Jornal da Praia

PUB

Considera o mestre dos Romeiros da Conceição “As únicas diferenças estarão na pronúncia típica de cada ilha e no número de dias de romaria”

Quarta, 19 de Março de 2014 em Entrevista 2265 visualizações Partilhar

Considera o mestre dos Romeiros da Conceição “As únicas diferenças estarão na pronúncia típica de cada ilha e no número de dias de romaria”

O único rancho de romeiros existente na ilha Terceira está ligado ao Santuário de Nª Sra. da Conceição, em Angra do Heroísmo, e sai para a estrada no próximo dia 9 de abril.

Este ano assinala a sua oitava romaria quaresmal e contará com a participação de 44 elementos das ilhas Terceira e Graciosa.

O JP esteve à conversa com o mestre do rancho, Paulo Roldão, que esclareceu não haver diferenças entre os ranchos das várias ilhas dos Açores, apesar do Movimento de Romeiros de São Miguel coordenar somente os grupos micaelenses.

 

Jornal da Praia (JP) - No próximo dia 9 de abril os Romeiros da Conceição, em Angra do Heroísmo, saem para a estrada em peregrinação. Quantos são e de onde vêm?

Paulo Roldão (PR) - Este ano o rancho é constituído por cerca de 42 irmãos de diversas freguesias da ilha e os restantes dois da Ilha Graciosa, sendo que a Sagrada Família também incorpora o rancho. Para além destas 3 pessoas também contamos com 3 irmãos romeiros sem bordão, que apoiam o rancho noutros moldes, mas também dignificantes para Honra e Gloria de Deus Nosso Senhor.

 

JP- Em comparação com os anos anteriores, e tendo em conta que o Rancho da Conceição foi formado em 2007, o número de romeiros participantes sofreu alterações significativas?

PR- Sim, sofreu alterações, para melhor. Se no primeiro ano saíram cerca de 23 irmãos, este ano, e como já respondi na anterior pergunta, está previsto serem cerca de 44 romeiros. Durante este ainda curto período de existência, o número tem variado, isto é, já houve anos em que saíram menos que no corrente e outros em que saíram mais. Esta situação deveu-se, sobretudo, ao facto de alguns irmãos não terem podido sair neste ou naquele ano por motivos profissionais.

 

JP- Verifica-se o interesse por parte dos mais novos? Estará portanto a tradição assegurada?

PR- Desde o ressurgimento das Romarias Quaresmais, aqui, na Ilha Terceira, temos tido alguns irmãos entre 10 e 17 anos de idade. Tal como todos os restantes irmãos acima da casa dos 20 anos, alguns, no princípio estranharam mas depois entranharam o espírito de romeiro e romaria. Assegurada a tradição aqui na Terceira, tal como nas restantes ilhas onde já existem Romeiros e Romarias Quaresmais, penso que ninguém poderá responder com certezas absolutas, isto é, o estar assegurada, a meu ver, depende de O ouvirmos no chamamento constante que Ele faz a cada um de nós, para deixarmos tudo e segui-lO, particularmente nestes dias. O que posso dizer e transmitir é o que sinto em relação aos restantes irmãos do rancho, ou seja, se continuarem a viver as romarias como têm vivido, com fé, esperança e seguindo-O como a Sua e Nossa Mãe Maria Santíssima, em silêncio e oração, Ele nunca nos faltará e providenciará tudo aquilo que precisarmos.

 

JP- Os romeiros e a tradição das romarias quaresmais são característicos da ilha de São Miguel, sendo que as primeiras peregrinações terão surgido no século XVI em Vila Franca do Campo. Atualmente, o número de ranchos ultrapassa a meia centena. Sente que o Rancho de Romeiros da Conceição e o Rancho de Romeiros da Graciosa, este último formado há 14/15 anos, ambos reconhecidos pela Diocese de Angra, provavelmente os únicos em cada uma destas ilhas, fazem parte do movimento no seu todo?

PR- Pelo Rancho de Romeiros da Graciosa, apesar de termos desde o segundo ano alguns irmãos que vêm dessa ilha para também connosco fazerem este encontro anual com Deus, e com isto quero dizer que temos uma sã e profícua amizade desde a segunda romaria, não seria de bom-tom responder pelo irmão-mestre desse Rancho, porque podia correr o risco de não ser verdadeiro ou dizer algo que o mesmo não sentisse. Quanto a nós, apesar de sermos recentes, comparativamente com a maioria dos de São Miguel, seguimos o que está definido no Regulamento de Romeiros e até já tivemos alguns irmãos dessa ilha que fizeram a sua romaria aqui, partilhando as suas experiência e enaltecendo o nosso rancho. Fazermos parte do movimento no seu todo, sinto que, sim, somos acarinhados, falados e estimados pelos demais, ainda que a ida de algum irmão daqui a reuniões ou retiros que o Movimento proporciona não tenha ocorrido até à presente data.

 

JP- Há diferenças, práticas ou simbólicas, entre as romarias das três ilhas referidas?

PR- Se todos nós seguimos e aplicamos o Regulamento de Romeiros em vigor, naturalmente que não existe nada diferente. Quanto muito, as únicas diferenças estarão na pronúncia típica de cada uma das três ilhas e no número de dias de romaria em cada uma delas.

 

JP- O regulamento dos romeiros foi aprovado em 1962, pelo então Bispo de Angra, D. Manuel Afonso de Carvalho. A última atualização data de 2003 e foi feita pela mão do atual Bispo de Angra, D. António de Sousa Braga, depois de D. Aurélio Granada Escudeiro, o seu antecessor, no ano de 1989. No seu entender, o regulamento necessita de uma nova atualização?

PR- Regulamento, como a própria palavra indica, é um documento criado para regulamentar algo que necessita de ter algumas regras e no caso em concreto, para não existirem ranchos com determinadas regras e outros com outras, como eventualmente poderá ter acontecido até à publicação do primeiro. Tendo o primeiro entrado em vigor em 1962 como refere, e já depois dessa data ter havido atualizações ao mesmo, naturalmente poderá vir a ocorrer novas atualizações, decorrentes não só da prática do dia-a-dia como também de novas orientações que a igreja venha a tomar, sejam por parte do Santo Padre ou por parte do Bispo de Angra.

 

JP- As mulheres podem participar numa romaria mas num rancho com características próprias apenas para as senhoras. Faz sentido essa divisão de sexos nos dias de hoje, considerando que se tratam todos por “irmãos”?

PR- Apesar de sermos todos irmãos perante Deus, apercebo-me de que, nos moldes em que as romarias estão, logisticamente concebidas e nada mais que isso, faz algum sentido, tendo em conta as especificidades fisiológicas de cada um dos sexos.

 

JP- Falar em romarias é também falar naturalmente em conversão ou estaríamos apenas a referir o esforço físico de um longo percurso. Os romeiros são também romeiros fora do tempo quaresmal? O ser humano consegue efetivamente converter-se?

PR- Os homens que saem em romaria devem, principalmente fora do tempo quaresmal, ser Romeiros com tudo o que esta pequena palavra engloba. Romeiro é aquele que troca aquilo que tem de supérfluo pelo essencial, isto é, segui-lO sem hesitar e ao fim da romaria sentir que valeu a pena. Em romaria sentimos que estivemos no Monte Tabor e, quando descemos, temos a obrigação de evangelizar os demais. É isso que nos 360 dias seguintes tentamos fazer, como apóstolos que também o somos. O romeiro é fraco e pecador, mas confessa-o.

O ser humano, romeiro ou não, consegue efetivamente converte-se, basta querer ouvi-lO e se O ouvir, seguirá todos os seus passos e a conversão ocorrerá. Deus está permanentemente à nossa espera, nós nem sempre queremos ouvi-lO ou vê-lO. E, se não O ouvirmos ou O vermos, a conversão dificilmente ocorrerá. Mas, mesmo assim, pode ocorrer com a graça de Deus. Por vezes, a conversão ocorre em momentos menos esperados, até numa romaria pode ocorrer esse milagre divino, basta o irmão abrir-se a Ele, sem rodeios ou hesitações.

 

JP- É inevitável não falar nas dificuldades das famílias face à atual conjuntura económica. Isto poderá afetar a abertura das casas para o acolhimento dos romeiros?

PR- Eventualmente poderá afetar. No entanto, na realidade que conheço e vivo, as pessoas sempre nos abriram as suas casas para nos acolher, dar-nos de comer, beber e dormida. Aliás, em situações semelhantes à que pergunta, é que se vê o verdadeiro Cristão, porque por muito pouco que ele tenha, partilha com os demais. Quem tem Deus consigo, nada lhe falta, porque sabe que Ele lhe retribuirá em dobro.

 

JP- O que é ser romeiro, afinal?

PR- Para mim, definir no concreto o que é ser romeiro seria algo inglório e, por muito que pudesse dizer e escrever, nunca conseguiria descrever algo tão belo, sublime, nobre e com uma humildade e despojamento tamanho, como só o ser Romeiro o é. Mais do que dizer ou escrever, Ser Romeiro é viver com Cristo e para Cristo com Sua e Nossa Mãe Maria Santíssima, seguindo-O em silêncio e oração.

Termino dizendo que Os Romeiros são homens que sentem profundamente a Quaresma, no entanto, vivem com alegria a Natividade, adoram o menino Jesus no Natal e a Páscoa está sempre presente como fim das suas vidas, esperando em silêncio a salvação do Senhor.

 

 

************* caixa **************

 

CINCO DIAS DE PEREGRINAÇÃO

O Rancho de Romeiros do Santuário de Nossa Sra. da Conceição, cujo assistente espiritual é o Pe. Francisco Dolores, reitor do mesmo Santuário, tem como responsáveis e colaboradores: Mestre, Paulo Roldão; Contramestre, Adalberto Couto; Procurador das Almas, João Dinis; Lembrador das Almas, Victor Cardoso; Guias, Diogo Roldão e Ricardo Rodrigues; Ajudantes, Luís Castro e João Nogueira.

A sua peregrinação é feita à volta da ilha, no sentido dos ponteiros do relógio, com o lado esquerdo sempre virado para o mar, durante cinco dias.

Tentam passar por todos os lugares de culto a Nossa Senhora, levando a sua indumentária característica: lenço, xaile, dois terços (um para colocar ao pescoço e outro para levar na mão), bordão e “sovadeira” vulgo mochila.

São celebradas eucaristias, rezam o terço, pagam promessas, refletem e exaltam cânticos e orações.

 

Texto/ Sónia Bettencourt

Foto/ Romeiros da Conceição