Jornal da Praia

PUB

Colonialvírus

Sexta, 10 de Abril de 2020 em Opinião 382 visualizações Partilhar

Colonialvírus

É nos momentos de crise que a tão badalada solidariedade se deve aplicar. Foi isso que o Governo dos Açores tentou com a carta escrita a António Costa pedindo a suspensão das ligações aéreas do exterior com destino aos aeroportos dos Açores, tendo como única finalidade o isolamento do território açoriano, minimizando a contaminação infeciosa que alastra pelo globo.

Foi um gesto responsável da parte de quem, melhor do que qualquer outsider, conhece ao pormenor o seu berço natal.

Foi igualmente um gesto de fidelidade partidária e ideológica, não querendo atuar unilateralmente (podia fazê-lo), para não ser visto ou mesmo acusado politicamente de pessoa demasiado ousada e autónoma para se confiar a nível interno partidário.

Em aspirações políticas futuras para voos mais altos, a demonstração de cega fidelidade é sempre posta à prova, até que se possa ser fiel da balança.

Recorde-se a teia engendrada pelas tarântulas de São Bento e Belém para formatarem João Bosco Mota Amaral, quando este apresentava sinais de revindicações separatistas durante as crises de regime comunista dos anos setenta do século vinte.

Dado o seu alicerçado prestígio açórico, Lisboa começou a temer pela eventual possibilidade de perder a sua joia colonial e o seu único poder de negociação junto de potências como os EUA e, eventualmente, Europa e o resto do mundo.

Foi chamado a reunir com as altas instâncias que logo lhe prometeram mundos e fundos. Uma fracassada pretensão à presidência da república, com três navalhadas nas costas dadas pelo Cavaco Silva nas Caldas e o cargo compensatório de presidente da assembleia da mesma república de 2002 a 2005. O lastro político de Mota Amaral era pesado demais para ser ignorado pelo centralismo. Algumas medalhas ao peito resolveram a dita formatação numa assentada.

Deus lhe perdoe. A ele e a muitos outros…

Podíamos ser hoje um país como Malta, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e outros. Membro da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), país amigo de Portugal e de todos – mas independente. Membro de pleno direito da União Europeia, tal como a República de Malta com 450 mil habitantes ou a Islândia com 370 mil pessoas.  

Com Carlos César a mesma situação. César governou por diversos mandatos e ganhando prestígio logo foi aspirado pelas forças centrais para os comandos do partido socialista.

Costa no entanto, conhecendo o espírito irrequieto de César bem como a sua destreza política, mantem-no sob equilíbrio de banho-maria.      

Continua a surpreender-me esta fidelidade medrosa e submissa dos governos que temos tido nas nossas Ilhas, diante de poderes herdeiros de impérios com longo historial de colonizadores e esclavagistas, habituados durante séculos a redimir e subjugar pela força (seja ela qual for) todos os fracos que se lhe opõem.

Assim como não deixa de ser curioso que o Povo Açoriano se deixe levar tão facilmente por retóricas vazias. Já são 600 anos de submissão forçada.

Recentemente, temos a atitude de menosprezo pelas Ilhas Açorianas da parte do ministro dos negócios estrangeiros português Augusto Santos Silva, demonstrada na patética resposta sobre o Acordo das Lajes com os americanos. Nada condicente com o socialismo democrático. Parecem extremistas a falar, quando se trata da política estrutural açoriana ou madeirense. Alberto João Jardim sabia responder-lhes à letra:

“Quem quer Ilhas, paga por elas. Se não quiser, já sabe o que tem a fazer…”.

Até a vigilância constante da parte da nova PIDE do regime português à qual, tal como Marcelo Caetano, apenas lhe mudaram o nome para SIS (Serviço de Informações de Segurança), mantém as Ilhas debaixo d’olho. Esta polícia secreta funciona com um orçamento de 10 a 15 milhões de euros e tem mais autonomia administrativa e financeira do que os Açores e a Madeira.

Com a recente aquisição de supercomputadores, tornam-se mais sofisticados ainda, na subtil perseguição do independentismo insular.

O frágil argumento de António Costa contra o fecho das entradas aéreas no Território Açoriano dececiona uma grande parte do eleitorado que tinha votado nele, a não ser que diga o que disse Rui Rio de “valermos apenas 12 mil votos…”

Como afirmou via Skype para um dos canais noticiosos o Professor Poiares Maduro:

“As ditaduras estão a resolver melhor esta crise”.

Referia-se assim à China, que mostrou grande eficiência no combate à epidemia que a todos assola, bem como deu completa autonomia ao seu território de Macau para que este tivesse a liberdade de se isolar caso o entendesse – o que de facto aconteceu.

Os comunistas chineses ensinaram assim aos democratas portugueses como se deve, sobretudo, salvar vidas em primeira mão.

Não se esqueçam: Lavar as mãos e ficar em casa. Depois se verá…

José Soares