Jornal da Praia

PUB

Terceira Tech Island Projeto Revitalizador para a Ilha Terceira

Sexta, 13 de Março de 2020 em Entrevista 144 visualizações Partilhar

Terceira Tech Island Projeto Revitalizador para a Ilha Terceira

Quais as razões que levaram o Governo dos Açores a criar na ilha Terceira o projeto "Terceira Tech Island"?

O projeto “Terceira Tech Island” nasce com um objetivo claro: atenuar os efeitos do downsizing norte-americano da Base das Lajes, substituindo parte do impacto negativo que aquela decisão unilateral teve na economia da Ilha Terceira. Foram centenas de militares norte-americanos e as suas famílias que, sem demora, deixaram de ter impacto na nossa economia.

O projeto “Terceira Tech Island” visa colmatar esse impacto, quer nos postos de trabalho indiretos que deixaram de existir, quer reabilitando as infraestruturas excedentárias que os norte-americanos abandonaram, aproveitando recursos humanos qualificados para a reconversão em novas tecnologias. Assim, lançámos o projeto “Terceira Tech Island” em outubro de 2017, durante a Web Summit, colocando a Região no radar dos investidores do setor tecnológico. Aliámos a natureza à capacidade de produzir software dos Açores para o mundo, estando ao dispor um vasto leque de condições ímpares atrativas para as empresas do setor. Já é uma mais valia para os Açores, porque já se constituíram empresas, geraram-se postos de trabalho qualificados e promoveu-se estabilidade profissional para muitos açorianos.

 

No vídeo de apresentação do "Terceira Tech Island", disponível no site investinazores.com, o senhor Vice-Presidente do Governo dos Açores refere que “a Terceira pode ser a capital do Atlântico em termos de novas Tecnologias". Como é feita a promoção do "Terceira Tech Island" fora de portas? É fácil promover o projeto junto das grandes empresas do setor das novas tecnologias, que poderão trazer mais valias para a ilha Terceira, para os Açores ou mesmo para o nosso país?

Na perspetiva da promoção do projeto para captação de empresas externas à Região, há todo um trabalho que é feito de forma discreta e no terreno, através de profissionais especializados na captação de investimento com abordagens a empresas tecnológicas, após um intenso período de estudo e identificação. Já no que diz respeito à promoção do projeto em si, é desenvolvido um trabalho com o intuito de dar a conhecer à população em geral em que consiste o projeto, quais os resultados visíveis…E sublinhamos a importância das pessoas se inscreverem nos Cursos de Programação que promovemos, pois existe uma clara necessidade de recursos no mercado.

Apesar de já termos captado cerca de 20 empresas, não é fácil que haja este tipo de resultados em tão pouco tempo, isto é, em dois anos. A decisão de uma empresa se deslocalizar ou abrir um polo de desenvolvimento de software é muitíssimo relevante na vida empresarial, tendo em conta que acarreta custos e riscos. Mas, felizmente, temos vindo a consolidar e a imprimir confiança em todas as empresas que tomaram a decisão de se instalar no projeto, graças ao trabalho de uma equipa dedicada e aos benefícios criados pelo Governo dos Açores.

As mais valias para a Ilha Terceira, e para os Açores, são simples: está a ser criado trabalho qualificado e bem remunerado; as empresas que se instalaram têm um efeito multiplicador na economia, ou seja, comércio, imobiliário, serviços…; os lucros dessas empresas são taxados nos Açores; e aumenta a nossa balança comercial na medida em que aumenta as exportações da Região.

 

...e que parcerias público/privadas pode o Governo dos Açores captar para projetar o "Terceira Tech Island" e ombrear com os grandes “hubs” tecnológicos?

Todas as empresas tecnológicas instaladas lidam, diariamente, com a necessidade de inovação para os seus clientes ou desenvolvimento de produtos. O Governo Regional está sempre disponível para colaborar em projetos que envolvam a sociedade e as empresas, desde que haja benefícios claros para a população em geral. Nós não pretendemos competir com os grandes “hubs” tecnológicos, pois os Açores têm a sua própria identidade e uma imagem de sustentabilidade que conjuga na perfeição com o perfil dos colaboradores tecnológicos. O que pretendemos, enquanto “hub”, é fazer ligação entre o Novo e o Velho Continente, aproveitando o facto de termos uma enorme diáspora localizada em Boston, Califórnia ou Toronto.

 

Desde o arranque do projeto, até ao momento, já estão instaladas 20 empresas. O objetivo inicial, ou seja, a criação de 400 empregos, mantém-se?

O objetivo de atingirmos os 400 postos de trabalho continua a ser o mote de trabalho todos os dias. Neste momento existem cerca de 160 postos de trabalho criados. A nossa grande dificuldade tem sido a captação de talento, por isso temos vindo a fazer campanhas para a captação de alunos nas outras ilhas. E há até uma “Residência” para quem vive fora da ilha Terceira, sem custos, desde que seja selecionado para as formações que são ministradas no projeto.

 

Dentro de portas, o projeto começa a suscitar curiosidade da população em geral que vê concretizar a instalação de várias empresas na ilha Terceira, com destaque para a cidade da Praia da Vitória. Que setores beneficiam ou poderão vir a beneficiar com o projeto "Terceira Tech Island"?

Nós vivemos em plena era da digitalização. Todo o setor terá sido abrangido e beneficiado com a mesma.

O impacto direto do projeto “Terceira Tech Island” tem sido a criação de emprego, a revitalização do centro histórico da Praia da Vitória, o impacto positivo no imobiliário, com a instalação de empresas e de colaboradores que se têm instalado no mercado de arrendamento, na restauração, para fazer face ao aumento da procura, entre outros.

Todo este efeito multiplicador na economia local e regional, graças ao projeto, é positivo. Também existe uma mudança de mentalidade que este projeto tem vindo a conseguir – há a clara noção, por parte da população local, de que desenvolver software não é “brincar aos computadores”, mas sim contribuir para que as empresas melhorem a sua performance, reduzam custos de contexto, sejam mais sustentáveis, e melhorem a vida das pessoas.

 

Neste sentido, o senhor Vice-Presidente do Governo dos Açores falou há pouco dos Cursos de Programação e da necessidade de recursos no mercado. Quem pode inscrever-se nestes cursos e quais habilitações académicas exigidas?

Estima-se que há uma necessidade, só em Portugal, de cerca de 40 mil programadores. Por isso, o Governo dos Açores, no âmbito do projeto Terceira Tech Island, criou o “Vale Programação”, que permite a qualquer pessoa que tenha residência fiscal nos Açores e mais de 18 anos, concorrer aos cursos disponibilizados no sítio da internet www.terceiratechisland.com. Os cursos são intensivos, pois duram no máximo 14 semanas, mas o modelo de formação está comprovadamente aceite pelas empresas tecnológicas que operam no mercado nacional e internacional. Ser selecionado e fazer o curso não é suficiente para garantir emprego. Aquilo que temos vindo a notar é que as empresas reconhecem as entidades que formam os programadores, mas valorizam muito as soft skills dos potenciais candidatos a colaboradores (capacidade de trabalho, trabalho em equipa, boa-disposição, vontade de aprender e de evoluir, etc).

Em média concorrem 200 a 300 pessoas para um curso que não costuma ter mais de 20 formandos. É preciso perceber se o potencial candidato tem pré-perfil para a prender a programar, e esse processo cabe exclusivamente às entidades formadoras. Faço um apelo a que se inscrevam e que apostem no vosso futuro.”