Jornal da Praia

PUB

A VIVER O INIMAGINÁVEL

Sexta, 24 de Abril de 2020 em Atualidade 70 visualizações Partilhar

A VIVER O INIMAGINÁVEL

A 2 de Março foi diagnosticado o primeiro caso de infeção pelo novo coronavírus em Portugal; a 11, a Organização Mundial de Saúde declarou que se estava perante uma pandemia. O que dizer do quadro apresentado todos os dias pela comunicação social? Que estamos a viver o inimaginável! A chegada da Covid-19 virou-nos a vida do avesso e colocou-nos perante uma situação que ninguém podia imaginar. Tudo mudou, todos os planos e projectos foram alterados e as prioridades mudaram radicalmente, tudo mudou de figura e todos os recursos foram mobilizados para a guerra contra esta nova doença. Os serviços de saúde passaram a ser um exército mobilizado contra pandemia, parece que todas as outras doenças ficaram entre parêntesis. O resto da actividade do país parou. As cidades esvaziaram-se; a maior parte da população está confinada nas suas casas, muitos regressaram às terras de origem, para evitar a proximidade espacial com os outros, ou para apoiar os mais idosos que vivem na “província”, hoje com a designação de “territórios de baixa densidade”. Estas alterações trouxeram à superfície um país, de certa maneira, escondido: a percentagem muito significativa de portugueses com 70 anos ou mais que estava na sombra. Sinal do que acabo de dizer foram as notícias sobre residências para séniores e lares de idosos; o seu grande número deve ter surpreendido muita gente. Outro sinal do mundo escondido foi a descoberta de um número muito significativo de pessoas da terceira idade que vive só.

A chegada da pandemia obrigou-nos, a todos, ao governo, à oposição e à sociedade civil, a constatar de que o país tem muitas limitações e que, para as ultrapassar, é preciso estabelecer as prioridades para acudir a todos, em especial aos mais vulneráveis. Também se tornou evidente, embora alguns tenham levado tempo a reconhecer, que o Estado não é capaz de responder a tudo, que é indispensável uma sociedade civil forte; isto é, embora muitos vivessem como se tivessem estatizado os seus deveres de solidariedade (pagam impostos, o estado trate dos mais frágeis!), todos nos vimos forçados a reconhecer que não podemos alijar as nossas responsabilidades para com os outros. Como palavras de Dostoievski, nos Irmãos Karamazov: “todos são responsáveis por todos e eu mais que todos”. O pagamento dos impostos não nos desresponsabiliza dos deveres de entreajuda. Evidentemente que o Estado tem um papel importante no capítulo dos apoios sociais, mas não chega; sobra ainda muito espaço para cada cidadão e para as instituições da sociedade civil. A este respeito não deixa de ser significativo que, tendo surgido a crise, o discurso político tenha levado demasiado tempo a lembrar-se das IPSSs, rede que cobre o país e responde a imensas situações a que o estado não chega ou chega mal. Durante bastante tempo quem falou em nome do Estado parecia não saber, ou ter esquecido, que a sociedade civil existe e que até, na área dos apoios aos mais necessitados, tem desempenhado um papel vasto e imprescindível.

Nesta minha crónica, pretendo apenas chamar a atenção para um aspecto que a pandemia tornou patente: a fragilidade humana.

Para cairmos na conta dessa fragilidade basta refletir um pouco sobre o que estamos a viver. Antes da chegada do novo coronavírus, vivíamos como se fossemos senhores do nosso destino. Olhávamos para o futuro e, tendo em conta o que tínhamos e conhecíamos, sonhávamos, planeávamos as nossas vidas como se fossemos todo-poderosos, capazes de dominar tudo, como se fossemos deuses; a tentação de Prometeu sempre acompanhou o ser humano. E, de repente, quando menos esperávamos, apareceu-nos pela frente a Covid-19. O que nos parecia certo e sabido desmoronou-se e, de um momento para o outro, foi tudo pela água a baixo, de tal modo que já não chega rever a agenda, há que elaborar uma outra totalmente nova e diferente.

Ora é isto que se está a passar. Todos os especialistas e pessoas bem informadas sabiam que o aparecimento de uma nova doença de rápida expansão é sempre possível, mas poucos estavam disponíveis para levar a sério essa possibilidade. O imprevisto aconteceu: o novo coronavírus surgiu na China no fim do ano passado (na China… um país tão longínquo) e a 31 de Dezembro a OMS fez o primeiro alerta. Hoje estamos perante uma pandemia que ninguém consegue travar e que leva tudo à sua frente, ninguém lhe escapa: ricos e pobres, sábios e ignorantes, crentes e não crentes, somos todos iguais e impotentes, a bordo do mesmo barco. A ciência e a tecnologia de que tanto nos orgulhamos, e com razão, e nos dava a sensação de poder, mostram-se impotentes para dar uma resposta eficaz e atempada; os especialistas de variadíssimas áreas estudam, investigam, dão o seu melhor, mas precisarão de algum tempo para encontrar saída. O medo e o sofrimento não param de crescer!

Não será, contudo, o fim do mundo! A conquista do futuro, imediato e a médio prazo, não vai ser fácil e depende de nós. Ninguém está dispensado de dar a sua cota-parte.

 

Braga, Abril de 2020

José Henrique Silveira de Brito