Jornal da Praia

PUB

Manuel Jacques de Oliveira – O Bravo

Sexta, 27 de Março de 2020 em Opinião 2042 visualizações Partilhar

Manuel Jacques de Oliveira – O Bravo

Há exatos 379 anos, a 28 de março de 1641, o capitão Manuel Jaques de Oliveira, com a sua companhia de ordenanças da Ribeirinha, assaltou e conquistou o Forte de S. Sebastião, vulgo Castelinho. O capitão Manuel Jacques de Oliveira era filho de Pedro Jacques, também capitão da companhia da Ribeirinha.

Com a União Ibérica, os espanhóis, reconhecendo a importância da Ilha, construíram aí a maior fortaleza filipina do mundo, chamada na época de Castelo de S. Filipe, hoje São João Batista. A Restauração da Independência a 1 de dezembro de 1640 abriu um novo ciclo na vida do país, contudo, em Angra, com a Fortaleza Filipina, existiam espanhóis a viver na Ilha e que estavam protegidos pelas construções feitas a mando deles. Assim, a 24 de março de 1641, em um Domingo de Ramos, o capitão-mor da Praia Francisco Ornelas da Câmara, à saída da missa, em pleno adro da Matriz da Praia, aclamou D. João IV como rei de Portugal, jurando-lhe obediência e fidelidade. Uns dias depois, a 27 de março de 1641, iniciava-se o cerco aos espanhóis. Angra era então ocupada militarmente pelo seu Capitão-mor, João Bettencourt de Vasconcelos, que pediu auxílio militar a Francisco Ornelas da Câmara. Este reuniu as tropas da sua capitania e marchou para a cidade.

No início da Guerra do Castelo, uma personalidade vai sobressair-se em um acontecimento importante para os portugueses, o Capitão Manuel Jacques. A 28 de março de 1641, uma quinta-feira santa, a companhia da Ribeirinha entrou na cidade de Angra para ajudar os populares que atacavam o Castelinho e estavam a ser repelidos pelos 25 soldados espanhóis e o seu capitão Respanho aí aquartelados. A companhia comandada pelo Capitão Manuel Jacques incluía também mulheres da Ribeirinha, que acompanhavam os seus maridos e filhos. A companhia atacou o Forte pela porta principal, destruindo-a com machados.

O capitão Jacques foi avisado por um português que se encontrava no interior do Forte, que a casamata estava desguarnecida. Assim, enquanto uns atacavam a porta, o capitão Jacques juntou um punhado de soldados e subiu pela casamata, tomando então de assalto o forte. Aprisionou-se o capitão espanhol, contudo alguns castelhanos conseguiram fugir pela abóboda e chegaram ao Castelo de S. Filipe a nado, onde se encontravam 500 militares castelhanos e o seu comandante.

Com esta conquista, o capitão Jacques assenhorou-se do Forte, governando-o por algum tempo, entregando-o depois a Luís Cardoso Machado, que o recebeu por mercê régia. Assim, conseguiu-se o controlo do porto de Angra e impedir eventuais reforços aos espanhóis que se encontravam cercados no castelo de S. Filipe. Renderam-se apenas a 4 de março de 1642, saindo da Ilha a 6, com honras militares. O Capitão Manuel Jacques foi ainda Juiz dos Órfãos da vila da Praia. Angra do Heroísmo homenageou-o dando o seu nome a uma rua nas imediações do Castelinho, além que o Brasão da Ribeirinha passou a ter uma torre e um leão empunhando o estandarte da Ordem de Cristo, símbolo da vitória da companhia da Ribeirinha.

Atualmente é muito importante que não cruzemos os braços perante as adversidades e não tenhamos medo de procurar novos caminhos. É muito importante que cada um de nós participe com espírito de cidadania em construir o presente e lute pelo futuro que já é amanhã. É preciso que todos nós combatamos para criar uma região autónoma mais unida e mais forte, em prol duma sociedade melhor.

 

Francisco Miguel Nogueira

Historiador