Jornal da Praia

PUB

Restaurador de Móveis na Vila Nova: FABRICO DE PRANCHAS DE SURF TRAZ NOVA DINÂMICA PROFISSIONAL

Segunda, 10 de Fevereiro de 2014 em Entrevista 1967 visualizações Partilhar

Restaurador de Móveis na Vila Nova: FABRICO DE PRANCHAS DE SURF TRAZ NOVA DINÂMICA PROFISSIONAL

Será a porventura a primeira prancha de surf do género criada nos Açores. A ecoboard tem a assinatura de Luciano Correia, restaurador de profissão na Vila Nova, e tomou forma a partir de um desafio lançado pelo surfista Fábio Oliveira.

A nova prancha de surf, que passou no teste nas águas do mar da Riviera, na Praia da Vitória, no início do mês de fevereiro, é feita de madeira oca, mede 6’4’’ e pesa 7kgs.

 

Um restaurador de móveis e um surfista reuniram-se na Vila Nova, concelho da Praia da Vitória, em busca do desenho perfeito para a criação de uma prancha de surf em madeira oca. O desafio estava lançado para Luciano Correia e Fábio Oliveira, sendo que o primeiro pouco conhecia dessa modalidade praticada nas ondas do mar.

“Trabalhámos em conjunto. Eu não tinha conhecimento da constituição de uma prancha de surf e o Fábio não dominava a questão das madeiras”, conta Luciano Correia, restaurador de móveis há mais de uma década, à conversa com o Jornal da Praia, referindo as características da nova ecoboard. “É o modelo de prancha mais comum, 6’4, feito em madeira pinho-de-flandres e quilhas em platex. O factor peso é importante. A prancha pesa 7kgs”, explica.

O mar da Riviera, na Praia da Vitória, foi o local escolhido para marcar a estreia da prancha de surf fabricada na Vila Nova, no dia 1 de fevereiro.

Luciano Correia fez questão de acompanhar a primeira surfada de Fábio Oliveira com a nova prancha.

“Como surfista não posso dizer nada. Mas o Fábio saiu da água com um sorriso de orelha a orelha. Quanto a mim, a minha preocupação era que a prancha saísse da água inteira, sem quilhas partidas, sem riscos, e que tivesse proporcionado ao surfista um bom desempenho”, diz.

 

PRODUTO “VERSÁTIL”

 

Considerando que a prancha de surf só foi à água uma vez e que o seu sucesso depende da adaptação do seu praticante, neste caso Fábio Oliveira, até então habituado às pranchas de espuma, o restaurador avança que, embora artesanal, a peça “é versátil para a troca de quilhas e dar novas performances”, caso o entenda.

Questionado sobre a aposta na fabricação de pranchas de surf, à laia de shaper, a perspetiva mostra-se positiva e, aliás, diz Luciano Correia, o desafio em questão trouxe uma nova dinâmica à sua atividade profissional.

“Tenho uma outra prancha em andamento. É diferente dessa primeira que fabriquei, mais curta, e terá menos peso, sendo que os pormenores só agora estão a nascer. São pranchas personalizadas. O surfista tem uma ideia e, depois, conforme as possibilidades técnicas de cada uma das partes, traçamos o desenho para dar forma à peça”, precisa.

Luciano Correia costuma receber na sua oficina todo o tipo de peças de madeira para trabalho de restauro, nomeadamente cadeiras, arcas e mesas antigas.

Diz-se grande apreciador de Antiguidades, sendo parte da sua bagagem de conhecimentos adquirida aquando do seu exercício de funções no Museu de Angra.

“Criei e aprimorei um método próprio. O trabalho de restauração difere pouco de restaurador para restaurador, mas tenho o meu estilo pessoal e a minha maneira de o colocar em prática. Passados anos, as peças por mim restauradas encontram-se em condições e podem ser vistas”, remata Luciano Correia.

 

Texto/ Sónia Bettencourt | jornaldapraia@sapo.pt

Foto/ Fátima Correia