Jornal da Praia

PUB

Outbreak – A resposta da Natureza

Sexta, 27 de Março de 2020 em Opinião 281 visualizações Partilhar

Outbreak – A resposta da Natureza

A meio da manhã de quarta-feira última, a OMS (Organização Mundial de Saúde) subiu o nível de alarme mundial do surto epidémico para pandemia global.

Pela tarde adentro, o presidente açoriano Vasco Cordeiro anunciou medidas drásticas para todo o território açoriano. As atracagens de barcos de cruzeiro ficam proibidas, o fecho de diversas instituições públicas, cancelar viagens de e para os Açores e outras mais, dando com isto o exemplo aos privados de fazer o mesmo.

À noite o presidente dos EUA anunciou atabalhoadamente e depois das asneiras ditas durante a semana, a suspensão de viagens entre a Europa e a América, com exceção para o Reino Unido, mas não explicou porquê.

Ao mesmo tempo, a NBA suspende a época de basquetebol nos EUA.

E ficamos a saber que nem os famosos atores escapam. O luso-descendente (os avós maternos eram portugueses) Tom Hanks e a esposa Rita Wilson, anunciam que estão infetados pelo COVID-19. O ator estava na Austrália, contradizendo a teoria ignorante de Trump, quando há dias atrás afirmou que com a chegada do calor, o vírus iria desaparecer…

Na quinta-feira, o governo açoriano decidiu encerrar as escolas, creches, acolhimentos de terceira idade já a partir de segunda-feira. O Estado Português declara o estado de Alerta para todo o país.

Perante toda esta amálgama de acontecimentos ao minuto, um responsável da irmandade do Santo Cristo de Ponta Delgada, declara que não vê nada de maior para que as grandes festas religiosas dos Açores não se realizem (cá está o dinheiro a falar…)

Já pela noite dentro de quarta-feira, sábios comentadores televisivos, criticam Vasco Cordeiro por não ter proibido a atracagem de navios cruzeiro há mais tempo nos portos dos Açores. Uma sabedoria impressionantemente… vazia.

Ora acontece que Vasco Cordeiro fez o que deveria fazer. Esperou pelos técnicos nacionais e internacionais, agindo em conformidade como vemos todo o mundo a fazer.

Mesmo que Vasco Cordeiro, por intuição ou sensibilidade, calculasse que tudo aquilo era para ser feito, preferiu – e muito bem – esperar pela opinião dos cientistas.

As ordens são emanadas da Organização Mundial de Saúde, do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças e Direções de Saúde dos países envolvidos e não da cabeça dos políticos.

O lado positivo de toda esta questão, é que as grandes cidades chinesas, há décadas que não respiravam ar tão limpo como agora, o que não deixa de ser o cúmulo das ironias. Com a paragem obrigatória de milhões de carros ligeiros e pesados, outros milhões de toneladas de C02 não foram projetadas na atmosfera e os céus agradecem.

Por cá, todas as medidas foram acauteladas. O que era possível fazer foi feito. Mas a imprevisibilidade nestes casos é o pior inimigo. A nossa frustração é termos os avanços que temos no campo científico e estarmos absolutamente impotentes perante este desconhecido vírus, para o qual não existe imunidade.     

O cansaço toma já conta dos responsáveis de saúde e políticos que, melhor do que nós, têm uma noção mais realista e verdadeira desta calamidade.

Para quem viu filmes como “OUTBREAK” (1995) ou “CONTAGION” (2011) e pensava que tudo não passava de ficção, temos agora esta realização da Natureza, a chamar-nos a atenção à nossa vida humana desenfreada.

Não ouvi grandes alaridos vindos da India ou do continente Africano, pelo menos até esta data.

Por outro lado, ilhas enormes de gelo estão a derreter como resultado do aumento da temperatura do planeta. Será que o descongelamento de todas aquelas calotas polares, congeladas há milhares e milhares de anos, não descarrega novas espécies virulentas? É uma pergunta minha para os que dizem saber. Não podemos estar imunes a algo que existiu milhões de anos antes de nós.

Bem sei que vão dizer que isto é ficção científica.

Muitos filmes também o são… mas acabam por acontecer situações similares, como a que vivemos agora.

E não se esqueçam de lavar as mãos…

 

José Soares