Jornal da Praia

PUB

Sobre a cultura da modalidade: ASSOCIAÇÃO DE SURF DA TERCEIRA AVANÇA COM PROJETO DE FORMAÇÃO

Quinta, 27 de Fevereiro de 2014 em Entrevista 1542 visualizações Partilhar

Sobre a cultura da modalidade: ASSOCIAÇÃO DE SURF DA TERCEIRA AVANÇA COM PROJETO DE FORMAÇÃO

A Associação de Surf da Terceira (AST), federada na FPS, ganhou outro fôlego o ano passado, com a eleição da nova equipa liderada por André Avelar, e, por isso, os praticantes de surf e bodyboard preparam-se agora para dar forma às linhas orientadoras desse grupo fundado em 2009.

Formação desportiva e promoção e cidadania ambiental são os objetivos principais de um plano de atividades que pretende ser uma “nova onda” na ilha Terceira.

Enquanto o primeiro projeto passa pela criação de uma escola, o segundo visa a implementação de estratégias e ações que possibilitem incrementar comportamentos mais corretos e respeitosos para com a Natureza.

“O projeto da Escola que falamos para a prática de surf e bodyboard está desprovido do aspeto comercial. O nosso objetivo é a formação dos atletas, dar a conhecer e a experimentar as modalidades a todos os interessados, sem esquecer os jovens com menos recursos financeiros, no sentido de desenvolver uma cultura que é muito mais do que agarrar uma prancha”, explica André Avelar, à conversa com o Jornal da Praia, referindo que se trata de uma ambição com futuro na ilha Terceira. “Verifica-se a procura por parte de muitos jovens”, adianta.

Na prática, as aulas serão lecionadas, conforme a faixa etária dos atletas, por monitores locais devidamente habilitados para o exercício das suas funções, e, por norma, as turmas terão um número limitado de inscritos.

Segundo o responsável pela AST, a segurança dentro de água é fundamental para todos, sendo, aliás, uma das temáticas de estudo, a par de noções básicas de Meteorologia, Hidrografia e Oceanografia, Primeiros Socorros, educação Ambiental com enfoque nas orlas costeiras e fomento ao cooperativismo e associativismo.

As ações formativas são extensivas aos sócios da AST, sendo que em breve terão início os cursos de apneia e Primeiros Socorros.

“A escola pretende oferecer uma base cultural abrangente e necessária para quem quer ter contacto próximo com o mundo do surf e do bodyboard. Tem de haver preparação por duas questões: por respeito ao mar e por respeito aos colegas. O mar dos Açores não é para brincadeiras, pois a sua formação rochosa potencia recifes excelentes mas perigosos. Um susto ou uma falta de respeito pode provocar um acidente”, adverte André Avelar.

 

NOVA SEDE E TURISMO DIFERENCIADO

 

O Jardim dos Corte-Reais, em Angra do Heroísmo, vai acolher a sede da AST numa das suas lojas, já no final do corrente mês, mediante um protocolo estabelecido entre a associação e a Câmara Municipal de Angra do Heroísmo.

A sede localiza-se perto da Prainha, uma das zonas integradas num projeto de construção de pequenos balneários juntos à orla costeira para dar apoio logístico aos alunos da futura escolinha de surf e bodyboard. Riviera, Contendas, Terreiro de São Mateus, Santa Catarina e Porto Martins são outros dos spots indicados nesse projeto.

A AST tem previsto ainda projetos na área da fotografia e do vídeo, nomeadamente duas exposições, um Festival amador de Cinema de Surf e Bodyboard, intitulado “Man-o-War”, que terá prémios monetários, e a produção de um documentário sobre os primórdios do surf nos Açores, que, de momento, encontra-se em fase de pesquisa e escrita do guião.

Questionado sobre a promoção turística do surf, André Avelar considera que a ilha Terceira não tem consistência de ondas que permita a afluência das massas para a prática da modalidade. Porém, justifica, a Terceira reúne todas as condições para acolher os surfistas com experiência.

“Lançarmos uma promoção turística do surf destinada às massas seria oferecermos algo que não temos”, considera o presidente da AST.

 

AÇÕES DE LIMPEZA

 

No passado dia 15 de fevereiro, a AST levou a cabo uma ação de limpeza na orla costeira de Santa Catarina, no Cabo da Praia, que reuniu cerca de duas dezenas de participantes.

A iniciativa da recolha do lixo resultou de uma parceria entre a AST, a Praia Ambiente da autarquia praiense e a Junta de Freguesia do Cabo da Praia, no sentido de envolver toda a comunidade.

“Instalámos um caixote do lixo no local. Em breve será um espaço isolado, com acesso vedado para evitar o depósito de entulhos”, avança André Avelar.

Outras ações ambientais serão realizadas nas Contendas e no Terreiro de São Mateus, com o mesmo propósito, em parceria com a autarquia de Angra.

 

Texto/ Sónia Bettencourt

Fotos/ Paulo Gomes, Paulo Melo e Marta Cabeceiras