Jornal da Praia

PUB

PERISCÓPIO: Luís Ferreira Machado Drumond - alguns dados biográficos

Segunda, 22 de Julho de 2013 em Opinião 1738 visualizações Partilhar

PERISCÓPIO: Luís Ferreira Machado Drumond - alguns dados biográficos

Tal como prometido, venho hoje referir algumas facetas da sua personalidade, utilizando para o efeito as informações fornecidas pelo seu filho nos cinco livros que tive o prazer e orgulho de desvendar, nos últimos meses.
Nascido na Vila de S. Sebastião, na Ilha Terceira, a 26 de março de 1905, descendente de antigas famílias locais, era trineto do autor dos “Anais da Ilha Terceira”, Francisco Ferreira Drumond, de quem herdara além de um acrisolado amor pela terra, o mesmo desejo intenso de investigar, com meticulosidade e escrúpulo, a história e as tradições, os usos e costumes da ilha que o viu nascer.
Dividiu o seu tempo entre a família, a vida militar, sobretudo na Base das Lajes, e a recolha e transmissão do folclore da sua e nossa  terra.
Entrou para o serviço militar como praça no Batalhão de Infantaria 17, em Angra do Heroísmo.
Casou a 12 de abril de 1928 com Lina Teresa de Jesus Cosme, natural da Povoação, na ilha de S. Miguel. Do seu casamento nasceram três filhos: Lina Remy Cosme Machado Drumond, Maria Luísa Cosme Machado Drumond e Luís Viriato Cosme Machado Drumond.
Dedicou grande parte da sua vida à recolha e compilação do Folclore Terceirense. A partir de 1951, o seu nome surge com frequência nos jornais da Terceira, estando muitos dos seus trabalhos dispersos também por revistas, almanaques e programas radiofónicos,  assinados quer com o seu nome quer sob o pseudónimo de “periscópio”. Pelo muito valor das suas pesquisas e trabalhos de campo que empreendeu por toda a ilha, é nomeado sócio efetivo do Instituto Histórico da Ilha Terceira e também pertenceu ao escol das personalidades que fundaram o Instituto Açoriano de Cultura (IAC).
Faleceu em Ponta Delgada a 14 de agosto de 1963 com o posto de Major do Quadro do Serviço Geral da Força Aérea, no Comando da Zona Aérea dos Açores na Base Aérea 4.
Tal como se passara com o seu trisavô, após o seu falecimento, grande parte do espólio do nosso aniversariante se perdeu, devido a vários fatores e dificuldades da viúva, o que não favoreceu a necessária atenção ao seu importante legado.
Luís Viriato Drumond, seu filho, a quem devo estes dados do seu curriculum, com um beneditino labor e enorme desvelo conseguiu realizar um meritório monumento à cultura do nosso povo e que não desmerece de muitas publicações feitas por profissionais. Felicito-o por isso, fazendo votos para que os 5 volumes da obra de Luís Ferreira Machado Drumond tenham, em breve, a merecida divulgação junto do grande público. Eles que constituem um magnífico manancial de tantas coisas engraçadas da nossa terra. Para mim, foi muito estimulante e aprazível a leitura enriquecedora que tive o ensejo de fruir nos últimos meses. Oxalá muitos outros interessados pelas nossas realidades possam vivenciar igualmente os agradáveis momentos que senti.



Texto e Foto/ António Neves Leal