Jornal da Praia

PUB

Padre Joaquim Esteves Lourenço Nos 20 anos da sua morte

Segunda, 24 de Fevereiro de 2014 em Opinião 1450 visualizações Partilhar

Padre Joaquim Esteves Lourenço Nos 20 anos da sua morte

O Pe. Joaquim, como era vulgarmente conhecido, era um homem culto, influente, meticuloso e dedicado que, com grande proficiência, paroquiou, durante 17 férteis anos, em S. Sebastião, então com 3 mil habitantes, em prol da Fé, da Pátria e do engrandecimento da antiga e histórica Vila.

Entre as várias dezenas de padres, ele foi o 9º. que mais tempo ficou na Vila e um dos 3 que aí mais marcaram a vida religiosa, cultural e social. As maiores obras sebastianenses têm a sua marca, como o restauro da Matriz, com a descoberta dos seus famosos frescos murais; a construção do Novo Cemitério do Bom Fim; obras de embelezamento da Praça; a barragem de retenção das águas para acionar os sete moinhos do Arrabalde; reabilitação de arruamentos quase intransitáveis etc., tendo um especial carinho na preservação do património histórico, como a Ermida da Senhora da Graça, de grande valor simbólico, à qual dedicou um soneto e dois brilhantes artigos em 1943, ano em que foram sediadas, na Vila, duas companhias do exército.

Como figura benquista do salazarismo e bem relacionado com o escol intelectual da Terceira, foi-lhe fácil conseguir apoios para os seus projectos. O seu pendor para os estudos históricos e intervenção social deram ao Pe. Esteves um assinalável prestígio, após a criação do Instituto Histórico da Ilha Terceira, de que foi fundador com mais 19 proeminentes figuras.

Com a vinda dos militares, procurou integrá-los no meio local, criando uma capela, que com os seus cânticos não só daria frutos no domínio social e moral, mas seria uma forma de ocupar o espírito em tempos difíceis de guerra mundial. A imprensa coeva refere-se à invulgar Festa ao Padroeiro da Vila, por sinal um santo-soldado. Um facto inédito que suscitou as maiores felicitações e elogios endereçados ao Pároco pelos oficiais e praças, devido ao esplendor artístico atingido. Para esse êxito também terá contribuído o sermão do Dr. Couto, conhecido como o Vieira da diocese de Angra, que havia marcado a formação moral, intelectual e artística de J.E.. Eram ambos naturais da mesma freguesia---Altares. Ele fora seu professor de Filosofia, tido como genial pensador e orador distinto. Grande jornalista na defesa das suas convicções e acérrimo causídico dos interesses da ilha natal que ele amava fervorosamente. A sua morte foi muito sentida. A União presta-lhe Homenagem Dorida e faz uma edição inteiramente dedicada ao insigne docente, apresentando nove depoentes que tecem os maiores encómios ao seu diretor de vários anos.

 

Texto e Foto/ António Neves Leal | antnio.leal@gmail.com