Jornal da Praia

PUB

A greve da SATA

Sexta, 24 de Maio de 2013 em Editorial 1332 visualizações Partilhar

A greve da SATA

 

A greve da SATA tem estado na ordem do dia e muitos têm sido os comentários, quer a favor, quer contra os Sindicatos da SATA, empenhados nas paralisações dos voos da Transportadora Aérea Regional, entre as ilhas Açorianas e para o exterior do arquipélago, nomeadamente para o Continente Português.

A greve da SATA dos dias 24 e 25 de Abril, e 2, 3 e 4 de Maio, causou grandes transtornos aos passageiros, prejuízos de grande monta para a economia Açoriana. Na ilha Terceira, no Aeroporto das Lajes, gerou-se grande confusão com a mobilidade dos passageiros e esta ilha de Jesus ficou mais de três dias sem ligações aéreas com Lisboa, provocando graves danos para os Terceirenses.

Ora a greve é um direito consagrado na Constituição da República, é uma conquista irreversível alcançada com o 25 de Abril de 1974 e traduz-se no direito “a recusa colectiva e concentrada da prestação de trabalho por parte dos trabalhadores por conta de outrem, tendo em vista a defesa e promoção de interesses profissionais comuns”, artigo 2º. da Lei Nº. 4/92, de 28 de Maio – Lei da Greve.

O objectivo reivindicado pelos trabalhadores que desembocou nesta greve, parece-nos justo, e prende-se simplesmente pelo facto de que os trabalhadores apenas reivindicam igualdade de tratamento entre os trabalhadores do Continente e dos trabalhadores dos Açores, nomeadamente em relação a cortes salariais previstos no Orçamento Geral do Estado.

A Administração do Grupo SATA não foi eficaz no cumprimento dos serviços mínimos durante a greve e estipulados pelo Tribunal Arbitral, por isso não podem ser responsabilizados por tais situações prejudiciais aos utentes da SATA, e que visavam minimizar o isolamento das ilhas.

Na verdade esteve ao alcance da Administração da SATA e do seu accionista, o Governo Regional dos Açores evitar a greve, que ocorreu na altura das Festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres, a maior festa religiosa os Açores, época em que o movimento de passageiros é enorme para participarem nas festividades religiosas.

Esperamos que a Administração do Grupo SATA, e o Governo Regional tenham o bom senso para a chegarem a acordo com os representantes dos sindicatos, para que não haja mais prejuízos para a economia regional, já de si muito debilitada devido à crise económica profunda.

Assim, o Governo, a Administração da SATA e os sindicatos hão-de dispor de tempo suficiente para um diálogo profícuo, obtendo-se resultados equilibrados e equitativos para o bem dos Açorianos e para a consolidação da Transportadora Aérea Regional, imprescindível ao desenvolvimento económico das nossas ilhas.

Diretor/ Sebastião Lima