Jornal da Praia

PUB

Consumir AÇORES

Sexta, 12 de Junho de 2020 em Opinião 205 visualizações Partilhar

Consumir AÇORES

A nossa consciência coletiva sobre questões ambientais nas nossas Ilhas está muito mais educada e sensibilizada do que há apenas duas décadas atrás. Por essa altura, escrevi algumas crónicas no decano ‘Açoriano Oriental’ (uma delas a 14 de maio de 2002) e que foram publicadas no meu livro “Crónica dos Regressos/Barcos de Palha” (Calendário de Letras, 2014), que chamava a nossa atenção para a forma agressiva como tratávamos o nosso lixo nas Ilhas. Desde então muita coisa melhorou neste campo.

Outra questão urgente agora, mais do que nunca, é consumirmos os nossos produtos.

No primeiro de outubro de 2002 eu escrevia sobre o assunto, igualmente no mesmo jornal acima referenciado:

“Aqui, nos Açores, cada cidadão deve dar preferência aos produtos regionais, sempre que estes igualem ou superem a qualidade dos similares importados. Essa preferência faz criar empregos, alimenta milhares de famílias açorianas, aumenta a produção, fortalece a economia e todos vivemos cada vez melhor.”

Com o passar dos anos, houve uma tomada de consciência por parte dos políticos e governantes açorianos. Hoje podemos constatar as campanhas em boa hora lançadas pelo governo insular na comunicação social. Assistimos a belos spots das nossas Ilhas através da RTP/Açores, patrocinados pelo Governo Regional, que muito tem dispensado – e bem – a favor da divulgação dos produtos açorianos.

É conhecida a qualidade excecional de muitos dos nossos produtos. Por exemplo: Fará algum sentido comprar leite importado, só porque custa alguns cêntimos menos, quando o nosso leite é de reconhecida qualidade, muito procurado nas cidades portuguesas, onde está quase sempre esgotado devido à sua limitada produção.

O mesmo se pode dizer de tudo o que produzimos nas nossas Ilhas. A qualidade dos nossos produtos, hoje em dia, está comprovadamente assente em muitos mercados nacionais, estrangeiros e na nossa Diáspora.

Por outro lado, ao consumirmos os nossos produtos – que são ótimos – estamos a fortalecer a nossa economia e todo o sistema à volta. Desde as carnes, do leite como já referi, passando pelos já famosos queijos, manteigas, legumes e hortaliças, frescas de algumas horas, o peixe e mariscos, a água cuja qualidade jorra para o mar em quantidade, bebidas, cerveja, espirituosos, enfim, todo um manancial paradisíaco o qual merece toda a nossa atenção.

A partir de agora, o mundo estará preocupado na recuperação económica global, a qual sofreu um duro revés com toda a problemática viral que nos assolou.

Qualidade até nos sobra. Enquanto nas grandes metrópoles do globo, os bens de consumo do dia-a-dia percorrem milhares de quilómetros até ao consumidor final, nas nossas Ilhas eles estão mesmo ali ao lado, frescos e apetitosos.

Temos todas as razões, habitantes destas frutuosas Ilhas e a responsabilidade de contribuir todos e cada um, para que essa recuperação se faça o mais rápido possível. Cabe a todos e a cada um participar nessa recuperação económica. O nosso bem-estar coletivo depende dessa nossa decisão de consumir o que é nosso: CONSUMIR AÇORES.