Jornal da Praia

PUB

OS ÁRBITROS TAMBÉM SÃO HUMANOS

Quinta, 10 de Maio de 2007 em Atualidade 966 visualizações Partilhar

OS ÁRBITROS TAMBÉM SÃO HUMANOS

Jornal da Praia – Quais as razões que o levaram a enveredar pela carreira da arbitragem?

Devido ao facto de, desde muito jovem, estar ligado ao mundo do futebol, primeiro como jogador, depois como dirigente, a Arbitragem foi sempre um aspecto interessante para mim, não só para tentar perceber a forma como os Árbitros, com maior ou menor dificuldade, tentavam dirigir os jogos, como também me fascinava aprender as leis do jogo para poder perceber o como fazer com que os jogos pudessem ser o mais justo possíveis.

Posto isto, e embora fosse um sonho um dia ser Árbitro, antes de enveredar pela carreira da Arbitragem estive como jogador e Jogador/dirigente durante 7 anos na equipa da Inatel da Casa do Povo da Vila Nova, onde me ajudou a perceber que realmente o futebol e principalmente a Arbitragem precisava de gente séria, com gosto e empenhada em por um lado ajudar a Arbitragem e por outro ajudar o futebol em si. Foi com este pensamento que decidi em 2004 tirar o curso de Árbitro de Futebol 11, e poucos meses depois o curso de Árbitro de Futsal, ambos na Associação de Futebol de Angra do Heroísmo.

Jornal da Praia –Como decorreu o seu primeiro jogo como arbitro?

Foi um jogo de Júnioes D (Infantis) entre o S. C. Praiense e o S. C. Angrense, em que arbitrava sozinho e embora estivesse um bocado nervoso, são jogos normalmente fáceis em que não costuma haver problemas. No entanto, devido a haver vários escalões em termos de equipas, todos eles por si só funcionavam pela primeira vez como o nosso primeiro jogo.

Jornal da Praia –Qual a ideia que faz da profissionalização dos árbitros?

Sou totalmente de acordo a nível nacional (I e II Liga) da profissionalização dos Árbitros. Isto porque dava a oportunidade dos Árbitros, sendo profissionais, ter uma maior disponibilidade para se enriquecerem tanto a nível teórico como a nível prático. Em termos de organização, era uma possibilidade (com as pessoas certas) para quem fosse responsável pelos Árbitros ter uma margem de manobra muito maior para poder escolher entre os melhores, pois é um facto, principalmente para quem conhece um pouco dos meandros da Arbitragem, que mesmo hoje em dia para se chegar ao topo não basta ser bom, é necessário ter umas boas "costas", e isso penso que poderia ser ultrapassado com a profissionalização dos Árbitros.

A entrevista pode ser lida na íntegra na edição impressa do dia 15/Maio/2007