Jornal da Praia

PUB

Diz Maria Augusta Teixeira de 106 anos: “ARREPENDO-ME DE NÃO TER APRENDIDO A LER E A ESCREVER”

Sexta, 25 de Outubro de 2013 em Atualidade 1944 visualizações Partilhar

Diz Maria Augusta Teixeira de 106 anos:  “ARREPENDO-ME DE NÃO TER APRENDIDO A LER E A ESCREVER”

Nasceu no final do reinado de D. Carlos, passou pelas duas Guerras Mundiais, e tem vivido com familiares de quatro gerações diferentes – Maria Augusta Teixeira, natural da freguesia da Agualva mas a residir em Santa Luzia de Angra do Heroísmo desde a sua infância, completou 106 anos de idade no passado dia 19 de Outubro.

O Jornal da Praia esteve à conversa com provavelmente a única trisavó na ilha Terceira.

 

Saúde, autonomia e boa memória. Foi assim disposta que Maria Augusta Teixeira recebeu o Jornal da Praia na sua casa em Santa Luzia de Angra do Heroísmo, acompanhada por três das suas seis filhas, uma neta e seu marido.

No alto dos seus 106 anos de idade, Maria Augusta Teixeira soma sete filhos – o mais velho de 85 anos e a mais nova de 63 -, 30 netos, mais de 40 bisnetos e 13 trinetos. São números que ditam uma vida centenária recheada de histórias e de exemplos.

Assim, se costumava faltar à escola para ir brincar com outras crianças da sua idade, tudo fez para que os seus filhos marcassem presença assídua nas salas de aula.

“Fugia da escola para ir brincar com as meninas do Asilo, em São Bento. Arrependo-me de não ter aprendido a ler e a escrever. Trabalhei na fábrica de bordados na lavagem das peças em pias. E lavava roupa dos soldados do Castelo. Eram 51 soldados daqui e do continente”, recorda.

Quando nasceu dava-se o prenúncio da mudança de regime em Portugal, isto é, em 1907, D. Carlos caminhava para o final do seu reinado. Eram outros tempos e outras vontades, e Maria Augusta Teixeira já cá estava nesse mundo. Passou as duas Guerras Mundiais e terá visto entretanto cenas iguais com nomes diferentes.

Curiosamente, há muitos anos, conta, em cima da sua mesa havia para as refeições chicharros secos, conduto, pão de milho e açorda. Nos dias hoje, com base na conjuntura financeira que está a levar à contenção de custos das famílias portuguesas, essa mesma ementa característica de uma casa menos abastada pode ser considerada um luxo.

“Era o que a gente tinha”, prontifica.

 

AGUALVA, MEU AMOR

 

Maria Augusta Teixeira é natural da Agualva. Saiu da freguesia com apenas sete anos de idade mas o seu coração terá permanecido na Rua dos Moinhos. Gosta dos Bodos e da Procissão de Nossa Senhora de Guadalupe, popularmente conhecida por Senhora das Pêras - duas tradições culturais e religiosas daquela zona do concelho da Praia da Vitória.

“A minha mãe quis mudar-se para Angra porque o meu irmão foi para o Castelo. Estavam a recrutar soldados para a guerra. Assim, na cidade, ela ficava mais perto do filho”, conta.

Também elege os Biscoitos para lugar de passeio e visita. Mas nem só por espaços naturais brilham os seus olhos.

Costuma rezar o terço junto a um altar do Divino Espírito Santo na sala de estar da sua casa. Reza claramente e com todas as intenções, assim o dizem as suas filhas e a sua neta Amélia Freitas, que acompanham a nossa conversa dado à dificuldade do seu estado de audição.

Contudo, Maria Augusta Teixeira dispensa aparelho auditivo, bem como bengala e absorventes. Nos seus 106 anos de sabedoria, o que não dispensa são as novas tecnologias, sendo o skype o meio de comunicação utilizado para falar com os seus netos nos Estados Unidos da América.

O que poderia ser considerada uma barreira de acesso, pela negação ou pelo desconhecimento, revela-se então um elo de felicidade entre a máquina e a pessoa.

“À noite, ela [a sua neta] liga «aquela coisa» para a América”, remata Maria Augusta Teixeira.

 

Texto e Foto/ Sónia Bettencourt