Jornal da Praia

PUB

Afirma Rui Castro, presidente da Junta: A FREGUESIA DAS QUATRO RIBEIRAS É NECESSÁRIA

Domingo, 16 de Fevereiro de 2014 em Entrevista 2546 visualizações Partilhar

Afirma Rui Castro, presidente da Junta: A FREGUESIA DAS QUATRO RIBEIRAS É NECESSÁRIA

Rui Castro marca o seu terceiro mandato como presidente da Junta de Freguesia das Quatro Ribeiras, no concelho da Praia da Vitória, depois de uma eleição de lista única.

No seu entender, a falta de oposição fere a democracia e o trabalho em prol do bem comum.

Para já, os projetos passam pela concretização de obras em curso, como a da Casa Mortuária, e o lançamento de outras como a do Parque de Estacionamento afeto à Sociedade Recreativa Santa Beatriz.

Mais difícil, avança o autarca local, será contrariar os números altos da população envelhecida.

Jornal da Praia (JP) - A freguesia das Quatro Ribeiras teve uma lista única, do Partido Socialista, a concorrer às últimas eleições de 29 de Setembro de 2013, facto que ocorreu pela primeira vez na ilha Terceira. O que terá motivado a ausência de uma lista alternativa, da oposição?

Rui Castro (RC) – São várias as perspectivas e diversas as razões para que isso tenha acontecido.

Por um lado, verifica-se o desinteresse das pessoas pela causa pública e pela actividade política, consequência de um comodismo que as leva a manter-se nas suas casas e, portanto, afastadas do meio social. Por outro lado, quem foi contactado para formar as listas da oposição aqui nas Quatro Ribeiras, não foi devidamente apoiado pelas cúpulas do seu Partido. Conheço essas pessoas que tentaram formar listas e foram colocadas ao abandono, porque investem nas listas de assembleias e de câmaras municipais e desprezam um pouco o poder local a nível de freguesia. Tentaram e não conseguiram. Penso que não tiveram o devido apoio.

Por outro lado ainda, penso que as pessoas também olharam para o trabalho desenvolvido no decorrer dos últimos dois mandatos, o que, acredito, contribuiu para a sua escolha. Ao dizer isto sou a voz de várias pessoas que sei que não se identificam com o PS, mas que se identificam com o projecto que estamos a desenvolver.

Somos a mesma equipa desde o início da nossa atividade na Junta de Freguesia e temos um princípio que é “a nossa campanha termina no dia das eleições”. Assim, o dia seguinte marca o arranque do trabalho orientado para toda a gente, independentemente da sua cor política e da sua ideologia. A freguesia é de todos e é essa a nossa postura.

O facto de não termos tido oposição deixou-me muito desagradado. Cometemos erros ao longo do ano, há coisas que não conseguimos fazer e somos naturalmente alvos de críticas. Mas quando chega a hora da verdade, de apresentação de um projecto alternativo, que possa ser base de novas ideias para complementar as nossas, não temos. Temos sim o nosso que já é bastante ambicioso, mas é sempre bom termos projectos alternativos.

No meio de isto tudo, desagradou-me e entristeceu-me bastante ouvir a líder concelhia do PSD dizer no dia da apresentação das listas da oposição, que era preocupante a freguesia das Quatro Ribeiras não ter oposição.

Aproveito a oportunidade para salientar que os documentos que a Junta apresentou à Assembleia de Freguesia, desde 2005, foram todos aprovados por unanimidade. Porque nós debatemos ideias e damos conhecimento de tudo o que se passa. E as pessoas das Quatro Ribeiras já interiorizaram que nós estamos aqui para trabalhar para bem comum.

 

JP - Sentiu ainda mais responsabilidade como candidato único à Junta de Freguesia?

RC- Senti mais responsabilidade, sim. Porque a nossa eleição poderia ter sido um fracasso. Isto é, as pessoas, mesmo aquelas que se identificam com o Partido Socialista, simplesmente não queria exercer o seu direito de voto, alegando que já havíamos ganho. Como a nossa lista ganhava só e apenas com os nossos votos, não queriam dirigir-se às urnas. Então sermos eleitos com uma dúzia de votos desagradava-me profundamente, porque a abstenção seria muito alta. Mas isso não se verificou.

A nossa campanha não foi muito acesa porque não tivemos oposição, mas tivemos uma boa votação de 76.8 de percentagem. Já a abstenção na nossa freguesia foi semelhante aos outros lugares do concelho, sendo que a votação esteve em linha com as outras das eleições anteriores.

Ficámos satisfeitos e isso ainda valorizou mais o nosso trabalho. Mas, claro, existiu e existe um maior sentido de responsabilidade em apresentar um projecto que englobe inclusive os anseios das outras listas.

 

JP- Neste sentido, quais são as prioridades para este mandato?

RC- A prioridade para os próximos quatro anos é dar seguimento ao trabalho realizado ao longo dos primeiros dois mandatos. Nós desenvolvemos um plano de actividades plurianual e de investimentos além mandato, isto é, começámos a trabalhar em 2005 na angariação de terrenos para a construção da Casa Mortuária e do Parque de estacionamento junto à Sociedade Recreativa das Quatro Ribeiras.

Esperamos que este seja o mandato da concretização de várias construções que estão em curso desde os mandatos anteriores. Falo na conclusão da construção da Casa Mortuária e no arranque dos arranjos exteriores ao mesmo edifício. Estes são dois projetos distintos. Como a Casa Mortuária fica próxima da Sociedade Recreativa de Santa Beatriz, o Parque de estacionamento será comum a ambas.

Também vamos lançar agora o concurso público para a construção da zona de lazer do Miradouro da Canada dos Sousa, em parceria com a Grater, que está avaliado em cerca de 60 mil euros. Este novo empreendimento, que vai enriquecer o Miradouro, engloba um telheiro com 100m2, forno, grelhadores, mesas e bancos, bem como um Parque infantil que corresponderá aos critérios de funcionamento e segurança conforme as normas da União Europeia.

São essas três obras que ansiamos concluir no presente mandato, e penso que estão reunidas todas as condições para a sua concretização.

 

 

JP- E em relação ao Caminho Velho e a sua obra de requalificação?

RC- O Caminho Velho, uma via com mais ou menos 800 metros de asfaltagem, é um caso complicado de gerir devido a algumas derrocadas que ocorreram no ano passado. É uma rua que não tem saída. Foi minimamente arranjado e já tem projecto de abertura de uma passagem para a estrada regional, com entrada e saída, devidamente asfaltada e com valetas.

Eu e o presidente da Câmara da Praia, o Dr. Roberto Monteiro, assumimos o compromisso com a população de requalificar essa via no mandato passado. A verdade é que isso não aconteceu, mas demos a cara e explicámos às pessoas porque não o foi. O mau tempo provocou estragos na zona balnear, pontes e ribeiras, e tivemos de estabelecer prioridades.

O projecto do Caminho Velho é para realizar neste mandato que agora iniciámos. Há pouco tempo foi revisto, junto com o vereador Osório Silva, e detetámos uma falha importante que já foi rectificada.

Compreendo o descontentamento da população na demora da requalificação dessa rua, mas hoje reúne melhores condições do que há anos aquando da nossa chegada à Junta.

Essa matéria é urgente e vai ser resolvida.

 

 

JP- Considerando os projectos e as ideias em mente, quatro anos serão suficientes para colocar tudo em prática?

RC- O plano ou manifesto eleitoral de uma Junta de freguesia que anuncie muitas iniciativas deixa qualquer pessoa reticente. Afinal, só é possível concretizar algo mediante a cooperação entre a Junta, a Câmara Municipal e o Governo Regional dos Açores, porque as Juntas de freguesia estão sem meios financeiros para investir e desenvolver o que quer que seja a título individual.

Nós temos uma verba anual de cerca de 23 mil euros, sendo antes de 27 mil. Há hoje uma diferença de 4 mil euros. Os custos de manutenção e as despesas são as mesmas ou superiores, mas os meios disponíveis são menores.

As equipas das Juntas têm de ter a capacidade de elaborar projecto credíveis que possam garantir a rentabilidade e a necessidade desses projetos às Câmaras e ao Governo.

A verdade é que está fora de questão reservar verbas do orçamento da Junta para concretizar determinados projectos. Era impossível à Junta das Quatro Ribeiras, por exemplo, adquirir terrenos e construir uma Casa Mortuária somente com verbas próprias.

 

 

JP- Como vê as Quatro Ribeiras no contexto municipal?

RC- As Quatro Ribeiras é uma freguesia necessária porque nós estamos muito longe dos centros de decisão, desde câmaras a secretarias regionais.

Cada vez mais esta freguesia necessita de quem trabalhe e ajude a localidade e os seus residentes. Temos cada vez mais uma população envelhecida que precisa de auxílio para a realização de pequenas coisas no seu dia-a-dia. Refiro-me a uma receita de farmácia, a uma notificação da autoridade tributária. Felizmente confiam em nós para prestarmos esse apoio.

Ao nível do Município em geral, todos sabem que os cêntimos investidos na freguesia das Quatro Ribeiras são bem empregues. Nós temos por princípio só pedir ajuda para o que é realmente necessário e que não podemos alcançar sozinhos. São projectos credíveis e fundamentais.

Acredito que a autarquia nos veja também como um parceiro.

 

JP- Falou no envelhecimento da população local. Será possível inverter este quadro e motivar as camadas mais jovens a fixar residência nas Quatro Ribeiras?

RC- Não tenho dúvidas que, neste momento, os jovens dirigem-se para onde há emprego. Não vão propriamente para a cidade de Angra ou Praia, mas para onde possam lutar pelos seus interesses e ideais; para onde há mais oportunidades de trabalho e de fazer carreira profissional. Isto está a criar novamente uma vaga de emigração.

Portanto, não prevejo a fixação dos jovens aqui sem a existência de micro empresas nos meios rurais. Vamos é a assistir a um êxodo ainda mais acentuado nas freguesias rurais, com saída sobretudo para o estrangeiro.

 

JP- As Quatro Ribeiras, devido à sua pequena dimensão, poderá estar a sentir mais intensamente esse desaparecimento gradual dos jovens?

RC- A percepção é maior devido ao nosso tamanho. Contamos atualmente com 400 habitantes. Conhecemo-nos todos e, por isso, notamos mais a falta de 10 ou 20, o que não aconteceria se estivéssemos a falar de uma grande localidade. Não se trata portanto de um problema desta freguesia, mas sim das freguesias, quiçá da ilha.

JP - Neste sentido há que falar em associativismo. Aliás, o apoio ao associativismo é um dos pilares da política desenvolvida pelo Município praiense junto das zonas rurais. Qual o ponto de situação nesta localidade, tendo em conta o predomínio da população mais idosa?

RC- Neste momento o associativismo está reduzido ao Centro de Idosos. O agrupamento de escuteiros, por exemplo, encerrou a sua atividade por falta de jovens, e os grupos desportivos não existem.

A Junta de Freguesia tem reunido esforços para a realização de cursos de violão e de bandolim, no sentido de entusiasmar os mais novos. E está a dar os seus frutos.

A nossa Sociedade Recreativa está aberta a acolher eventos, sobretudo na época de Carnaval.

JP- A zona balnear das Quatro Ribeiras foi considerada como Sítio de Interesse Comunitário. Como se pode apostar mais na vertente turística?

RC- Toda a baía das Quatro Ribeiras é classificada pelas suas particularidades, bem como a Igreja de Santa Beatriz. Esta é, aliás, a mais antiga da ilha Terceira.

A freguesia dispõe também de duas casas de turismo rural, popularmente conhecidas como Casas do Magina, que são uma referência nesta zona.

Penso que havendo articulação entre agentes turísticos e esse género de albergue, a par de quem promove atividades desportivas que estão a ter muita expressão por aqui, poderia resultar um trabalho deveras interessante.

Refiro-me ao canyoning. Trata-se de uma atividade que tem trazido muita gente cá. Temos parceria com uma entidade responsável por esse desporto, devidamente reconhecida e credenciada, que promove a prática da descida nas ribeiras, sobretudo na Ribeira Grande, e nas rochas viradas para o mar, através de diversas técnicas e equipamentos.

 

****************   CAIXA *****************

QUATRO RIBEIRAS

 

As Quatro Ribeiras é uma freguesia do concelho da Praia da Vitória, com 13,09 km² de área e cerca de 400 habitantes, segundo os censos de 2011.

Localiza-se a Norte da ilha Terceira e situa-se sobre uma alta rocha à beira-mar.

O seu nome advém do facto de ser atravessada por quatro ribeiras, a saber: Ribeira Grande, Ribeira Pequena, Ribeira Seca e Ribeira do Almeida.

O seu orago é Santa Beatriz.

 

Texto e Foto/ Sónia Bettencourt