Jornal da Praia

PUB

PERISCÓPIO: A FELICIDADE DO REGRESSO

Terça, 11 de Junho de 2013 em Opinião 898 visualizações Partilhar

PERISCÓPIO: A FELICIDADE DO REGRESSO 1-  É com enorme alegria que volto ao vosso convívio  através deste simpático e combativo jornal que, desde 1991, sempre me acolheu com carinho e estima, e desejaria registar e agradecer publicamente essa gentileza, neste momento. Se quando comecei a colaborar era maravilhoso vir à Praia da Vitória, não só pelos banhos benéficos das suas salsas águas e pelos ensaios do Orfeão, durante 18 anos, e  encontros com amigos e leitores  do nosso quinzenário, agora com muito mais razão me rendo, de corpo e alma, a esta cidade, escrínio de tantas memórias históricas e recordações pessoais de momentos felizes, aqui  vividos, sobretudo  após  o nascimento da Violeta, no passado dia 5 de março. Como disse a alguns amigos, no dia da comemoração do 31º aniversário, estou” condenado” pelos laços de  sangue a ser praiense, no presente, e a orientar  o meu pensamento e as minhas preocupações  com vista ao melhor futuro desta terra que passará a ser minha também. Com este apego telúrico,  tentarei servir o bom povo  do Ramo Grande, tão rico em tradições, sabedoria, manifestações artísticas e culturais, as quais embalaram tantos de nós até aos dias de hoje, e nos acompanharão  rumo a um fértil e feliz  porvir.  2-Para as cassandras da desgraça e velhos barbudos do Restelo que vaticinavam, tão frequentemente, nada se poder realizar na Praia, devido a rivalidades, divisionismos, invejas e ruralismos, o Jornal da Praia, seguindo numa rota de valorização constante do seu concelho e de toda a nossa ilha, vem desmentir os habituais comentadores de café e todos os derrotistas ou arrivistas, que pouco ou nada sabem fazer a não ser a crítica fácil, fútil e destrutiva. Tal como já o escrevi em tempos idos, neste periódico, o grande entreposto ( ou hub, como agora se diz) da ilha Terceira e dos Açores passa em grande parte pelo aproveitamento das invejáveis condições da localização de um porto oceânico a escassos quatro quilómetros de uma grande e central infraestrutura  para o tráfego aéreo da arquipélago. Todavia, a miopia dos governantes, os bairrismos doentios e a falta de elites ou grupos de pressão fizeram adormecer os terceirenses em profundo e nocivo letargo, teimando alguns em não despertar e abrir bem os olhos para o que vai acontecendo e que mina todo o processo de desenvolvimento  insular,   reduzindo, preocupantemente, o peso político da segunda mais populosa ilha açoriana. E tudo isto, que compromete o nosso  futuro,  vai servindo para outros mais dinâmicos se enriquecerem, sabendo tirar partido das suas potencialidades económicas e turísticas, o que deve servir de bom exemplo e não de mera recriminação. Entre nós, houve mesmo quem, tendo responsabilidades  públicas,  se deleitasse em  propagandear, com pacóvio orgulho e triste ingenuidade,  que os Açores eram oito ilhas e um parque de diversões(a Terceira). Compete aos briosos praienses e a todos os terceirenses  inverter  este estado de coisas e pugnar,  com orgulho, pelo desenvolvimento da nossa  ilha.  Isto é cada vez mais urgente, neste momento crucial para a Terceira e para o concelho  praiense em particular. Todos adivinhamos que vai acontecer com a redução dos postos de trabalho, na Base das Lajes, e  seus reflexos  na  economia  terceirense, com  a anunciada saída de centenas de militares norte americanos, no próximo ano.  O tempo não é de vacas gordas, nem propício  para parques de diversões. Muito pelo contrário.Texto e Foto/ António Neves Leal