Jornal da Praia

PUB

Editorial - F16

Sexta, 14 de Fevereiro de 2014 em Editorial 1180 visualizações Partilhar

Editorial - F16

A compra dos F-16, pela Roménia tem gerado grandes dúvidas?

Os deputados do PSD na Assembleia da Republica pela Região Autónoma dos Açores interrogaram o Ministro da Defesa acerca das contrapartidas para a Região Autónoma provenientes da venda dos F-16 pelo Governo Português à Roménia.

Os deputados: Mota Amaral, Joaquim Ponte e Lídia Bulcão questionaram o Ministro da Defesa, Aguiar Branco no intuito de se saber quais os proveitos para os Açores com a venda dos F-16 da Força Aérea Portuguesa, e tudo indicia que foram adquiridos pelo Estado Português como contrapartidas das facilidades militares de acesso à Base das Lajes na Ilha Terceira, por parte do Estado Português aos Estados Unidos da América do Norte, pois no Acordo Luso-Americano “incluem sempre menção expressa a contrapartidas de natureza militar”.

O Governo Português, as Forças Armadas Nacionais, têm beneficiado abundantemente à sombra da Base das Lajes de ricas contrapartidas dos americanos, nomeadamente em material militar, uma mais-valia que jamais pode ser ignorada, e a Região Autónoma dos Açores, a Ilha Terceira e o concelho da Praia da Vitória ficam inúmeras vezes arredadas de tais benefícios, não beneficiando em nada pela utilização americana da Base das Lajes devida à sua posição estratégico-militar.

O Governo Português muitas vezes ignora os legítimos direitos e interesses Açorianos nesta delicada questão actuando de forma centralistas, desprezando princípios consagrados na Constituição e no Estatuto Politico e Administrativo da nossa Região.

Este centralismo colonialista e egoísta em nada beneficiam os Açores, e sem dúvida alguma o Governo Português fará um encaixe financeiro de 181 milhões de euros na venda dos F-16, quando a Constituição prevê “dividendos em negociações internacionais que involvam o território da região…”

Lamentamos, uma vez mais a atitude do Governo da República em explorar de forma vilipendiar a Região Autónoma dos Açores, não lhe dando prontamente o que é justo.

diretor, Sebastião Lima