Jornal da Praia

PUB

Bel Cantus grupo terceirense vinga na música

Sexta, 27 de Março de 2020 em Entrevista 360 visualizações Partilhar

Bel Cantus grupo terceirense vinga na música

Como apareceu o grupo musical Bel Cantus e o porquê do nome?

O grupo musical Bel Cantus surge ainda numa formação muito precoce nas Festas das Lajes de 2012, interpretando apenas um tema, a “Saudade”, tema tradicional da ilha Terceira. Logo após essa "estreia" os elementos do grupo decidiram levar esse projeto mais a sério, equilibrando-o em termos de conjunto, convidando mais dois elementos até à sua formação atual.

Em 2013 surgiu um convite para o festival de fado amador que se realizava na Academia da Juventude da Ilha Terceira, e mesmo não sendo à partida um estilo musical que o grupo quisesse seguir, selecionamos três fados, que com arranjos próprios do grupo fizeram com que nos apresentasse-mos de uma forma "oficial" ao público.

O nome surge nesse mesmo contexto, tínhamos uma apresentação oficial agendada e não tínhamos nome. Era algo que teria de ser resolvido com a maior brevidade, então pesquisamos online termos musicais que pudessem ser apelativos e que nos enquadrássemos. Do Bel Canto que deriva da ópera italiana e que tem como característica principal a valorização da voz, alteramos ligeiramente e surgiu os Bel Cantus.

 

Quantos elementos compõe o grupo? E que género de música tocam e cantam?

O grupo Bel Cantus é composto atualmente por 7 elementos, Carla Vieira na Voz, Rita Correia na Voz, Celso Mendonça na Guitarra e Vozes, Rodrigo Lima na Flauta Transversal, Marolo Silva no Acordeão, Vítor Costa no Baixo e Luís Costa na Bateria e Vozes.

Desde o início deste projeto que uma das "regras" era a música portuguesa, a nossa língua.  Começamos por interpretar temas de alguns grupos portugueses e autores que nos identificávamos para o estilo que procurava-mos, tais como Zeca Afonso, Pé na Terra, Rimanço, Miguel Araújo, Sebastião Antunes, entre outros. Atualmente já temos os nossos próprios temas originais, aliás, os 10 temas que iremos apresentar neste 1º CD intitulado ”Alcance". O nosso ADN é a música portuguesa com características folclóricas derivadas das raízes da nossa Ilha Terceira.

 

Dos vários espetáculos que já deram qual é a reação do público? O público gosta do que ouve?

São já 7 anos de existência desde a nossa estreia, sendo que a nossa continuidade e a procura de novos projectos deriva da boa aceitação que o público tem tido em relação ao grupo.

 

Além das várias apresentações nas diversas festas da freguesia na Ilha Terceira, os Bel Cantus já atuaram nos mais variados moldes nos 3 auditórios, Teatro Angrense, Centro Cultural de Angra do Heroísmo, Ramo Grande na Praia da Vitória. Já se apresentou no Canadá e nos Estados Unidos representando as Câmaras Municipais de Angra do Heroísmo e da Praia da Vitória, o que nos faz acreditar que o publico em geral reconhece o nosso trabalho.

 

O ano de 2016 foi um ponto de viragem para o vosso grupo. Qual foi a vossa reação ao receberem o prémio “Artistas do Ano 2016”, entregue pela Associação Estudantil SOPAS Society of Portuguese American Studentes of Tulare?

A nossa ida aos Estados Unidos da América marcou muito o nosso grupo, fomos em representação da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo para um aniversário das cidades irmãs Tulare/Angra. Nunca nos passou pela cabeça sermos recebidos da forma com que nos receberam, dessa viagem trouxemos novas amizades, outras que se fortaleceram e o culminar da mesma foi termos recebido essa informação, de que a associação de estudantes das escolas de Tulare tinham votado em nós para artistas do ano, prémio que pela primeira vez seria entregue a alguém fora daquela comunidade. Foi uma viagem muito marcante, e que muito nos impulsionou para o alcance deste CD.  Lembro-me perfeitamente que após um concerto na escola de Tulare, formos abordados por algumas pessoas que nos perguntavam por CDs.  Viemos com a vontade reforçada em concretizar este sonho, e daí saiu também uma dedicatória a esta cidade, a faixa número sete (o número de dias que tivemos naquela cidade) é “Tulare”, tema que dedicamos a toda a comunidade portuguesa na Diáspora, especialmente à da cidade de Tulare.

 

 “Mergulho no Sonho” ou “Entrudo a Chocalhar” são alguns dos vossos temas originais. Onde vão “beber” a inspiração para comporem os vossos temas?

São realmente dois temas que incluem este CD ”Mergulho no Sonho” é da minha autoria com letra do Bruno Bettencourt, e lembro-me de ter feito esse tema em 2015 durante as Festas da Praia da Vitória, lá está, as nossas tradições e o nosso ambiente festivo nos influenciando para novas criações. “Entrudo a Chocalhar” é um tema original de Francisco Rocha, com letra de José João Silva, recuperado pelo nosso grupo de um bailinho de Carnaval do porto judeu, é um tema que fala do nosso Carnaval, uma das mais fortes tradições da ilha terceira.

 

Com data prevista de lançamento dia 11 de abril, o vosso grupo lança o primeiro CD de originais. Foi fácil concretizar este vosso empreendimento

Tendo em conta a situação atual mundial, e concretamente no nosso País, estamos apreensivos em relação ao nosso evento, vivemos atualmente na incerteza se será concretizado para já no dia 11 de abril ou ser adiado por força da situação atual. A certeza que temos é que perante 7 anos de existência do grupo, 4 anos de trabalho neste projeto com a criação de músicas, letras, gravações, este trabalho será apresentado o mais breve possível. Não foi um trabalho fácil, em alguns momentos muito cansativo e desgastante, mas que o resultado final nos deu uma satisfação enorme e uma sensação de dever cumprido.

 

Pode-nos falar um pouco sobre este vosso primeiro trabalho discográfico? O que pode o público ouvir?

Neste nosso primeiro trabalho o publico irá ter acesso a música portuguesa criada por nós no estilo a que já habituamos o ouvinte. Temos a participação de alguns convidados que ao longo dos anos foram importantes para nós, que estiveram direta e indiretamente associados a nós, João Mendes na Guitarra Elétrica, para além de ter sido a pessoa que nos gravou em estúdio, Francisco Rocha ao Piano, que para além de dois temas seus que interpretamos, muito nos ajudou em termos gerais, Gualter Silva e Beatriz Borges no Trompete, Filipa Duarte e Catarina Melo nos altos, Eric Oliveira no Tenor e Catarina Tavares no Trombone também participarão no dia de lançamento deste trabalho.

Aproveitava também para agradecer a todos os que participaram neste projeto e que infelizmente não poderão estar presentes por motivos pessoais, Gonçalo Cota, Flávio Santos, Valeria Sousa, Arlindo Ourique e Rodrigo Lucas.

Agradecer também o trabalho de fotografia que foi feito pelo Rui Caria e o trabalho de design que ficou a cargo do Sérgio Caldeira.

Por fim, e não menos importante, agradecer a todos os autores que amavelmente escreveram para nós, Bruno Bettencourt, José João Silva, Sandra Vieira e Álamo de Oliveira.

 

Após o lançamento deste vosso trabalho quais as vossas expetativas futuras?

Após a apresentação deste trabalho as nossas expectativas são de continuar a seguir o caminho que desde o início escolhemos, criação de temas nossos, com a nossa linguagem pessoal, contendo letras de autores da nossa ilha e que em breve possamos apresentar novos trabalhos.

Entrevista: Rui Marques

Foto: Rui Caria