche e ATL, passando por farmácia, RIAC e centro de dia, sem que a população tivesse de deslocar-se a outras freguesias ou ao centro da cidade.

Essa proximidade, considera, fruto de uma evolução mais expressiva nos últimos dois mandatos, trouxe facilidades acrescidas à vida das pessoas, sobretudo à dos mais velhos.

Mas os louros, ressalva, são transversais a outras governações da Junta de Freguesia que não apenas esta, não obstante a sua satisfação pelo trabalho do qual é líder.

“Há uns anos disse que gostaria que a Vila Nova fosse “Vila”. Chamaram-me de maluco. O que queria dizer era no sentido da freguesia ter o que uma cidade tem, isto é, dar às pessoas da freguesia o que elas merecem; não falava em “Vila” em termos de população”, recorda.

Por outro lado, diz Rui Nogueira, a crise financeira vivida no nosso país, tem aumentado o número de procuras de apoio na Junta de Freguesia, por parte da comunidade. A falta de emprego, alimentação escassa e dificuldade de pagamento de medicamentos na farmácia são as causas da maioria dos pedidos de auxílio.

“Há casos alarmantes. Para além das obras, o que nos preocupa é o atendimento das pessoas. Nós apoiamos dentro do possível, com encaminhamento para a Ação Social, mas cada vez temos menos dinheiro. Há uma relação muito boa e estreita entre a Ação Social e a Junta”, declara.

O horário de funcionamento dos serviços da Junta de Freguesia da Vila Nova é das 9h00 às 17h00, de terça a sexta-feira, e das 9h00 às 12h00, às segundas-feiras.

As terças-feiras também são dedicadas ao atendimento dos lavradores que queiram registar os seus animais.

 

TEATRO PARA USO DOS SALÕES

ALÉM CARNAVAL

Passada a época do Carnaval, a maioria dos palcos dos salões da ilha Terceira costumam ficar entregues ao pó e ao esquecimento até que venham as danças e bailinhos no ano seguinte.

É neste sentido que o presidente da Junta de Freguesia da Vila Nova está a incentivar um grupo de jovens local a organizar um concurso de talentos com especial enfoque na arte da representação.

“Era importante voltarmos a ter um grupo de teatro. Há jovens que estão a dar os primeiros passos no sentido de levar a ideia à prática. Assim também daríamos uma melhor rentabilização da sala de espetáculos. Presentemente, a abertura está a ser feita apenas na época do Carnaval”, explica Rui Nogueira.

Entretanto, a sala de espetáculos da Vila Nova, fundada em 1962 e com capacidade para 500 pessoas sentadas, será remodelada a nível de cadeiras e acústica, sendo que grande parte do edifício foi alvo de intervenção há pouco tempo.

Nas palavras do autarca, a Vila Nova não está a passar crise de associativismo nem de voluntariado, querendo dizer que os movimentos na freguesia são muitos e estão todos em modo ativo. Desde escuteiros a comissões de igreja e de festas, passando por folclore, filarmónica e desporto, os grupos encontram-se “de boa saúde” com elementos jovens que têm conseguido concretizar dinâmicas e afinidades.

Outros grupos de expressão, refere, são os artesãos, de várias gerações, que trabalham em ofícios como cantaria, madeira, bordados e pintura.

Alguns estão em processo de regularização oficial da atividade para que possam comercializar legalmente as suas peças.

“Teríamos gosto de fazer uma feira na praça, mas para isso é importante que a maioria seja coletada [nas Finanças] ”, adverte.

Na sua listagem de projetos ligados à cultura, indica também a recuperação de dois moinhos, com o apoio da Grater, e a reconstrução de um antigo ponto de Vigia à baleia.

 

+++++++++++++++++ CAIXA ++++++++++++++++

 

NOVO ARMAZÉM

PARA BANCO ALIMENTAR

 

Estará concluído até ao final deste ano a obra do armazém de arrumos, localizado junto à Casa Mortuária da Vila Nova, desde o mês de dezembro de 2013. Um investimento orçado em 60 mil euros que conta com o apoio do Governo Regional dos Açores.

De acordo com Rui Nogueira, o novo espaço resulta de um projeto antigo da atual Junta de Freguesia que pretende prestar apoio às comissões de festas na organização e conservação de materiais usados para a criação dos carros alegóricos e outros adornos do exterior. Será assim possível evitar o investimento recorrente e optar pela reciclagem.

Também deste modo, explica o autarca, será dado lugar a um núcleo do Banco Alimentar mediante um trabalho conjunto entre a Junta de Freguesia, a Cáritas e os movimentos da igreja.

“Fico triste por saber que há pessoas da Vila Nova se deslocam a outras freguesias para ir buscar apoio, nomeadamente géneros alimentares, os quais poderiam estar disponíveis aqui como acontece em outros lugares da ilha”, remata Rui Nogueira.

 

 

Caixinha+++++++++++++++++++

VILA NOVA

 

A Vila Nova é uma freguesia do concelho da Praia da Vitória, com cerca de 1 678 habitantes, segundo os censos de 2011.

Trata-se de uma freguesia caracterizada por chafarizes e por uma baía que abraça o Porto das Escaleiras.

Os tradicionais bodos das Festas em honra do Divino Espírito Santo, o patrono da localidade, mobilizam toda a comunidade, visitantes e turistas no mês de maio.

 

Texto e Foto/ Sónia Bettencourt