Jornal da Praia

PUB

Planos, Épocas, Circunstâncias, Ambiente

Sexta, 27 de Março de 2020 em Opinião 290 visualizações Partilhar

Planos, Épocas, Circunstâncias, Ambiente

Continuamos a fazer sugestões que facilitem e mantenham a auto-estima que,  como se esclareceu, é um tema fundamentaal para a manutenção da nossa saúde física e mental. Acontece que ao longo da vida até podemos ter planos aparentemente ajustados para o dia-a-dia, mas isso nem sempre chega visto que, como até podemos deduzir pela fotografia, as épocas, circunstâncias e ambiente em que vivemos sofrem alterações, que habitualmente colocam problemas, ou novos desafios. Daqui deriva a sesta sugestão a que se pode recorrer para também reforçar a auto-estima, e que diz que não se devem pôr todos os ovos na mesma cesta, ou seja, que é fundamental diversificar os interesses e habilidades.

Neste sentido Zugman (2008) refere: «arrange um hobby, aprenda algo de novo, matricule-se nalgum curso e leia livros sobre os mais diversos assuntos». Diversificar interesses e habilidades é ser criativo, que como defende o autor, não é uma dádiva divina, antes fruto do trabalho gradual de dedicação apaixonada de cada um de nós. Neste trabalho importa também melhorar as nossas ligações com os outros, o que corresponde ao que se considera a sétima sugestão a utilizar para a melhoria da auto-estima. Amplie-se pois e fortaleça-se a rede e os laços sociais de amigos, e descubra-se no meio ambiente lugares especiais para recarregar energias.

A oitava sugestão defende a importância de se evitar a auto-vitimização, que corresponde a quem por um lado impõe a si próprio, embora sem intenção, uma postura de vítima, caracterizada pela passividade, receio de poder vir a irritar-se, ou a “perder a cabeça”, e por outro, e como defesa, projecta a sua raiva nos outros, antecipando a possibilidade de o poderem agredir ou prejudicar. Quem assim procede esquece que é sempre possível mudar a postura de pessoa vitimizada, baseada em comportamentos negativos, para uma atitude mais adulta, caracterizada por enfrentamento activo e poder pessoal (Firestone, 2019). Reconhecer e desafiar as vozes negativas que aparecem dentro de nós corresponde à melhor forma de dominar a orientação vitimizada.

Finalmente, a nona sugestão diz respeito à importância relevante para cada um de nós de ser capaz de afirmar-se a si próprio, antes e durante um acontecimento stressante. Não é por acaso que alguns psicólogos consideram este tema fundamental quando se faz terapia psicológica, por se relacionar directamente com a auto-imagem, a auto-estima, e o auto-conceito, e por isso ser um dos mais significativos determinantes no comportamento humano. Face às ameaças que possam ser sentidas como graves, a pessoa não pode deixar de manter uma imagem global positiva de si próprio. Isto contraria e contrapõe-se ao modo de reagir daqueles que, à mais pequena coisinha esperam o pior, e se sentem desvalorizados, perseguidos, descompensados, aniquilados, e por isso não aproveitam as oportunidades que o mundo lhe oferece.

A pessoa auto-afirma-se quando se empenha em actividades ou trabalhos que, por um lado, lhe sejam significativos, a nível cognitivo e emocional, no sentido de a fazer ultrapassar as suas dificuldades ou deficiências, e que por outro se revelam valorativos para a sociedade. Isto acontece habitualmente em todos aqueles que se esforçam por saber combinar adequadamente o seu eu pessoal, a forma como se relacionam consigo próprio, com o seu eu social, ou seja, a maneira como são capazes de se adaptar às expectativas externas.

Esclarecendo: as pessoas afirmativas, também conhecidas por assertivas, empenham-se em exprimir diretamente os próprios sentimentos, preferências, necessidades e opiniões, de maneira não ameaçadora nem punidora dos outros, e sem manifestar uma indevida ou excessiva quantidade de ansiedade ou medo. E, contrariamente à opinião popular, e como referem Galassi & Galassi (1977), a afirmação ou asserção não constitui uma panaceia, nem uma simples solução para os todos os males do mundo, mas simplesmente um meio directo e honesto de comunicação entre os indivíduos.

Enfim, para além de todas estas medidas que nos podem ajudar a enfrentar o stress, a questão que fica é a seguinte: porque continuamos a nos aborrecer e a sentirmo-nos forçados, por tudo e por nada? Encontre a resposta no próximo Cantinho.

Referências:

Firestone, R. W. (2019). How to stop playing the victim game: Challenging negative voices is the way to overcome a victimized orientation. Psychology Today, 2013.

Zugman, F. (2088). O mito da criatividade: Desconstruindo verdades e mitos. Rio de Janeiro: Alta Books.

Galassi, M. D. & Galassi, J. P. (1977). Assert yourself: How to be your own person. New York: Human Sciences Press.

Porto Martins, 12 de Março de 2020.