Jornal da Praia

PUB

Crise Política

Sexta, 02 de Agosto de 2013 em Editorial 888 visualizações Partilhar

Crise Política

Infelizmente à grave crise económica e financeira, que se tornou numa tragédia nacional, juntou-se a recente crise política sem precedentes no Governo da República.

As trapalhadas e palhaçadas que temos assistido nestes últimos tempos provocadas pela demissão do Ministro das Finanças, Vitor Gaspar e nomeadamente a do Ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, o irrevogável, o “salta-pocinhas” em que o seu estado de alma sobrepõe-se vertiginosamente aos interesses do país e do partido, de forma egoísta ao invés do que falsamente pretende fazer querer, agudizou ainda mais a crise em que o nosso país se encontra mergulhado, e o Presidente da República, Cavaco Silva não tomou medidas drásticas para suprir a crise política, mas alimentou-a ao prolongar a vida ao governo apesar de remodelado encontra-se moribundo, contribuindo para a desacreditação pública dos políticos e da política.

As medidas de austeridade que continuam a sacrificar o povo não resolveram o problema da dívida e do deficit, e não se vislumbra luz ao fundo do túnel, para que possamos sair deste lamaçal que nos lançou num ciclo recessivo.

Não vinha mal nenhum ao mundo, se o Presidente da República tivesse convocado eleições para dar a palavra ao povo a fim de se pronunciar sobre novos programas de governação a implantar no país, porque o que é preciso é que as coisas melhorem, pois há alternativas às medidas de austeridade impostas pelo Governo de Coligação do PSD e do CDS, e caminhos substancialmente diferentes que combatem a miséria e o desemprego que se tornou numa chaga social.

Estamos fartos de experimentalismos económicos e financeiros, à luz de princípios desprovidos de humanismo em que o povo é tratado como se meros números fossem.

Com um governo ao persistir numa política que falhou redondamente em todos os campos, leva o povo a não confiar no governo, furtando-lhe a sua base de legitimidade, e a manter-se esta situação o povo continua sacrificado pelos pecados da governação.

“O que vai pela República nos sirva de exemplo, é o que se espera, embora sem grandes esperanças”, porque a solução adoptada pelo Presidente da República não foi a melhor, pois não contribui para qualquer possibilidade de inverter a política de austeridade.

 

Diretor/ Sebastião Lima

Foto/http://ecopoltico.blogspot.pt