Jornal da Praia

PUB

O Cantinho do Psicólogo (112): PALIATIVOS

Quarta, 26 de Junho de 2013 em Opinião 983 visualizações Partilhar

O Cantinho do Psicólogo (112): PALIATIVOS

Ainda sobre o que se disse sobre as desgraças que nos batem à porta, nomeadamente em termos de perdas de sonhos e modos de vida, ou até das pessoas que nos estão próximas, e que nos afectam sensivelmente, reforce-se a importância de, após darmos espaço para o lamento, sermos capazes de reparar o estrago, e de tomar medidas para enfrentar a nova realidade. Atingir estes objectivos impõe a necessidade de: (a) manter na vida uma atitude positiva e significativa; (b) ser criativo para despertar a imaginação; e (c) utilizar as capacidades do pensamento para desafiar as suas potencialidades.

Quando se passa do que se poderia chamar de contemplação à acção surgem naturalmente dificuldades. Muitas das recomendações que nos fazem no dia-a-dia não são mais do que paliativos, capazes de aliviar os sintomas, sem verdadeiramente os curar. Algo de semelhante acontece quando somos atingidos por uma grave doença susceptível de nos causar sintomas físicos, como dor, náusea, e fadiga, ou psicológicos como a depressão ou a ansiedade, em que o tratamento produz efeitos paralelos. O fundamental é distinguir entre os obstáculos que nos levam a fazer pequenos consertos na nossa vida, e aqueles que nos exigem o confronto com uma nova realidade.

Um pequeno conserto poderá ser uma boa noite de sono. A saúde e a felicidade* também passam por aí. Compreende-se assim a lamentação de alguns especialistas, de que técnicos e a sociedade em geral parecem ignorar que, por causa de problemas de sono, não diagnosticados nem tratados, todos os dias morrem pessoas (Dennet, & Vaughan, (1999). O dormir é um buraco perceptivo no nosso tempo. Este terço das nossas vidas não corresponde ao cessar de toda a actividade ou ao deslize para o esquecimento em que nada acontece. A verdade é o oposto. À medida que os músculos se relaxam numa boa noite de sono o espírito muda, e o cérebro começa a trabalhar de forma diferente. A actividade cerebral que se produz impulsiona-o a libertar novas combinações de hormonas e de mensageiros químicos que estimulam a actividade celular através do corpo. Por vezes até aquela actividade aparece mais activa numa noite de bom sono do que quando estamos acordados, queimando grandes quantidades de açúcar e oxigénio, visto que os neurónios se estimulam rapidamente. E quando sonhamos, o espírito toma uma consciência diferente, habita um novo mundo que é tão real como o que experimentamos quando estamos acordados.

A falta de valorização e importância deste terço das nossas vidas faz crer que estamos numa sociedade doente do sono. Esquece-se que a insónia é um problema grave de saúde, não é menos importante do que a constipação ou gripe. É mesmo mortífero porque a falha no seu tratamento põe em risco as nossas vidas, e as daqueles que amamos. Torna-se assim claro que não é possível mudar as nossas vidas se não agirmos sobre ela (Eduards, 2009). Não chega ser rico, bem-sucedido, e bem-amado. Muitas das ameaças que enfrentamos são reais, e para as ultrapassar, necessitamos de nos afastar do nosso drama, e agir habitualmente por etapas em cada uma das áreas em que nos sentimos perseguidos112.

Ajuda em qualquer caso ir buscar mais força às fontes potenciais de uma vida significativa referida no Cantinho do Psicólogo 110 (Amor à Vida), que se exemplifica (a) realização pessoal (i. e., envolver-se em actividades criativas, nunca optando pela desistência, sejam quais forem os fracassos ou obstáculos); (b) relacionamento (i. e., relacionar-se bem com os outros, contribuindo para o seu bem-estar); (c) religião (e g., acreditar que a vida humana é dirigida por leis morais, e que há ordem e finalidade no universo); (d) auto transcendência (i. e., procurar elevados valores que transcendem os interesses pessoais, dando uma contribuição significativa à sociedade); (e) auto-aceitação (i. e., estar em paz consigo próprio, aprendendo a viver com o sofrimento, e tirar o melhor partido disso); (f) intimidade (i. e., possuir uma relação de amor mutuamente compensadora, bem como confidentes que lhe dêem apoio emocional); (g) justo tratamento (i. e., receber procedimentos justos por parte dos outros, e uma justa partilha de oportunidades e recompensas). Lute para conseguir essa vida significativa.

Referência:

Dennet, W. C. & Vaughan, C. (1999). The Promise of SLEEP: The scientific connection between health, happiness and a good night’s sleep. New York: PAN BOOKS).

Eduards, E. (2009). Resilience: Reflections on the burdens and gifts of facing life´s adversities. New York: Broadway Books.

Keen, S. (1970). To a dancing God (p. 28). Nova Iorque, Harper & Row.

Peck, M. S. (1978). O caminho menos percorrido. Porto: PÚBLICO Comunicação Social, SA.

 

 



112 A perda, à semelhança de muitos outros períodos críticos da vida, é habitualmente problemática e dolorosa, exigindo para a vivermos com êxito, que sejamos capazes de prescindir de conceitos e formas antigas de fazer e olhar as coisas. Diz Peck (1978) que muitas pessoas, porque não estão dispostas, ou se sentem incapazes de sofrer a dor, agarram-se aos seus pensamentos e comportamentos, deixando assim, ao ultrapassar qualquer crise, de crescer verdadeiramente, e experimentar a sensação de renascer que acompanha a transição para maturidade. Diz o mesmo autor, citando Keen (1970), que algumas pessoas: «cada vez que se aproximam de um objecto, pessoa ou acontecimento estranho, têm a tendência de deixar que as suas necessidades presentes, experiências passadas ou expectativas de futuro, determinem o que vê».

No entanto, acrescenta, quem quiser «apreciar a singularidade de cada dado deve ter noção suficiente das suas ideias preconcebidas, e das distorções cognitivas* características, para as pôr entre parênteses (i. e., de parte) o tempo suficiente para receber a estranheza e a novidade no seu mundo perceptivo». E esclarece que a disciplina de pôr entre parênteses, compensar ou silenciar, requer um conhecimento sofisticado de si, e honestidade corajosa. Cada momento não pode ser a repetição de algo já visto ou vivido. A novidade surge, e a presença única das coisas, pessoas ou acontecimentos enraíza-se na pessoa, quando se empreende a descentralização do eu. Pratique e ponha entre parêntesis algumas das suas preocupações.

 

Texto e Foto/ A. Pamplona* | a.pamplona@sapo.pt

*Psicólogo