Jornal da Praia

PUB

COVID, COm Vocês Iremos Destroná-lo!

Sexta, 10 de Abril de 2020 em Editorial 95 visualizações Partilhar

COVID, COm Vocês Iremos Destroná-lo!

Com toda esta mudança radical na nossa vida seria inevitável também este jornal abordar o tema do coronavírus COVID-19, que para além da perspectiva de saúde pública, tem uma enorme dimensão social e humana.

Já desde o final do ano passado que o mundo convivia, sem disso dar conta, com o novo vírus COVID-19 (do inglês “COrona VIrus Disease 2019”). Infelizmente, por cá estávamos longe de imaginar o que aí vinha (muito por culpa da muralha chinesa e de se minimizar o problema na sua fase inicial). É certo que nenhum país, grande ou pequeno, estava preparado para esta pandemia que reina sobre o mundo, mas também é verdade que uns estavam melhores do que outros, e fica ainda a dúvida: Mas se tem havido periodicamente pandemias não deveria a sociedade estar mais prevenida? Não deveria o nosso sistema de saúde, que absorve anualmente uma parte de leão do orçamento de Estado, estar mais bem apetrechado e preparado? Pode haver quem diga “Eh pá, isso agora não interessa! Importa é combater o vírus!”; Porém temos de conseguir fazer a duas coisas, ou seja, a sociedade tem de ajudar o melhor possível o “exército” que combate o vírus, e, simultaneamente, ajustar-se, purificar-se e reinventar-se, de modo a dar as melhores respostas possíveis a esta crise e sobreviver enquanto comunidade, região e país, mas sem perder a capacidade de análise e preparação do futuro doloroso que aí vem.

As crises costumam ser períodos de mudanças mais radicais na sociedade, e esperamos que esta também o seja, para melhor. Todos os cidadãos deveriam aproveitar este tempo de isolamento social/quarentena para reflectir sobre o que efectivamente interessa neste dom da Vida que Deus nos dá, sempre demasiado curta para os nossos sonhos e anseios. Os incontáveis milhões públicos não podiam ser melhor direccionados? O abuso de dinheiro publico para compra de votos e populismo não é condenável? O abuso de poder? As fugas aos impostos? A caça ao subsídio? A justiça contaminada? Será tudo isto sustentável? Não devíamos todos tentar contribuir mais e esperar menos? Talvez devêssemos voltar às origens, à família, à essência da nossa comunidade, e redefinir realisticamente quais os valores morais e sociais que queremos para nós e para os nossos descendentes.

A lei de Darwin diz que quem não se adapta é extinto. Muitos impérios e modos de vida desapareceram ao longo da história. Reinventarmo-nos é uma questão de sobrevivência, de garantir o futuro. Talvez um (bom) exemplo fosse uma sociedade forte e coesa, de valores morais de matriz cristã, respeitadora, tolerante e solidária, democrática, financeiramente saudável, maioritariamente autossuficiente (pelo menos em áreas chave como alimentação, segurança e saúde) de modo a ser verdadeiramente independente, ainda que solidária, fazendo jus ao Povo Lusitano em geral e Açoriano em particular.

O egoísmo vai ter de esperar. Quem vos escreve também acha que o Praiense devia subir de divisão, que o Porto devia ser o campeão e que a Praia da Vitória é a melhor cidade do mundo para viver, e, seguramente todos pensam o mesmo da sua terra e dos seus clubes. Mas que interessa isso quando nos defrontamos com a preservação da vida humana?

Por agora, é comum a convicção de que a prioridade tem de ser salvar vidas, começando pelos que por ela zelam, mas nunca descorando que é imprescindível manter a actividade económica, e, sobretudo os empregos, para que todos consigam viver com dignidade no pós-pandemia. No imediato, temos de ajudar a reduzir as condições de transmissibilidade do vírus, mas também criar as condições de protecção de todos aqueles que têm e terão de trabalhar, garantindo que serão assegurados os cuidados de saúde. Já basta a ignorância de como o organismo de cada um de nós irá reagir, e bom seria que não tivéssemos de nos preocupar, se quando precisarmos, iremos ou não ter acesso a um desinfectante, a uma máscara, a um ventilador… Com verdade, segurança e liderança fortes será mais fácil suportar o isolamento, o afastamento de familiares e amigos, a mudança de hábitos, a previsível falta das nossas Festas e Tradições, a suspensão das manifestações comunitárias da nossa fé.

Jornal da Praia termina esta reflexão não só com a dor pelos que já sofrem e pelos que já partiram, mas com orgulho do esforço de todos os que nestes Açores vivem, particularmente de todos aqueles que fazem parte do “exército” que combate na linha da frente este “inimigo” invisível, onde mesmo aqueles que não juraram bandeira, o fazem com o potencial sacrifício da própria vida. E porque em época de isolamento social não podemos deixar “Aquele abraço Praiense!”, e porque assim nos ensinaram os nossos pais e avós, e porque assim merecem os nossos filhos, deixamos-vos com a confiança, a certeza, de que no final poderá não ficar tudo bem, mas que, unidos, destronaremos o COVID!

Luis Moniz