Jornal da Praia

PUB

António Pinheiro: Uma nota biográfica

Sábado, 08 de Fevereiro de 2014 em Opinião 1437 visualizações Partilhar

António Pinheiro: Uma nota biográfica

António Pinheiro nasceu em Montemor-o-Novo por volta do ano de 1550. Diogo Barbosa Machado refere na Bibliotheca Lusitana que Pinheiro terá estudado com o compositor espanhol Francisco Guerrero. Todavia, José Augusto Alegria contradiz esta afirmação levantando a hipótese de que Pinheiro teria estudado no colégio da Sé de Évora com o mestre da claustra Francisco Velez e o “Guerrero” a que se refere Barbosa Machado seria Vicente Guerreiro, reitor do dito colégio desde 1579, sobre o qual não existem quaisquer referências quanto a ter sido músico.

A 12 de Março de 1576, Pinheiro encontra-se em Vila Viçosa, sendo nesta data nomeado mestre de capela no Paço dos Duques de Bragança, sucedendo a Ginés de Morata. Pinheiro é o primeiro português de que há registo a ocupar o posto de mestre de capela no Paço Ducal. No livro de Mercês de D. Teodósio II existem registos de pagamentos regulares, a partir de 4 de Janeiro de 1584, que acresciam ao pagamento base de dez mil réis referente ao desempenho do cargo de mestre de capela. Em 1591 foi-lhe paga a quantia de seis mil réis adicionais pela composição de chançonetas para o Natal. Tal volta a acontecer nos anos de 1593 e 1601. Em 1605, o seu salário de dez mil réis é aumentado para vinte mil réis. É ainda aumentado em mais três mil reis em 1606 e quatro mil réis em 1609.

Apesar de haver menção a ter recebido pagamentos em Vila Viçosa em 1609, por uma nota no Livro dos Acordos de 1608 a 1611 do Cabido da Sé de Évora, datada de 4 de Outubro de 1608, sabe-se que António Pinheiro era por esse tempo mestre da claustra na Sé de Évora. A nota refere-se ao despedimento de Pinheiro dessas funções junto com o tangedor de baixão Miguel Bravo (este último retomou o cargo a 24 de Janeiro de 1509) sem, contudo, clarificar o motivo do despedimento. Pinheiro terá muito provavelmente substituído Filipe de Magalhães no cargo de mestre da claustra (uma vez que este último abandonou Évora por volta de 1605), ocupando este cargo algures entre 1606 e a data do seu despedimento, pois a 8 de Outubro de 1608 é nomeado mestre da claustra Domingos Martins. Pinheiro recorre da decisão do Cabido a 11 de Outubro, por intermédio do escrivão Fernão de Lemos, sem sucesso. O processo desenrolou-se ainda por Novembro de 1608 resumindo-se numa nota no Livro dos Acordos em que lhe é concedido o salário anual de quarenta mil réis e dois moios de trigo.

António Pinheiro terá regressado muito provavelmente ao posto de mestre de capela em Vila Viçosa no final de 1608 ou início de 1609 pois recebe nesse ano um pagamento adicional de quatro mil réis ao salário base referente ao desempenho desse cargo. Seguindo esta hipótese, Pinheiro ter-se-á mantido assim no cargo de mestre de capela do Paço Ducal até pelo menos 8 de Abril de 1616, data da nomeação do seu sucessor, o inglês Roberto Tornar. Terá ainda regressado a Évora após esta data, onde morreu a 19 de Junho de 1617.

Da obra musical de António Pinheiro, sobrevivem na Biblioteca do Palácio Ducal de Bragança em Vila Viçosa apenas cinco salmos, em que são colocados em polifonia os versos pares, seguindo a tradição do alternatim (alternância entre versos postos em polifonia e versos em cantochão). Destes, três encontram-se num livro de coro provavelmente copiado no início do século XVIII e dois num outro livro de coro, cuja cópia por Julião Ferreira da Crus data de 1735. Nestes salmos, como é usual em outras obras da época, o tom salmódico é atribuído a uma das vozes, desenvolvendo-se as outras a partir desta. A doxologia (Gloria Patri…) é geralmente breve e em ritmo ternário. Na biblioteca musical de D. João IV existe referência a outras obras de Pinheiro: Ave Regina caelorum e Inter natus mulierum para quatro vozes e Tollite jungum meum para cinco vozes, entretanto perdidas. Barbosa Machado faz também menção a um livro de Magnificat, também perdido.

 

Referências

ALEGRIA, José Augusto. História da capela e colégio dos Santos Reis de Vila Viçosa, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1983.

____. História da Escola de Música da Sé de Évora, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1973, pp. 64-66.

HENRIQUES, Luís. António Pinheiro: Lauda Jerusalem, polyphonia 28, Lisboa: Edições MPMP, 2014.

RYAN, Michael. “Pinheiro, António” www.oxfordmusiconline.com (Acesso 28-01-2014).

STEVENSON, Robert. Antologia de Polifonia Portuguesa (1490-1680), Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982, p. xv.

 

Texto/ Luís C. F. Henriques | www.luiscfhenriques.com