Jornal da Praia

PUB

Manuel, o assobio e a dentuça de Ti Silvestre

Sexta, 21 de Junho de 2013 em Opinião 878 visualizações Partilhar

Manuel, o assobio e a dentuça de Ti Silvestre

Manuel era sorna, muito pobre, e… resignado. Vivia de acordo com a sua índole, assumindo atitudes e posturas compassivas com o seu querer e com a vontade dos outros. Desta forma criava o seu espaço de comodidade, numa indiferença serena, perante a vida e a labuta, fugindo tanto da realidade da vida como da rudeza do trabalho, aproveitando o vinho e o calor do Sol sentado num canto qualquer onde pudesse saborear os seus silêncios.

Dava-lhe na telha assobiar de vez em quando os ordinários que ouvira a filarmónica tocar e os melros respondiam-lhe, em refrão, do alto da figueira onde se regalavam com figos que Manuel também comia.

Manuel assobiava bem. Era um verdadeiro artista. Quando isso acontecia, os frequentadores da tasca faziam uma pausa no seu falatório e sorriam numa aprovação complacente àquela música. Ti Silvestre dizia: - Aquele sacana! E continuava a lavar os copos. Tentava também exibir um assobio, mas a dentadura postiça, de dentes enormes e alvos, descabidos naquela cara de tez muito morena, não lho consentiam. Era um desastre. Um falhanço.

Ti Silvestre roía-se de inveja de Manuel. Como podia ser um «mornaça» daqueles, sem préstimo, ter aquela destreza? Donde lhe viria aquele dom?

Porquê o Manuel e não ele a assobiar assim? Não era justo. Era por causa dos dentes postiços. Malditos. Pagara tanto por eles, ficara tanto «profeito», porque lhe pregavam esta partida? Pois já, os de baixo, não os usava há muito. Não se amanhava com eles. Trincavam-no. Devia ser por isso: não assobiava porque não metia a dentuça completa na boca. Tinha de experimentar com a dentuça toda! Os de cima e os de baixo. E o Manuel que se lixasse, pois que até nem tinha já a maior parte dos dentes e assobiava assim.

Com aquela armação de dentes, que tinham custado cinco contos de rei, é que ele ia ver. As atenções haviam de se voltar para si.

Manuel não podia ser o único dono do assobio. Quem era ali grande, sabido, apreciado e respeitado era Ti Silvestre. Tinha de ter um assobio igual ou muito melhor que o Manuel e… não ia imitar a filarmónica nem desafiar os melros. Assobiaria o hino americano (Ti Silvestre era luso americano).

Passou-lhe pela cabeça que aquele querer assobiar como o Manuel, ou melhor ainda, era inveja. Não, não era! Era o legítimo requerer de um direito e duma competência que a natureza negara ao seu estatuto de maioral na freguesia. Tinha de assobiar à força!

Numa madrugada, mal os melros começaram a cantar nas faias, meteu a dentuça toda na boca, a de cima e a de baixo. Saiu de mansinho para não acordar ninguém e foi-se debruçar no curral do porco, mesmo por cima da pia. O porco acorreu logo, grunhindo, a julgar que era a manja. Ti Silvestre encheu os pulmões e assoprou sem jeito. Não lhe saiu nada que se parecesse com assobio.

Repetiu a cena com mais possança e a dentuça saltou-lhe da boca para a pia do porco. Só ouviu um «craq-craq». O porco desfizera-lhe os sonhos!

Nesse mesmo dia meteu-se na «carreira» e foi fazer uma dentuça nova.

Sempre que Manuel assobiava, ti Silvestre ouvia «craq-craq» a martelar-lhe na cabeça e pensava: aquele sacana!

Manuel continuou a assobiar sempre que lhe dava na telha. E Ti Silvestre conseguir assobiar o hino americano e sem se amanhar com a dentuça de baixo para o resto da vida.

 

Texto e Foto/ Manuel Ferraz Cardoso | ferrazcardoso@sapo.pt