Jornal da Praia

PUB

Recordando o Dr. Durval Monteiro

Sexta, 10 de Abril de 2020 em Opinião 440 visualizações Partilhar

Recordando o Dr. Durval Monteiro

Passa no corrente ano, o 30º aniversário da morte de um médico extraordinário, natural das Fontinhas deste concelho da Praia da Vitória. Pelo seu perfil pessoal e bondade inata contagiou, emocionalmente, todos os que tiveram a sorte de o conhecer e/ ou de se cruzar com ele, mormente os doentes, na Cirurgia do Hospital de Angra do Heroísmo, os seus amigos e os alunos e funcionários da Escola de Enfermagem e da Escola do Magistério e Educadores, então a única existente nos Açores e que, tal como tem acontecido noutras situações com a complacência, a negligência e a distracção dos terceirenses, foi parar a outras paragens periféricas do arquipélago.

Mas entremos no que mais hoje interessa. Recordar e sublinhar as nobres qualidades e o exemplo de um jovem na flor da vida, tão importantes para o nosso tempo de penúria de valores humanos, universais e intemporais.

Para isso é oportuno republicar dois textos evocativos desse malogrado cirurgião, tal como apareceram na imprensa terceirense, em 1990: o do Pe. Dr. Caetano Tomás (falecido) e o deste vosso servidor.

1-MORREU O DOUTOR DURVAL

Foi pelo telefone que alguém me disse: «olhe, uma notícia chocante: morreu o Doutor Durval».

E fiquei mesmo chocado; e a doer-me interiormente.

Horas depois, mais alguém me dizia: «morreu o Doutor Durval e é chorado por muita gente».

Concordei, e concordo que seja «chorado por muita gente»: ainda há poucos dias terminava uma aula na Escola de Enfermagem, e ele chegava para dar a sua. Trocámos algumas palavras. Eu disse-lhe: «cá vem o Senhor Doutor com a sua boa disposição, serena e acolhedora. Nunca me esqueço do ar atencioso e amigo com que o Senhor anda pela cirurgia; mantenha Senhor Doutor, essa atitude de acolhimento e delicadeza para com os seus doentes». Ao que ele respondeu com toda -a naturalidade: «faço o que posso pelos doentes, eles precisam».

Na verdade, estive internado na Cirurgia na Páscoa de 1988. E deu-me nas vistas o ar disponível, humano e ”próximo” com que o Doutor Durval andava naquele serviço. Ele cumprimentava os doentes, mesmo os que não eram seus; ao entrar numa sala, dava bom dia a toda a gente; falava com naturalidade, sem ar distante, sobranceiro, incomodado, não acessível que tanto “machuca” quem (está) internado e dependente.

Compreendo que seja chorado por muita gente. Também eu choro…

Angra, 11.11.90

Pe. Caetano Tomás

2-À memória de um amigo

Dizem que o Durval Monteiro, meu amigo e ex-colega da extinta Escola do Magistério faleceu vítima de estúpido acidente de viação em Coimbra. Ele que na pujança dos seus 29 anos se preparava para uma especialização em cirurgia para prolongar a vida dos outros, acabou por ironia do destino a sua, às mãos de uma morte cruel e sem piedade. Ele que iria em breve constituir o ninho dos seus sonhos, deixou-nos o amargor de uma existência efémera e frágil como uma flor violentamente arrancada do jardim da nossa fantasia. E a nossa saudosa e jamais substituída escola era isso mesmo. Um jardim de sonhos e esperanças.

Leio a evocação do Dr. Caetano Tomás publicada em A União do dia 12 de Novembro, hesito na descrição do retrato do professor de Saúde. Meio-desorientado, interpelo contínuos e professores da Escola Emiliano de Andrade. Não me conformo, ali havia confusão.

Eu estava amnésico ou ensonado da noite mal dormida da véspera. Horas depois, vinham os pormenores sobre a infausta notícia que iria ser dada por um colega e muito conceituado cirurgião do Hospital de Angra. A notícia na sua implacável dureza não deixava, desgraçadamente, mais nenhuma centelha de esperança. Efectivamente, morrera o Durval Monteiro, das Fontinhas.

O Dr. Durval Monteiro além de ser a encarnação da alegria, a boa-disposição e optimismo era uma pessoa de excepcionais qualidades humanas, jamais poderei esquecer a sua generosidade e simpatia ao transportar-me à sua residência de Angra para me medir a tensão e fazer um teste à urina, numa tarde de muita melancolia e preocupação. Eu insisti que me levasse ao Hospital, mas ele fez questão de me observar primeiramente, em sua casa e só depois me conduziria à Urgência do Hospital, se fosse caso disso. Felizmente não foi preciso.

A Terceira, com o seu infausto e precoce desaparecimento, perde não apenas um promissor médico-cirurgião, mas um cidadão-filho de raras e nobres qualidades humanas.

Adeus, meu bom amigo. Qualquer dia levo-te uma lembrança e falaremos da tua última morada. Os verdadeiros amigos nunca morrem. E tu és médico.

Angra, 15.11.90

António Neves Leal

(Publicado no Diário Insular do dia 16.11.90)