Jornal da Praia

PUB

Carla Félix fala do futuro da “Maré de Poesia”

Sexta, 12 de Junho de 2020 em Entrevista 275 visualizações Partilhar

Carla Félix fala do futuro da “Maré de Poesia”

No dia 1 de junho de 2018, o Jornal da Praia publicava a primeira “Maré de Poesia”, página. Como surgiu a ideia desta iniciativa? Foi fácil implementar?

Maré de Poesia, surgiu através de uma conversa com o poeta Fernando Mendonça com o antigo redator senhor Francisco Soares. Neste sentido e após contactado o senhor diretor do Jornal da Praia, ficou decidido em avançar com a ideia com a proposta de ser eu a coordenadora da referida página. O nome surgiu inspirado na nossa Praia da Vitória e nas marés que tanto nos inspiram a escrever.

A sua implementação foi relativamente fácil, uma vez que, nas primeiras edições foram partilhados poemas de poetas que haviam sido entrevistados em edições anteriores, como o Sr. Fernando Mendonça e a Carla Valadão. Seguiram-se outros poetas da Praia da Vitória, sendo realizado um trabalho de procura nas redes sociais e de incentivo à partilha das palavras. O grupo foi aumentando e com a divulgação na página do facebook do Jornal conseguiu-se despertar o interesse pela participação voluntária, ao que começaram a surgir os primeiros contactos por email.

 

Passados dois anos, a “Maré de Poesia” ganhou o seu espaço habitual no Jornal da Praia. Como Coordenadora da página, como analisa a adesão de quem escreve e dos leitores que leem este espaço literário?

A adesão à página é flutuante, temos um grupo de poetas habituais que estão sempre na retaguarda quando não nos são enviados poemas. É necessário um trabalho de recolha, incentivo à partilha e organização quando possível por temáticas, tentando criar um elo de ligação entre os poemas.

Como coordenadora tenho o cuidado de não avaliar os poemas, pois não tenho formação nesta área e o objetivo da página é divulgar poemas que estariam guardados nas gavetas, levando ao aumento do desejo de partilhar e, por conseguinte, a tornar os poetas conhecidos. Os Açores têm um número considerável de poetas, com vontade de partilhar e serem conhecidos pelos leitores.

Temos uma opinião favorável dos/as leitores/as do Jornal da Praia, que acompanham já de outras formas os/as poetas, incluindo em encontros de poesia que vão surgindo na ilha. Há quem considere que foi uma mais valia para os conteúdos do jornal, dando os parabéns com frequência por esta abertura ao mundo literário.

Quero agradecer aos poetas e poetisas que contribuem para a página e aproveito aqui para deixar o convite a quem tenha desejo de ver os seus poemas também publicados maredepoesia@jornaldapraia.com

 

Há semelhança de outros periódicos, o Jornal da Praia, na sua linha editorial, tem vindo a promover ao longo dos seus 38 anos, vários projetos de divulgação literária uns mais efémeros e outros mais douradores. Como vê a aposta dos editores neste tipo de conteúdos? Deve haver mais projetos de divulgação literária nos jornais?

A divulgação literária é importante para a evolução de quem escreve. Dar a conhecer o seu trabalho é uma das formas de chegar ao público. À semelhança do trabalho realizado por muitas rádios regionais e muitas rádios online no território continental, os jornais deverão desenvolver um trabalho de partilha de obras lançadas, poemas, autores locais. Acredito que na base deste trabalho abrem-se novas oportunidades a quem escreve.

 

Quanto ao “Maré de Poesia”, quais os projetos quem tem para o futuro deste conteúdo? …na “calha” uma antologia impressa reunindo os colaboradores?

A ideia de uma antologia seria muito interessante. Embora muitos poetas partilham poemas já publicados, por razões de segurança (precaver o plágio). Exigiria algum trabalho, que é exequível, pois já foi organizada uma Antologia de poetas da ilha Terceira, Palavras (Con)sentidas e são inúmeras as coletâneas que vão sendo lançadas durante o ano.

 

Falando agora em si, o que a motiva escrever e porque enveredou por este campo literário? O que representa a Poesia para si?

A poesia surgiu na minha vida de forma inesperada. Vejo ela como uma forma de cura e terapia. São palavras que surgem do acaso. Para mim os poemas “são filhos da alma”.

 

"Melodia nos Versos de (A)mar” é uma obra da sua autoria publicada em 2018 que reúne 57 poemas inspirados “nas águas cristalinas da baía da Praia da Vitória” Do que escreve, qual é o feedback de quem lê os seus poemas?

Quem lê o meu livro, refere que o mesmo o leva a navegar pelas águas e transmite tranquilidade. São poemas de (a)mar que falam da infância, da Praia, do mar, da esperança de encontrar um alento nas palavras. Foi um projeto de uma ligação afetiva que quem lê sente, o que é inspirador.

 

Como analisa o atual panorama literário nos Açores, e em especial a Poesia?

Os Açores têm muitos escritores de diferentes géneros literários. Existem muitos/as poetas e muitos/as não se conhecem. Somos um povo um pouco fechado na partilha, sinto isso em relação a outros contactos que tenho fora das ilhas. Não existe muita proximidade entre leitor/ poeta. A poesia precisa ser mais valorizada, pois está provado que quem lê poesia tem benefícios variados, sendo em alguns países prescrita como forma terapêutica.

Começam a surgir as primeiras livrarias Açorianas que apostam na proximidade, nomeadamente a Letras Lavadas, em São Miguel.