Jornal da Praia

PUB

Vírus Misterioso

Sexta, 24 de Abril de 2020 em Editorial 103 visualizações Partilhar

Vírus Misterioso

Por todo o mundo, primeiramente na Ásia – Republica Popular da China - e de seguida na Europa e nas Américas, o coronavírus espalhou-se de forma galopante, não se avizinhando soluções rápidas, apesar dos cientistas se envolverem num trabalho árduo e persistente na pesquisa de uma vacina miraculosa e ou de terapias eficazes no combate ao Covid-19, é certamente uma tendência que não dará brevemente frutos, a fim de se impedir uma catástrofe económica e social sem precedentes, por isso o homem tem que utilizar muita inteligência, capacidade racional apurada, pois não basta só a vontade emotiva, a fim de se ultrapassar esta grave crise virulenta e diferente das que estávamos habituados, devido à rapidez e imprevisibilidade com que o vírus se propaga, pelo terror que infunde, inquietante, perigoso, letal de modo que uma pequena falha ou erro de pouca monta, um ligeiro descuido no combate a esta peste, pode desencadear terríveis consequências na saúde das pessoas, por isso as medidas tomadas pela Organização Mundial de Saúde e acatadas pelos Estados, nomeadamente pelo nosso País, pelas nossas Regiões Autónomas, pecam simplesmente por tardias.

É necessário que estejamos todos juntos e unidos na luta contra o coronavírus para se derrotar o medo e conquistar a esperança de que tanto necessitamos, para não sermos motivo de contágio, motivo de morte para ninguém, porque navegamos em mares ignotos à procura de uma nova maneira de interpretar o mundo e defender os valores morais básicos do Estado Social de Direito.

Os Estados da União Europeia, o Reino Unido, os Estados Unidos da América do Norte já tinham conhecimento da existência da epidemia em Novembro de 2019, só que infelizmente relaxaram-se para este melindroso assunto na convicção infelizmente errada de que tal vírus não os afectava, o que na prática veio a suceder o contrário, e mais grave ainda, nenhum país por mais desenvolvido que fosse estava apetrechado e com todos os meios necessários para o combate desta pandemia, e foi claro que a desgraça seria muito mais gritante e inimaginável se não se apercebessem, embora tardiamente da dimensão deste grave acontecimento.

As medidas tomadas pelas nossas autoridades são necessárias e irredutíveis, já vivemos num estado de alerta e agora permanecemos em estado de emergência que deve perdurar pelo tempo necessário ao combate na erradicação do coronavírus, e esta calamidade que assola o nosso país e as nossas Regiões Autónomas mudará certamente de forma radical as nossas vidas, por motivos imperiosos de saúde publica, para a protecção de todos, por isso há que colaborar com todas as autoridades para que possamos vencer esta guerra sem precedentes e com grau de imprevisibilidade arrepiante, sabendo-se de antemão que as decisões políticas são difíceis, por vezes dolorosas, porque acima de tudo está a saúde, assim devemos permanecer em casa, manter distâncias entre as pessoas, cumprir escrupulosamente com todas as directivas emanadas pelos nossos governantes, que ao deliberarem estratégias ao combate ao vírus têm como única e exclusiva prioridade a proteção de todos.

A crise económica que se traduz de toda esta nefasta situação grave de saúde publica, será muito difícil vaticiná-la, na verdade “as pessoas são mais importantes do que o dinheiro e do que os défices orçamentais”, apesar de tudo temos a esperança que a retoma económica vai ser lenta, mas sustentável, e as várias medidas económicas decretadas pelas nossas autoridades ainda não são suficientes para enfrentar a crise económica que nos espera. Mas estamos convictos que a União Europeia, o País e as Regiões Autónomas, conjuntamente com as forças económicas, laborais e sociais irão desenvolver planos eficazes para a retoma económica, sem agravar severamente as condições de vida das pessoas, nomeadamente dos mais humildes e desafortunados, por isso há que ter esperança num futuro com saúde e prosperidade, porque “quem não evita males podendo e devendo, vem a ser causa de muitos males”.

 

Sebastião Lima, Diretor