Jornal da Praia

PUB

Boas maneiras vêm de casa, aprender é na escola!

Sexta, 12 de Junho de 2020 em Editorial 187 visualizações Partilhar

Boas maneiras vêm de casa, aprender é na escola!

Os politicos e governantes, eleitos pela maioria dos votos (ainda que não pela maioria dos cidadãos), tem o dever de tomar as melhores decisões para o país, mesmo que isso possa ser dificil, impopular, tenha custos financeiros ou até humanos. Aos técnicos, conselheiros, cabe apresentar factos e posições para que os politicos tomem as decisões que entenderem melhores. E atenção! A melhor decisão técnica não é necessáriamente a melhor decisão política, e mesmo esta pode variar consoante as circunstâncias (como se costuma dizer “cada caso é um caso”).

No que tem vindo a ser uma infeliz actuação, o caso da Direção Geral de Saúde, com a presença gémea do respectivo ministério, deram um bom mau exemplo de gestão, pelo menos no que toca à comunicação e decisão politica: Primeiro não vem vírus, depois vem pandemia; basta lavar as mãos, depois é preciso máscara; não é necessário isolar, depois vamos confinar e agora desconfinar...

Outro caso não menos mediático, mas aparentemente menos controverso, é o do ministério da educação, com o “ensino à distância”. É de certo modo compreensível que poucos estivessem bem preparados para uma pandemia global com as caracteristicas e consequências do COVID-19. Por outro lado, também é expectável que o Estado tenha planos de contingência minimamente adequados. Ora, na educação eles não existiam e foram sendo “inventados” depois da pandemia, e, após um período de forte desorientação e contra-informação entre a comunidade escolar, a estratégia concentrou-se num misto de ensino pela internet e telescola.

Algumas considerações: Este tipo de ensino pressupõe a disponibilidade dos pais e encarregados de educação, o que em muitos casos nunca existiu e agora cada vez menos; assume que em casa alguém tem os conhecimentos (e a preparação) para explicar correctamente a matéria; subentende-se que todas as casas tem as condições familiares e técnicas para o estudo; anuncia-se que se vai cumprir curriculos mas que nenhum aluno deve ser prejudicado. Ora nada disto é totalmente verdade e transversal a todas as familias, o que inevitávelmente leva, por exemplo, ao aumento do fosso entre os alunos com melhores condições, entre os alunos mais e menos autónomos e entre os que têm professores com diferentes niveis de conhecimentos informáticos.

Esta história, de traços marxistas, do ministério empurrar responsabilidades para as direcções regionais, as direcções regionais para os conselhos executivos, os conselhos executivos para os professores e os professores para os pais, pura e simplesmente não funciona. Até pode desenrascar, à boa maneira portuguesa, mas seguramente não deve ser a norma nem o futuro. Por isso, o Sr. ministro da educação anunciar que o próximo ano lectivo será “à distância” (pelo menos parcialmente) é muito preocupante. A solução tem de passar pelo ensino presencial! Com restrições, higiéne, outras precauções, turnos, horários de refeição alargado, etc. Mas tem de ser presencial até porque se os alunos não estiverem na escola a maioria terá de ir para um ATL ou similar.

Com as devidas precauções, porque é que os alunos não estão nas escolas? Porque é que o ano lectivo não pode ser prolongado pelo Verão? Já agora, comecem a planear a abertura das escolas porque isso será politicamente tão inevitável como a reabertura da “economia”. Imagine-se que a vacina só parece daqui a 4 ou 5 anos? Ensino à distância eterno?...

Ainda que técnicamente o isolamento possa ser a melhor solução, a mesma acarreta consequências devastadoras para a economia, incomportáveis pelas maiores potências mundiais quanto mais por nós! O fardo do bom político deve ser precisamente ter de tomar as mais dificeis e, por vezes impopulares, decisões em prol do Estado. Note-se que todos os anos occorrem acidentes rodoviários. Poderia ser evitados? Talvez, se proibissemos a condução ou limitássemos os veiculos a 20 km/h. Mas não o fazemos, principalmente pelo factor sócio-económico. Podiamos estar 100% seguros (isolados)? Podiamos, mas pura, simples e infelizmente não é sustentável ou possível...

Assim, em primeiro lugar pedimos que Deus nos proteja e ajude os politicos a tomar as melhores decisões para o nosso futuro “Covidiano”, e em segundo que Ele nos dê a paciência para ouvir as conferências de imprensa da DGS sem pensar numa revolução. Jornal da Praia, ainda que possa não concordar com algumas medidas, saúda a coerência do governo regional dos Açores que, no meio de algum caos nacional, demonstrou uma atitude assertiva e eficaz. Fazemos votos que as Escolas reabram o mais breve possivel, regressando o indispensável ensino presencial, para que também aqui se não morra da cura, porque antes que nos esqueçamos: Boas maneiras vem de casa, aprender é na escola! Aquele abraço Praiense!

Luis Moniz