Jornal da Praia

PUB

Taurinidade & Tauromaquia

Quarta, 03 de Julho de 2013 em Opinião 1402 visualizações Partilhar

Taurinidade & Tauromaquia

Vem isto a propósito dum artigo publicado no último volume da Festa da Ilha, junho 2013, intitulado “defender a tauromaquia com inteligência”. Considera o articulista que a utilização de “taurinidade” que a Freguesia da Agualva usou ao elevar a Taurinidade Agualvense a Património Imaterial, para assim a distinguir da Corrida, é pouco inteligente e traduz uma rejeição da Corrida.

Nasci na Terceira, já se vê por isso que sou inteiramente taurino, embora tenho que confessar: gosto mais do livro do que do toiro, gosto mais da Tourada à Corda da Terceira do que a Corrida de Praça, gosto mais da lide a cavalo do que da lide apeada. São gostos. Fora os gostos, existe a cultura no seu plano histórico e idiossincrático do seu coletivo. Que também pode discutir-se por gostos pessoais, mas se assim for perde interesse, pelo menos para mim – que olho o coletivo com o respeito que merece, pela universalidade da verdade coletiva e não especificamente pessoal.

Quando se defende que se gosta mais da Corrida do que da Tourada, está a denegrir-se a corda em favor das tábuas? Não. Pois claro. Por que motivo então quem distingue taurinidade para distinguir a Tourada do habitual universo da Corrida que se expressa a nível mundial por tauromaquia esteja denegrir a Corrida?

Uma pessoa interessada pela sua cultura coletiva, que veja o todo e não apenas o seu interesse pessoal, pode até ver aqui nessa separação uma justiça a uma e à outra modalidade taurina: são efetivamente diferentes. E quando se quer fazer essa separação para tentar dar à Tourada um estatuto, como por exemplo eleva-la a Património da Humanidade – essa separação é compreensível. Ver nisto, nessa separação cultural, uma guerra contra a Corrida é ver mal e, tenhamos paciência, a cultura da Terceira não está inteiramente rendida à Corrida, existe vida para além das tábuas.

Eu não sou da Agualva. Mas como sou o autor desta expressão no âmbito do meu livro sobre legislação taurina e da ideia de elevar a Tourada à Corda da Terceira a Património da Humanidade, vejo-me de certo modo encostado às tábuas para responder a esta – tão estranha interpretação do ato daquela freguesia do Ramo Grande.

A Freguesia da Agualva vive dum universo taurino que se pode dizer, enquanto não existir inquérito sobre isso, tão igual às restantes freguesias. E como as restantes freguesias, vive, essencialmente, duas realidades distintas: uma dentro de portas, nos seus internos percursos taurinos com a Tourada; outra, que é fora de portas, dentro das cidades, a Corrida.

Ora, parece inteiramente normal que uma freguesia, onde vive apenas com a Tourada, possa fazer dela as suas artes prediletas – que o são efetivamente. E dizendo que utiliza uma expressão diferente, taurinidade, para a distinguir da tauromaquia – é inteiramente normal, seja porque a tauromaquia é expressão demasiado balada (e negativamente) e demasiado conectada com a Corrida e, portanto, quer-se fazer a diferença; seja, porque isso a dualidade Tourada e Corrida efetivamente corresponde à verdade.

Ver nisso um ataque à tauromaquia... Logo o tauromáquico que se queixa, e com razão, de que existe demasiado fundamentalismo pró-animal... Então, a tauromaquia quer atacar a taurinidade? Que estranho, vindo de quem se diz taurino.

Claro que a mensagem terá outra ideia, não sabemos qual. Querer defender exclusivamente a Corrida?, e mesmo que à custa da Tourada?, mesmo que esmirrando e matando a Tourada? Incutir “medo” às restantes freguesias para evitar que estas tenham a mesma ideia e isso possa incomodar o dificílimo processo de elevação da tauromaquia a património mundial? Ofender o povo da Agualva? Atacar pessoas que trabalham as matérias com seriedade diferente? Quer constituir-se com o único que defende as artes taurinas da Terceira? Ou o quê diversamente?

Em qualquer caso, opções legítimas de quem as quiser defender – e sobre isso nada temos que ver. Mas afirmar que a Agualva está a rejeitar ou a atacar a Corrida só porque cria um projeto de Tourada que quer distinguir da Corrida – parece-me, eu que pertenço à cultura agualvense e da Terceira, um bocadinho desfasado, e isso sim constitui um ataque sem fundamento ao povo daquela localidade e também à própria tauromaquia. A Terceira é rica em diversificadas culturas e, portanto, doa a quem doer, nós terceirenses vamos continuar a vivê-las e a defendê-las.

 

Texto/ Arnaldo Ourique

Foto/ António Lima