Jornal da Praia

PUB

Afirma Sensei do Clube da Praia: “O Karaté não é um desporto de combate, é uma arte marcial”

Quarta, 12 de Março de 2014 em Entrevista 2765 visualizações Partilhar

Afirma Sensei do Clube da Praia: “O Karaté não é um desporto de combate, é uma arte marcial”

 

O Jornal da Praia (JP) foi recebido pelo Sensei Nelson Felicidade, do Clube de Atividades Físicas da Praia da Vitória (CAFPV), no Pavilhão de Artes Marciais da cidade, para assistir a um treino de Karaté.

Durante o treino, a sintonia entre as palavras gritadas em japonês pelo Sensei (mestre, mentor, professor. No Japão, o título de Sensei é dos mais respeitados), e os movimentos precisos dos atletas foi admirável. Pairava no ar uma sensação de energia positiva, de coordenação, precisão e muita concentração.

Nelson Felicidade é 2º Dan de cinturão preto de Karaté do Clube de Karate Shotokan da Ilha Terceira (CKSIT), fundado pelo Sensei Cláudio Dias.

Apesar de Nelson Felicidade ter a sua própria escola de Karaté, o respeito pelos ensinamentos do seu mentor aparenta ser um valor transversal nesta arte marcial. E ele tenta passar essa cultura para os seus discípulos.

“Comecei com o Sensei Cláudio Dias, na freguesia dos Biscoitos, em 1997. Na altura quis experimentar por causa dos filmes, adorava os do Van Damme e queria fazer o mesmo”, recorda, em tom de brincadeira, acrescentando que desde então quase não parou. “Treinei sem interrupções, sem falhas, até o meu filho nascer”, diz.

O jovem de 30 anos de idade, natural da freguesia das Quatro Ribeiras, define o Karaté como “uma arte marcial”. E explica: “Marcial porque diz respeito ao combate, tem de ser eficaz em situação real. Arte, porque diz respeito à técnica, à disciplina, à filosofia, à aprendizagem ao longo da vida, à história, à cultura e à sua transmissão intergeracional”.

De acordo com o Sensei terceirense, o Karaté-do ou, por outras palavras, “via das mãos vazias”, “não é um desporto, um jogo. É uma filosofia de vida, um caminho que decidimos percorrer e que nos ajuda física e mentalmente a sermos pessoas melhores. Um modo de ser e um modo de estar que pode desenvolver outras qualidades (como o carácter, o equilíbrio interno, a concentração, a disciplina, a humildade, o respeito, a coragem e a inteligência), isto sim é o Karaté para mim”, afirma.

 

 

“DEDICAÇÃO INTERIOR”

 

A CAFPV nasceu em novembro de 2011, pertence à Associação Açoreana de Karaté-Do e Disciplinas Associadas (AAKDA), e, atualmente, conta com 15 alunos inscritos.

“No fundo, fazemos parte de uma grande família de Karaté em conjunto com o Karate Shotokan da Ilha Terceira e o Este Karaté Clube. Tentamos conciliar os nossos estágios, competições e os meus alunos podem treinar lá como os deles cá”, contextualiza Nelson Felicidade.

A propósito da dificuldade em orientar uma escola de Karaté, o Sensei é peremptório: “Não. Dá muito trabalho, eu não tenho lucro, mas a dedicação vem de dentro”.

Explica que a cor dos cinturões no Karaté “significa a evolução do aluno” e dá nota positiva às condições do Pavilhão das Artes Marciais para os treinos cujo espaço foi disponibilizado pela Câmara Municipal da Praia da Vitória.

“A linha que eu aprendi é a de que de 6 em 6 meses se sobe de cinto (branco, amarelo, laranja, verde, azul e vermelho) até ao castanho. Do castanho ao cinturão preto já é mais difícil. No mínimo treinamos um ano sem falhas e somos submetidos a um exame”, salienta.

Os treinos têm lugar às terças e quintas, das 19h00 às 20h30, e estão abertos a todos os interessados a partir de 5 anos de idade.

“O nosso método de treino permite que a família inteira treine em conjunto”, avança o Sensei.

Questionado sobre a atual proliferação de muitos desportos de combate, Nelson Felicidade concorda mas adverte: “Sim, mas o Karaté não é um desporto de combate, é uma arte marcial. A nossa luta é interior”, remata.

 

************** caixa *********************

KARATÉ

 

Karaté-Do (“via das mãos vazias”) nasce na Ilha de Okinawa, situada a sul do Japão e deriva da arte marcial “TE” (séc. XIV). No entanto, a designação Karaté surge no Séc. XX, por intermédio do Mestre Gichin Funakoshi, o “pai do Karaté moderno”, e fundador do estilo Shotokan (1927).

Em 1921, o fundador do Karaté Shotokan impressionou o Príncipe herdeiro do Império Japonês – Hirohito, numa demonstração em Okinawa, quando este fez escala depois duma viagem pela Europa. Impressionado pela arte marcial convida o Mestre Funakoshi para fazer uma demonstração em Tóquio, numa Exibição Atlética Nacional. A demonstração foi em Kata e impressionou os presentes.

O Sensei dedicou toda a sua vida a propagar o Karaté.

Faleceu em abril de 1957 e no túmulo onde jaz estão as palavras “Karate Ni Sente Nashi” (No Karaté não há atitude ofensiva).

 

Texto/ Luís Vieira Leal | luisvleal@gmail.com

Foto/ João Barcelos