Jornal da Praia

PUB

António Branco construtor de miniaturas

Sexta, 24 de Abril de 2020 em Entrevista 402 visualizações Partilhar

António Branco construtor de miniaturas

Jornal da Praia – Quando começou a fazer miniaturas em madeira?

António Branco – Comecei a trabalhar a madeira já lá vão alguns anos. Comecei com um pequeno torno. Fui experimentando aqui e ali e consegui reproduzir pequenas peças não mais de 3 cm de comprimento. No meu espaço na minha garagem, comecei por fazer peões, garrafinhas e cabacinhas e depois pequenos barris de vinho e porta-chaves… Neste tempo fiz várias peças com esta temática e oferecia a quem visitava a minha casa. Oferecia garrafinhas, barris e porta-chaves aos amigos os quais, gostavam aquilo que viam e incentivavam-me a construir mais peças em miniatura.

Todavia, foi uma fase que passou que deixei de lado… mas a curiosidade ficou e todas as vezes que via aquelas peças por mim feitas naquele tempo, comecei a despertar de novo o meu interesse por esta arte.

Em 2018 ou 2019, resolvi meter mãos à obra, comprei um torno melhor que adaptei para tornear madeira, comprei ferramentas melhores e lá voltei às miniaturas de madeira.

 

Jornal da Praia – Como constrói uma miniatura? Como escolhe a madeira para uma determinada peça? Pode-nos descrever esse processo criativo?

António Branco – Geralmente, escolho madeiras que mais fáceis de tornear como a tola ou o mogno. Já as madeiras mais duras como o pinho, utilizou, por exemplo nas bases dos altares do Espírito Santo… as madeiras mais moles são para as coroas dos Espírito Santo, para os barris ou porta-chaves.

A construção de uma miniatura passa por vários processos. Como disse, escolho a madeira, depois é colocada no torno e torneada com os vários formões, cada um para aquilo que pretendo fazer. Depois de torneada a peça, lixo e aplico os acabamentos, como o tapa-poros e os vernizes e fica pronta.

Também, quero aqui dizer que as madeiras que escolho para as minhas miniaturas foi um trabalho de experimentação. As madeiras mais duras racham e não se consegue facilmente fazer peças de miniatura, já o mogno ou a tola é madeira mais apropriada para se trabalhar.

 

Jornal da Praia – Quanto tempo demora a construir por exemplo, uma coroa do Espírito Santo?

António Branco – Depende, algumas horas… umas duas ou três horas. Depende da miniatura que estou a fazer. Por exemplo, um altar do Espirito Santo, alguns dias porque tenho de preparar a madeira, tornear, colar, lixar e aplicar os acabamentos.

Mas, isto é um trabalho que faço quando tenho vontade e inspiração para criar. Não tenho prazos. O que faço é para oferecer e não para vender. Gosto destas miniaturas e gosto de oferecer o que faço aos amigos.

 

Jornal da Praia – O que neste momento está a construir?

António Branco – Neste momento, nesta época de quarentena tenho me dedicado mais ao tema dos Espirito Santo. Sou um grande devoto e o Espírito Santo tem grande força e poder…

Tenho construído mais coroas e altares do Espírito Santo. Passo algumas horas aqui na minha oficina na minha garagem e vou construindo estas miniaturas… Por vezes, a minha mulher chama-me e digo estou quase a acabar e assim vou fazendo as coroas do Espírito Santos e altares dos Espírito Santo.

Mas, quero voltar a construir barris e porta-chaves, porque são peças que gosto também, de fazer.

 

Jornal da Praia – Pode descrever algumas das suas peças?

António Branco – Por exemplo, os barris que faço, em média com três centímetros de comprimento, coloco todos os pormenores como as torneiras. Nos balseiros, coloco o batoque.

No tema o Espirito Santo, por exemplo, as bases dos altares do Espirito Santo são em madeira de pinho. Já fiz altares com colunas, bases redondas e em caixotes. Por exemplo, as bases dos altares podem ter 25 cm e a peça a seguir com 15 cm… onde serão montadas as bases para as coroas.

Já ofereci um altar do Espirito Santo ao Centro de Convívio de Santa Luzia da Praia da Vitória que tinha colunas e seis coroas.

 

Jornal da Praia – Quem entra em sua casa e vê estas peças que constrói, gostem do que vê?

António Branco – Sim… gostem do que vêm e incentivam a fazer mais peças.

Quando dou uma das minhas peças, ficam por vezes receosos por aceitar, mas levam o que eu faço com eles. É um inventivo para aquilo que faço!

Entrevista: Rui Marques

Fotos enviadas por Lídia Marlene Godinho