Jornal da Praia

PUB

Considera a presidente da Associação Recomeço: “Nenhum animal nasce perigoso”

Quarta, 29 de Janeiro de 2014 em Entrevista 2177 visualizações Partilhar

Considera a presidente da Associação Recomeço: “Nenhum animal nasce perigoso”

Em apenas seis meses desde o início da sua atividade, a Associação Recomeço contribuiu para a adoção de uma centena de animais de rua – cães e gatos - e 30 esterilizações na ilha Terceira.

O Jornal da Praia esteve à conversa com a presidente desse projeto defensor da causa animal, Andreia Maciel, que nos contou o processo desenvolvido com os animais desde o resgate até à entrega numa casa.

A equipa da Recomeço tem por base o programa CED - Capturar, Esterilizar e Devolver, e quer a sua consolidação a nível de ilha.

 

Jornal da Praia (JP) - A Associação Recomeço entrou oficialmente em atividade em julho de 2013. Que balanço faz destes seis meses de trabalho?

Andreia Maciel (AM) - O termo que usou é perfeito, foram mesmo seis meses de trabalho, muito trabalho. Orgulhamo-nos de num curto espaço de tempo termos acolhido, recuperado e ajudado mais de cem animais a encontrar um lar que o adotasse.

O esforço para tornar isso possível tem sido enorme. Acolher uma animal em FAT (Família de Acolhimento Temporário) é muito mais do que ter o animal num espaço, alimentá-lo e levá-lo ao veterinário. É também passar tempo de qualidade com este animal, é ajudá-lo a aprender coisas novas, desde andar á trela a conviver com pessoas e outros animais, é dar-lhe carinho e atenção para que recupere a confiança em si e nos outros. É por isso que as FAT são muito importantes neste processo, pois ajudam a recuperar física e emocionalmente os animais que acolhemos tornando-os prontos para adoção.

 

JP – A partir daí começa outra etapa…

AM- Começa a triagem, as indecisões e as tentativas. Às vezes vamos de uma ponta à outra da ilha mostrar um animal a uma família interessada em adotar. Tudo isso faz parte e ocupa-nos imenso tempo. Mas, falo por mim enquanto FAT e penso que posso falar por todas as outras FAT que nos ajudam, vale muito a pena. Ver a evolução de um animal enquanto está a nosso cargo é extremamente gratificante.

Temos paralelamente a parte da angariação, dos eventos, da divulgação, da sensibilização, bem como a burocracia inerente a um projeto deste género. Juntando tudo isso á vida pessoal de cada um de nós, permite-me fazer um balanço muito positivo do que conseguimos fazer até ao momento.

JP - Um dos objetivos da Recomeço é a esterilização de animais abandonados por forma a minimizar a sua propagação. Dizem-se, aliás, defensores do programa CED - Capturar, Esterilizar e Devolver. Quantos animais já foram alvo desse processo de várias etapas?

AM - O número de animais que vivem nas ruas, o número de denúncias de situações de negligência e maus tratos são tão altos que se torna urgente tomar medidas. Temos que tomar medidas com efeitos a médio-longo prazo, e, por isso, surge o que consideramos ser a única e verdadeira forma de resolvermos este problema: a esterilização.

Já esterilizámos mais de 30 animais. Como nos chegam pedidos urgentes de resgate, tratamento e acolhimento de alguns animais, acabamos por despender de algum dinheiro. Este gasto não nos permite ter um número mais alto no que toca a esterilizações … A Recomeço surgiu do zero e os primeiros meses foram de angariação, razão pela qual não nos foi possível começar logo a esterilizar os animais.

Quanto ao método CED, como disse e muito bem, é um processo de várias etapas. Nesta altura estamos ainda na primeira etapa, a burocracia é, sem dúvida, um método que defendemos pois acreditamos que é a única forma eficaz de controlar a população de animais errantes.

Para além dos animais que vivem pelas ruas temos também conhecimento da existência de algumas colónias de animais por toda a nossa ilha. Os terrenos baldios e as casas abandonadas são exemplos de locais os animais abandonados costumam procurar refúgio facilmente. Tornam-se num sítio dominado por uma colónia de animais, cães e/ou gatos. Na nossa ilha as colónias existentes são maioritariamente colónias de gatos.

O comportamento destes animais de colónias, depois da esterilização, passa a ser muito mais calmo; mais restrito ao espaço da colónia, para além de deixarem de contribuir para o crescimento da população. Em suma, a ação que pretendemos levar a cabo nestas colónias de animais não só melhora a qualidade de vida destes animais como resolve todas as questões de saúde pública que uma colónia descontrolada provoca. Por exemplo estes animais, ao serem tratados das patologias que possam ter aquando da sua captura, deixam de espalhar doenças infeto-contagiosas.

Sabe-se hoje que a captura e abate de colónias de gatos e/cães não é eficaz, levando apenas a que outros animais das redondezas (não esterilizados e não controlados) ocupem o espaço deixado livre pela colónia anterior e reproduzam até ao limite da capacidade do espaço (fenómeno conhecido como “efeito de vácuo”).

Uma colónia controlada é uma colónia saudável, silenciosa (visto que os gritos de acasalamento e lutas deixam de existir) e desempenha um papel importantíssimo no controle da população de roedores (no caso das colónias de gatos).

Por tudo isso, defendemos este método e estamos a trabalhar para que em breve possamos começar a praticar o CED na nossa ilha.

 

JP - Falando da adoção propriamente dita. As feiras e os outros eventos, que têm vindo a realizar ao longo desses meses, facilitam o encontro de um novo dono e de uma nova casa para os animais?

AM - Sem dúvida. Através da divulgação na nossa página de facebook e com a ajuda dos nossos seguidores que partilham diariamente as fotos destes animais, conseguimos encontrar donos para muitos deles. No entanto, a adoção é sempre a parte mais importante dos eventos que realizamos. E verificamos que as pessoas apaixonam-se mais facilmente quando conhecem os animais pessoalmente.

 

JP - Quais as iniciativas que provocaram mais impacte junto da população?

AM - As atividades ao ar livre, que possibilitam uma interação entre pessoas e animais, são sem dúvida as que movimentam mais gente.

Há pessoas que mostram vontade de ajudar e de se envolver mas sentem-se desmotivadas pelo facto de terem de pagar um bilhete de acesso a um evento.

Um passeio que permita estar ao ar livre e ajudar levando um dos animais que temos para adoção, é sempre mais convidativo; não implica custos e estabelece o contato entre as pessoas e os animais. Há igualmente a possibilidade das pessoas levarem os seus animais a passear e a interagir com os outros animais que temos para adoção.

JP- Como tem sido a envolvência da sociedade no vosso projeto de defesa animal?

AM - Ainda há muito a fazer na sensibilização das pessoas para a forma correta de tratar e lidar com os animais. Mas a verdade é que as mentalidades já mudaram bastante desde há uns anos até agora; as pessoas estão mais despertas para este tema, bem como para a necessidade urgente de tratar bem os animais, de denunciar maus-tratos e de agir.

Este projeto só é possível com a envolvência de toda a sociedade, a partir dos alertas, da divulgação dos animais que temos para adoção através de uma simples conversa com um amigo ou um familiar que está a pensar adotar um animal e é encaminhado para nós. Todas estas ajudas são enormes contributos para efetivamente fazer chegar ajuda aos animais que estão em sofrimento e arranjar lares para todos.

 

JP- Portanto, há vários tipos de ajuda…

 

AM - Temos tido felizmente imenso apoio da nossa sociedade e atingimos mais de 2100 seguidores na nossa página da rede social facebook (www.facebook.com/recomeco.pt). Temos pessoas que apoiam as nossas iniciativas participando, adquirindo alguns dos artigos solidários que vendemos ou ligando para o número solidário que criámos e que aproveito para divulgar: 760 20 70 50, com um elevado nível de adesão.

Pessoalmente, um dos eventos que mais gostei foi um evento que realizámos com os grupos motards da nossa ilha. Pudemos contar ainda com a animação musical de dois amigos, artistas locais, sempre prontos a colaborar connosco, falo do Luís Bettencourt e da Maria Bettencourt, ambos têm sido espetaculares.

Surgem apoios por parte de alguns dos norte-americanos na Base das Lajes, os quais ajudam-nos neste processo de acolher e reabilitar os animais que resgatamos, em especial a Dale Sutherland e todo o seu staff do canil da Base, bem como a Megan White e todas as ‘scout girls’. Há mais de um ano, ainda antes de ser fundada a Recomeço, já estas pessoas ajudavam-me com os animais que eu resgatava. Muitos deles acabaram mesmo por adotar e levar consigo alguns dos animais que, de início, estavam apenas a ajudar na qualidade de FAT.

Temos recebido donativos, quer em géneros, quer monetários, de particulares e de empresas locais. Estas também ajudam-nos tornando-se parceiras da Recomeço, dando a possibilidade de contrapartidas aos nossos sócios.

Os nossos municípios têm colaborado igualmente com os nossos projetos e iniciativas.

 

JP - Por vezes surgem notícias de situações de alegados ataques de cães, mortais ou não, a crianças ou aos seus próprios donos. A questão coloca-se de imediato: existem raças perigosas, tendencialmente perigosas, ou a educação e o ambiente onde vive o animal serão as causas primeiras de tais comportamentos?

AM - Acredito que nenhum animal nasce perigoso. A prova é que, há animais de raça dita “potencialmente perigosa” que são dóceis, que convivem com crianças, com adultos, com outros animais, e que conviveram uma vida inteira sem manifestar qualquer tipo de agressividade. Há outros que são animais menos sociáveis e que se podem mostrar agressivos.

Do meu ponto de vista, trata-se de uma questão de socialização, de treino e de companheirismo, pois estes três agentes juntos determinam fortemente o que o animal vai ser e como se irá portar.

Um facto muito importante é o de que muitas das raças ditas perigosas foram criadas pelo homem, têm origem em cruzamentos genéticos perigosos que podem dar origem a animais instáveis, os ditos cães “fabricados”.

JP - A defesa animal está por vezes associada ao vegetarianismo como estilo de vida e à posição contra a realização de touradas. Estaremos a falar nestes casos em um extremo da relação entre os animais racionais e os restantes, provavelmente de carácter romântico e antropomórfico?

 

AM - São várias as razões para se adotar uma dieta vegetariana, ou até mesmo vegan, entre as quais o respeito e amor pelos animais, podendo levar à defesa dos mesmos, nomeadamente dos touros. No entanto, nem todos os defensores dos animais e dos seus direitos são vegetarianos.

Os animais sentem, têm emoções e exprimem-se. Creio que todos nós o sabemos. Em alguma ocasião, assistimos ou fomos merecedores de manifestações de alegria por parte de algum animal, ou vimos no olhar de um animal uma tristeza imensa… Não se trata de lhes atribuirmos sentimentos humanos, trata-se de compreendê-los.

 

 

JP - Por outro lado, fala-se igualmente das capacidades terapêuticas que terão os animais, nomeadamente cães e cavalos, na sua relação com pessoas diagnosticadas com determinadas doenças, por exemplo o autismo. Isto quererá dizer que o animal não é apenas de companhia nem tem um fim meramente utilitarista?

 

AM - Para quem ama realmente os animais é nítido que os animais são muito mais do que de companhia, o que só por si já é gigantesco.

Pessoalmente, encaro como uma bênção a possibilidade de poder conviver com seres vivos tão nobres e verdadeiros como são os animais. Acho que os animais nos ensinam imenso, com a forma como aceitam os outros, com a paciência com que encaram a dor e a doença, e por estarem sempre prontos a dar uma segunda oportunidade mesmo a quem já lhes fez muito mal. Para mim, os animais são autênticas lições de vida.

A habilidade dos animais em dar atenção e não fazerem discriminação dá-lhe a faculdade de mediador único no aumento da auto-estima de uma pessoa doente. A aceitação de uma pessoa por parte do animal não passa por um julgamento e pelos complicados jogos psicológicos que os humanos possuem e isso permite-nos confiar completamente, convida-nos a mostrar realmente quem somos, sem medos ou reservas, e isso é terapêutico. Por tudo isso, são até capazes de nos ajudar a sair de estados tão profundos como o autismo e como a depressão que muitas das vezes toma conta dos mais idosos, por exemplo.

Tudo isso, associado a um terapeuta com conhecimento, experiência e criatividade pode sem dúvida ajudar qualquer ser humano a ultrapassar qualquer perturbação.

Temos inclusive promovido o convívio entre os animais e os utentes do programa SALTUS e de algumas associações da nossa ilha como a ACM e a APACDPV.

Não vejo os animais como ferramentas usadas contra esta ou aquela doença mas sim como companheiros sábios que nos dão algo de bom, em qualquer situação.

 

JP - Há falta de voluntários para ajudar na ação da Recomeço? Onde devem dirigir-se os interessados?

AM - As pessoas têm mostrado bastante disponíveis para fazer parte dos projetos que levamos a cabo e para participar nas nossas iniciativas. Temos um grupo de voluntários que nos tem acompanhado desde o início, mas quanto mais formos melhor.

Assim, os que tiverem vontade de nos ajudar serão bem-vindos e podem deixar uma mensagem privada na nossa página de facebook, com o seu nome, contato telefónico e endereço de e-mail.

 

Texto/ Sónia Bettencourt

Fotos/ Flávio Gonçalves